Publicidade

Estado de Minas Onda vermelha

Bares e restaurantes funcionam normalmente na 'Niterói' valadarense

Região conhecida como 'Niterói', às margens da BR-116, em Governador Valadares, registra movimentação intensa no comércio e prestação de serviços não essenciais


12/08/2020 16:23 - atualizado 12/08/2020 17:20

Entrada da região conhecida como
Entrada da região conhecida como "Niterói" com bares e restaurantes abertos ao longo da BR 116 (foto: Tim Filho/Especial para o EM)
A onda vermelha do Minas Consciente trouxe sérias limitações ao comércio considerado não essencial em Governador Valadares. Bares e restaurantes da cidade funcionam apenas com o serviço de encomendas e entregas em domicílio, fato que tem causado insatisfação aos comerciantes. No entanto, a situação de bares e restaurantes ao longo da BR-116, que corta a cidade de ponta a ponta, é totalmente diferente. Todos podem abrir normalmente, servir o almoço à mesa para trabalhadores da rodovia e caminhoneiros.

 

Na região mais movimentada da BR-116, conhecida como Niterói, formada pelos bairros localizados do outro lado da ponte de São Raimundo, o vaivém no comércio é intenso.

Nessa região, estão vários bares e restaurantes, agências bancárias, farmácias, oficinas mecânicas, lojas de autopeças, postos de gasolina, padarias e lanchonetes. Todos operando com os serviços essenciais.

A Vila Isa, maior bairro da Niterói, apresenta maior movimentação. Lá, os trabalhadores e caminhoneiros sentam-se às mesas nas calçadas e almoçam tranquilamente.

 

Restaurante da região
Restaurante da região "Niterói Valadarense", na saída para o Rio de Janeiro, às margens da BR 116 (foto: Tim Filho/Especial para o EM)
Marcelo Schlaucher, presidente do Sindicato de Hotéis Restaurante Bares e Similares de Governador Valadares, não economiza nas críticas ao programa Minas Consciente e diz que o setor de bares e restaurante está sendo “o boi de piranha da vez”. Ele lamenta o fato de os bares e restaurantes localizados fora da BR-116 não poderem abrir e não vê o Minas Consciente atuando com o objetivo de resolver um problema, e sim adotando uma postura incoerente.

 

“O decreto estadual não tem nenhuma coerência. Uns (bares e restaurantes) podem abrir e outros, a poucos metros da rodovia, não. Quem elaborou a lei deveria ter discutido com as entidades do setor para que pudesse tomar uma decisão dentro da realidade de cada economia, sempre levando em conta a questão da saúde”, disse.

 

Para Schlaucher, que administra uma pizzaria tradicional na área central de Governador Valadares, ao contrário do que os legisladores pensam, um restaurante tem muito mais condições de adotar medidas de higiene e distanciamento social que um supermercado, por exemplo. “O único controle que os supermercados fazem é dar uma dose de álcool em gel na mão do cliente e higienizar o carrinho de compras. E os produtos da prateleira quem higieniza?”, questiona.

 

Sobre a movimentação no comércio e serviços às margens da BR 116, o Grupo de Trabalho Extraordinário (GTE) do câmpus Governador Valadares da Universidade Federal de Juiz de Fora, que atua junto à Secretaria Municipal de Saúde, informou que a legislação permite o funcionamento, e que o descumprimento das medidas de proteção à COVID-19 devem ser denunciadas à fiscalização.

 

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade