Publicidade

Estado de Minas ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA

Polícia prende suspeitos de furtar empresas de telefonia na Grande BH e no interior de Minas

De acordo com a Polícia Civil, a soma do prejuízo poderia ultrapassar R$ 24 milhões


postado em 01/06/2020 17:55 / atualizado em 01/06/2020 18:45

Equipamentos são caros e de difícil transporte, por tratar-se de material de grande volume, pesando em torno de 15 quilos cada um (foto: Polícia Civil/Reprodução)
Equipamentos são caros e de difícil transporte, por tratar-se de material de grande volume, pesando em torno de 15 quilos cada um (foto: Polícia Civil/Reprodução)
Três suspeitos foram presos em flagrante nesse domingo (31) enquanto roubavam equipamentos de uma empresa de telefonia em Sabará, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. A organização criminosa pretendia furtar 206 aparelhos avaliados, cada um, em R$ 2.500, causando prejuízo de aproximadamente R$ 500 mil à empresa.

De acordo com a Polícia Civil, a soma desse prejuízo poderia ultrapassar R$ 24 milhões, entre equipamentos furtados, a reposição desse material e a necessidade de restabelecimento da transmissão de sinal. 

O delegado Daniel Amâncio explicou que  “são equipamentos caros e de difícil transporte, por se tratar de material de grande volume, pesando em torno de 15 quilos cada um”.

A Polícia Civil informou que o grupo identificava a vítima e contratava um caminhão para se passar pelas empresas que pretendiam aplicar o golpe. Para não levantar suspeitas, os criminosos usavam uniformes da empresa, crachás e equipamentos de proteção.

As investigações, que duraram três meses, apontam que a organização criminosa aplicava golpes há mais de dois anos em BH, Região Metropolitana e interior de Minas Gerais. Na capital, foram identificadas ocorrências nos bairros Dom Bosco, Glória, Nazaré e Sagrada Família. “Assim como nos municípios de Sabará, Guaxupé, Lagoa Santa, Curvelo, Uberaba, Uberlândia, Sarzedo, Santa Luzia, Caeté, Esmeraldas, Raposos e Nova Lima”, divulgou a polícia.

As investigações continuam e outras 10 pessoas são suspeitas de pertencerem ao grupo.  A polícia ainda investiga quem seriam os receptadores dos equipamentos furtados. “Os presos são reincidentes no crime de furto qualificado e líderes da associação criminosa investigada”, informou a Polícia Civil.
 
*Estagiária sob supervisão da subeditora Kelen Cristina 

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade