Publicidade

Estado de Minas NOVO CORONAVÍRUS

Depois de prometer volta às aulas em maio, prefeito de Coronel Fabriciano desiste da ideia

Decisão ocorreu depois que vereadores enviaram documento ao Ministério Público para que Marcos Vinícius da Silva Bizarro (PSDB) explicasse qual estratégia adotaria para abrir as escolas em 4 de maio


postado em 23/04/2020 22:10 / atualizado em 24/04/2020 00:04

Recuo do prefeito Marcos Vinícius da Silva Bizarro ocorreu depois que vereadores enviaram documento ao Ministério Público(foto: Divulgação/Prefeitura de Coronel Fabriciano)
Recuo do prefeito Marcos Vinícius da Silva Bizarro ocorreu depois que vereadores enviaram documento ao Ministério Público (foto: Divulgação/Prefeitura de Coronel Fabriciano)
O prefeito de Coronel Fabriciano, na Região do Vale do Rio Doce, em Minas Gerais, Marcos Vinícius da Silva Bizarro (PSDB), desistiu de abrir as escolas da cidade em 4 de maio. As afirmações dele em prol da reabertura motivaram a elaboração de um documento por parte da Câmara local, que foi enviado ao Ministério Público.

 

No documento, os vereadores pediam ao prefeito detalhes sobre o plano adotado para a volta às aulas. Também exigiam do chefe do Executivo municipal a apresentação de evidências científicas que amparavam a medida.

 

Os vereadores também queriam que Doutor Marcos Vinícius, alcunha com a qual o prefeito foi eleito, desse detalhes sobre as condições da cidade em meio à pandemia, como número de leitos disponíveis e testes já realizados na população.

 

A polêmica começou depois que o prefeito afirmou, em vídeo publicado nas redes sociais, que abriria as escolas mesmo em meio à pandemia. A cidade tem, conforme o último levantamento da Secretaria de Estado de Saúde, seis casos confirmados de COVID-19, sem mortes registradas.

 

“Pais, escola particular, dia 4 de maio eu volto com as escolas. ‘Ah, mas eu não vou mandar o meu filho pra a escola’! É problema seu, mãe. Mas, dia 4 de maio nós vamos voltar com as escolas. Temos que ter respeito. E não medo (da infecção pelo novo coronavírus)”, disse o prefeito tucano na ocasião.

 

Em nota, a prefeitura local informou que retorna das aulas na rede municipal será adiado "em vista a impossibilidade de garantia por parte do governo do estado de entrega dos equipamentos" para a montagem de 59 leitos que serão instalados em um hospital local.

 

"Todas as nossas decisões e ações desenvolvidas até o momento estão sendo são discutidas em conjunto com Comitê Gestor de Crise instalado para comandar o trabalho de combate ao coronavírus, tudo pautado com responsabilidade, transparência e principalmente, zelando pelo bem estar da população", esclareceu o chefe do Executivo.

 

Quanto ao documento enviado pela Câmara de Coronel Fabriciano ao Ministério Público, a prefeitura esclareceu que não foi notificada.  


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade