Publicidade

Estado de Minas COVID-19 EM MINAS

Interiorização da COVID-19 em Minas preocupa cidades-polo, como Ipatinga e Valadares

Em Montes Claros, flexibilização chegará à quarta etapa na quinta-feira, 18 de junho


16/06/2020 20:33 - atualizado 16/06/2020 20:42

Ipatinga, no Vale do Aço, chegou a 851 casos positivos da COVID-19(foto: Prefeitura de Ipatinga/Divulgação)
Ipatinga, no Vale do Aço, chegou a 851 casos positivos da COVID-19 (foto: Prefeitura de Ipatinga/Divulgação)
Com a interiorização do coronavírus em Minas Gerais, os casos confirmados da doença aumentaram de forma significativa nas cidades-polo do estado nos últimos dias.  O quadro se agrava com o esgotamento dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e a escassez de respiradores, como se verifica em Ipatinga, no Vale do Aço. 
 
Nesta terça-feira (16), com uma taxa de ocupação de leitos de UTI em 100%, o município de 263,4 mil habitantes chegou a 851 casos positivos da COVID-19. A prefeitura de Ipatinga confirmou 21 mortes provocadas pela doença.

Os hospitais de Ipatinga contam com 30 pacientes com coronavírus internados em leitos de UTI. Vinte deles são de outros municípios da região.
 
Por meio de nota, a prefeitura informou que, “como a maioria das cidades brasileiras”, Ipatinga tem como maior dificuldade a falta de respiradores para o atendimento aos pacientes de casos graves da COVID-19. Mas, que, a fim de amenizar o problema, está em andamento processo licitatório, por meio de pregão eletrônico, para a compra de mais de 10 respiradores para os casos de coronavírus.

Atualmente, o Hospital Municipal de Ipatinga contava com 20 leitos de UTI, a metade destinada exclusivamente para os pacientes da COVID-19. 

A prefeitura informou que ampliou de 16 para 40 o número de leitos clínicos do Hospital Municipal para os casos de coronavírus. Outra medida anunciada foi o aumento da testagem da população, com a realização de 40 teste rápidos por dia.

Governador Valadares

Em Governador Valadares, de 279,8 mil habitantes, no Leste do estado, subiu para 431 o número de casos confirmados da COVID-19, com 28 mortes confirmadas. O município conta com 22 pacientes internados com o coronavírus, 14 deles em leitos de UTI.
 
A taxa de ocupação de leitos de unidade de terapia intensiva chegou a 100% nos hospitais particulares da cidade-polo do Leste de Minas. No Hospital Municipal de Valadares,  o percentual de ocupação das vagas de UTI é 56,7%, informou a Municipalidade. 

Expectativa para abertura de bares em Montes Claros

Em Montes Claros, no Norte de Minas, foram confirmados até agora 157 casos de coronavírus e três mortes. O município vive a expectativa para a implantação da quarta etapa do plano de flexibilização das atividades econômicas. Na quinta-feira (18), estão previstas as aberturas de bares, restaurantes, shoppings centers e salões de beleza. 
 
Os estabelecimentos deverão obedecer a uma série de restrições. A secretária de Saúde de Montes Claros, Dulce Pimenta, afirma que, com as medidas de proteção e “com o apoio da população”, o município vem garantindo o “controle epidemiológico” da  doença.

“Na última semana, não tivemos aumento da taxa de mortalidade. Também não houve aumento da taxa de crescimento da COVID-19 na cidade da semana passada pra cá”, assegura Pimenta.

Segundo a secretária, a taxa atual de ocupação de leitos de UTI em Montes Claros é de 54%. Ela ressalta que a taxa é mantida nesse patamar porque a prefeitura aumentou de 75 para 149 os leitos de terapia intensiva em hospitais da cidade. 

Dos 149 leitos de UTI de Montes Claros, 135 estão habilitados pelo Ministério da Saúde (MS). Sessenta leitos de UTI foram credenciados pelo Ministério após o surgimento da pandemia do coronavírus.

Até esta terça-feira, a cidade-polo do Norte de Minas conta com 29 pacientes confirmados ou com suspeita da COVID-19 internados em seus hospitais. Desses, 15 vieram de outras cidades da região. Montes Claros é referência para o atendimento de saúde de 86 municípios.

Ao dizer que o município mantém a COVID-19 sob controle do ponto de vista epidemiológico, Dulce Pimenta ressaltou que a taxa de letalidade (relação de mortes de casos confirmados da doença) em Montes Claros é de 1,97%, inferior aos índices de  Minas Gerais (2,21%) e do Brasil (5%).

Em relação à população, a taxa de mortalidade da doença na cidade é de 0,73 por 100 mil habitantes. No estado, a taxa é de 2,27 por 100 mil. No Brasil, é de 20,6 por cada grupo de 100 mil pessoas.

Aumento da fiscalização

A secretária municipal de Saúde de Montes Claros disse ainda que reconhece que os bares, restaurantes shoppings centers – que serão reabertos nesta quinta-feira - , são “locais com maior potencial de transmissão do vírus”.

Por outro lado, assinalou que, ao permitir a reabertura dos estabelecimentos, a prefeitura aumentará a fiscalização do cumprimento das medidas restritivas, entre elas a redução do horário de funcionamento dos bares e restaurantes.

“Se população mantiver as medidas de proteção individual e do seu grupo familiar, nós vamos conseguir manter o controle epidemiológico da COVID-19 em nosso município”, enfatizou Dulce.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade