Publicidade

Estado de Minas PREOCUPAÇÃO

Carmo do Cajuru registra terceira morte por COVID-19

Cidade figura entre as com mais casos da doença da macrorregião Oeste; Prefeito atribui avanço dos números à testagem


postado em 01/06/2020 16:33 / atualizado em 01/06/2020 16:47

Uma das medidas de conscientização adotada no município foi a barreira sanitária (foto: Divulgação/Prefeitura de Carmo do Cajuru)
Uma das medidas de conscientização adotada no município foi a barreira sanitária (foto: Divulgação/Prefeitura de Carmo do Cajuru)
Com pouco mais de 20 mil habitantes, Carmo do Cajuru, está entre os municípios da macrorregião Oeste com o maior número de casos de COVID-19, perdendo apenas para Divinópolis (187) e Lagoa da Prata (104). Com 64 casos confirmados da doença, o terceiro óbito foi registrado na cidade. A vítima é um idoso, de 81 anos, morador da Vila Vicentina.
 
Essa é a segunda morte da entidade. Após o primeiro óbito, um idoso, de 88 anos, no início do mês passado, foi realizado testagem em massa. Dos 50 residentes, 12 deram positivo para o novo coronavírus. Quatro funcionários também foram identificados com a doença. Para evitar a ampliação da contaminação, idosos e colaboradores estão em isolamento.
 
Os casos registrados na entidade foram classificados pelo prefeito, Edson Vilela (PSB), como um dos problemas responsáveis em alavancar os números. “Ao mesmo tempo tem se tornado uma benção porque o que a achávamos que seria pior dentro da instituição, graças a Deus, não tivemos muitas sequelas”, destaca. Uma das medidas do poder público foi colocar a Vila Vicentina em quarentena até 28 de junho.

Subnotificação

Das 64 confirmações do novo coronavírus, 41 estão em acompanhamento, 20 pacientes estão curados. Para o prefeito, a testagem da população também é responsável pelo avanço dos índices em comparação com outras cidades. A 15 km de Carmo do Cajuru, por exemplo, Divinópolis, com 230 mil habitantes tem 187 casos da doença e dois óbitos. Já Lagoa da Prata, com 52 mil habitantes, não tem nenhuma morte.
 
“Entendo que as outras cidades tem mais casos, mas a subnotificação é um problema sério”, enfatiza o prefeito.
Desde o início da pandemia até 31 de maio, 136 pessoas foram testadas na cidade, média de 52% das notificações suspeitas, segundo a assessoria de comunicação da prefeitura. A administração comprou, após licitação, mais 600 testes rápidos. “Estamos mostrando a realidade”, completou.
 

Medidas de enfretamento

 
A flexibilização do comércio já foi autorizada no município. Paralelo, medidas de prevenção e segurança foram adotadas, como a limitação de dias e horários de funcionamento. O uso de máscaras dentro dos estabelecimentos passou a ser obrigatório e ficará mais rígido esta semana. “Prefeito não pode criar multa por decreto, precisa ser por lei. O projeto já passou pela câmara e será sancionado ainda de hoje para amanhã. Quem não tiver usando máscaras, agora também em via pública, será multado em 20% da unidade fiscal padrão”, explica Vilela. A multa é de aproximadamente R$82.
 
Doze leitos também foram abertos. Eles foram implantados no espaço conhecido como “Latão”, uma ação de expansão do Pronto Atendimento na cidade. Todos serão exclusivos para casos de Covid-19 que precisem de monitoramento. O município também conta atualmente com dois respiradores para serem usados em caso de necessidade.

Além disso, foi adotada a barreira sanitária no início da pandemia. Ao longo da semana, faixas serão afixadas na cidade e carros de som irão percorrer as ruas em uma ação de conscientização e educação da população.

(Amanda Quintiliano - especial para o EM)

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade