Publicidade

Estado de Minas

Rapaz morre baleado após brigar para defender namorada trans em Vespasiano

Segundo a polícia, a jovem reclamou com o namorado após ter sido assediada por homens que trabalhavam em uma obra e eles voltaram ao local para tirar satisfação. Horas depois, ele foi atingido por dois tiros


03/09/2020 09:43 - atualizado 03/09/2020 09:54

Jovem foi levado ao Hospital Risoleta Neves, onde morreu ontem à noite(foto: Túlio Santos/EM/DA Press)
Jovem foi levado ao Hospital Risoleta Neves, onde morreu ontem à noite (foto: Túlio Santos/EM/DA Press)

Um jovem de 20 anos morreu no Hospital Risoleta Neves, na Região de Venda Nova, em Belo Horizonte. Ele foi baleado na tarde dessa quarta-feira em Vespasiano, na Grande BH. Segundo a Polícia Militar (PM), o crime ocorreu horas depois de ele brigar com alguns homens para defender a namorada, que tem 22 anos.

O caso ocorreu no Bairro Serra Dourada. No início da tarde passada, a jovem, que é uma mulher transexual, estava passando por uma rua quando foi assediada por um grupo de homens que trabalhava em uma obra. De acordo com a polícia, ela revidou e disse que voltaria mais tarde. Acompanhada do namorado, ela foi até o canteiro de obras e o rapaz acabou brigando com um dos homens. O casal foi embora em seguida e os trabalhadores registraram um boletim de ocorrência de lesão corporal. 

Horas mais tarde, por volta das 17h, a PM foi chamada novamente na mesma rua porque o rapaz, identificado como Diogo Gonçalves dos Santos, havia sido baleado em frente a uma padaria. Ainda consciente, ele conseguiu dizer aos militares que algumas pessoas haviam atirado nele. 

Atingido no pescoço e no peito, ele foi levado ao Hospital Risoleta Neves e deu entrada no bloco cirúrgico. Conforme a PM, a namorada dele estava na recepção do hospital e confirmou que ele havia se envolvido em uma briga ontem. Na manhã desta quinta-feira, a assessoria de imprensa da unidade confirmou a morte de Diogo. 

A polícia fez um rastreamento pelos suspeitos, mas até o encerramento da ocorrência ninguém havia sido localizado. A polícia ainda não sabe se o crime pode ter relação com homofobia. O caso será investigado pela Polícia Civil. 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade