Publicidade

Estado de Minas FISCALIZAÇÃO

Cai o número de furtos e roubos de veículos em MG no primeiro trimestre de 2020

No primeiro trimestre deste ano foram registrados 6.237 furtos e 2.495 roubos, 29,47% e 61,22%, respectivamente, a menos do que o mesmo período em 2017


05/08/2020 18:27 - atualizado 06/08/2020 03:25

Pátio do Departamento de Trânsito de Minas Gerais (Detran-MG)(foto: Divulgação/ Detran-MG)
Pátio do Departamento de Trânsito de Minas Gerais (Detran-MG) (foto: Divulgação/ Detran-MG)
A criação de um mercado legalizado de partes e peças de veículos automotores desmontados, totalmente rastreáveis – pela Polícia Civil (PC) -, promoveu uma redução significativa dos índices de furtos e roubos de veículos automotores no estado em 2020. Segundo o Departamento de Transito de Minas Gerais (Detran-MG), no primeiro trimestre deste ano foram registrados 6.237 furtos e 2.495 roubos, 29,47% e 61,22%, respectivamente, a menos do que o mesmo período em 2017.

Isso pode ser explicado pelo fato de a polícia ter implantado, ainda em 2017, dois sistemas que ajudaram na fiscalização e controle desses índices: o Sistema de Credenciamento de Empresas (SCE) e o Sistema de Rastreabilidade de Peças (SIRP). Desde a efetivação desses segmentos, 383 empresas já se credenciaram à PC e outras 732 pessoas jurídicas estão em processo de credenciamento.

Em 2017 foram registrados 31.661 furtos de veículos no estado. Já em 2019, esse número caiu para 23.675, redução de 25,22%. No primeiro trimestre de 2020 foram anotados 6.237 furtos, 29,47% a menos que no ano de instalação dos sistemas fiscalizadores. 

Em relação ao número de roubos, em 2017 foram constados 22.358 crimes deste tipo, em 2019 esse número caiu para 10.230 – redução de 54,24%. No primeiro trimestre de 2020, 2.495 roubos foram indicados, 61,22% a menos do que o computado no mesmo período de 2017, quando foram registrados 6.435 roubos de veículos.

De acordo com o coordenador de administração de trânsito do Detran, Adriano Assunção, a polícia e o Detran verificaram a necessidade de controle efetivo do comércio irregular de ocas de veículos provenientes de desmanches, onde existiam produtos oriundos do crime. 
 
“Em 2017, com a implantação dos sistemas, que congrega também a rastreabilidade de peças, foi legalizado o mercado de peças usadas, reduzindo, substancialmente, os indícios de furtos e roubos, com o corte na cadeia de receptação de veículos para desmanche e venda de peças usadas no mercado clandestino”, declarou. 

“Hoje, portanto, toda empresa (de desmontagem, recuperação, reciclagem e a de revenda de peças usadas), para seu funcionamento regular, precisa de autorização do Detran-MG. Ela se efetiva através do credenciamento, onde é feita a análise de sua regularidade documental e física, com a vistoria do estabelecimento e confirmação de suas condições de operação”, explicou o coordenador à reportagem.

Concurso Inovação

Os dois sistemas da Polícia Civil, criados em 2017, estão entre os finalistas do Concurso Inovação no setor público, promovido pela Fundação Escola Nacional de Administração Pública (Enap). A competição tem como objetivo valorizar as equipes de servidores públicos que se dedicam a repensar atividades cotidianas e incentivar o uso da inovação em serviços públicos do governo federal, estadual e municipal. 

Segundo o órgão, as iniciativas devem contribuir para o aumento da qualidade dos serviços prestados à população e tornam mais eficientes as respostas do estado para as demandas da sociedade.
 
O SCE e o SIRP foram inscritos na categoria Inovação em Processos Organizacionais, na qual seis iniciativas foram finalistas. Ao todo, a competição registrou 296 inscrições.

Na próxima etapa do concurso a equipe fará uma apresentação da iniciativa ao comitê julgador, que após as análises de todas as finalistas, escolherá as três iniciativas vencedoras de cada categoria. A data da premiação ainda está sendo definida pela coordenação da competição. 

Surgimento


O sistemas nasceram de um trabalho conjunto entre o Departamento de Trânsito de Minas Gerais (Detran-MG) e a Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais (Prodemge), ao buscar solução para o credenciamento de empresas que exercem a desmontagem, reciclagem e venda de peças automotivas, em conformidade com a lei federal 12.977/2014. 
 
* Estagiário sob supervisão da subeditora Ellen Cristie. 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade