Publicidade

Estado de Minas CLIMA

Frente fria deve trazer chuva forte para BH a partir de amanhã

Com previsão de novas precipitações significativas, Defesa Civil da capital adverte sobre risco de deslizamentos até quinta. Só em janeiro, Minas registrou 292 ocorrências do tipo. Estudantes de escolas danificadas precisaram ser realocados


postado em 10/02/2020 06:00 / atualizado em 10/02/2020 08:25

Morador diante de casa que desabou durante as chuvas: número de casos em janeiro foi 16 vezes maior que o total registrado em igual mês de 2019 (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press - 29/1/2020)
Morador diante de casa que desabou durante as chuvas: número de casos em janeiro foi 16 vezes maior que o total registrado em igual mês de 2019 (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press - 29/1/2020)


A previsão de novos temporais em Minas Gerais não dá trégua e pode potencializar o encharcamento do solo, provocando quedas de muro, deslizamentos e desabamentos. Em Belo Horizonte, a Defesa Civil municipal prorrogou o alerta de risco geológico para até quinta-feira. Em todo o território mineiro, o número de atendimentos do Corpo de Bombeiros Militar a ocorrências desse tipo somente em janeiro foi 16 vezes maior na comparação com igual mês do ano passado. As solicitações de vistoria também registraram salto.

Em janeiro de 2019, os bombeiros registraram 18 atendimentos em desabamento, desmoronamento e colapso de estrutura. Já este ano, foram 292 ocorrências atendidas até o dia 31. Os militares também fazem vistorias em locais com risco geológico iminente. No ano passado, foram 155. Este ano, os números chegam a 2.232. Estas vistorias podem gerar intervenção do local, acionamento da Defesa Civil ou recomendações de medidas preventivas.

A Defesa Civil pede que a população fique atenta a alguns indícios de que deslizamentos podem ocorrer, como trinca nas paredes, água empoçando no quintal, portas e janelas emperrando, rachaduras no solo, água minando da base do barranco e inclinação de poste ou árvores, por exemplo. Caso o morador perceba esses sinais, é preciso ligar para o órgão pelo telefone 199.

Previsão


Depois dos estragos provocados em janeiro, as chuvas continuam. E, por isso, os riscos permanecem. O primeiro final de semana do período oficial de carnaval em Belo Horizonte teve céu nublado com pancadas de chuva. De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), hoje o tempo deve permanecer assim, sem previsão para trégua. A partir da amanhã deve se aproximar uma frente fria que está atuando no Sul do país e pode provocar mais precipitações fortes. “A volta de chuva pode ser significativa”, disse o meteorologista Cléber Souza.

As precipitações prevalecem em todo o estado, principalmente no Triângulo e Noroeste. Nas outras regiões, podem ocorrer pancadas de chuva associadas ao calor. A temperatura máxima é prevista para Itaobim, no Vale do Jequitinhonha, 36°C. Em Monte Verde, no Sul de Minas, foi registrada a mínima no estado, 14°C.

O número de mortes em decorrência dos temporais em Minas continua aumentando. De 24 de janeiro até sábado, 59 mortes foram confirmadas pela Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec). Belo Horizonte é a cidade com maior número de mortes, 13.

Remanejamento em escolas


No rastro dos estragos provocados pelas chuvas Secretaria Municipal de Educação (Smed) vai realocar os estudantes de seis escolas de Belo Horizonte e adiar o início das aulas em outras quatro, por determinação da Defesa Civil. As escolas foram interditadas por apresentarem alto risco de deslizamento de taludes, alagamentos e outras ocorrências consideradas graves. A medida foi tomada após uma reunião entre equipes dos dois órgãos e visa à segurança dos alunos e servidores.

“Estamos falando de vidas e não podemos correr riscos, por isso estamos fazendo todo o esforço possível para que o ano letivo não seja protelado ainda mais por causa das chuvas, mas com responsabilidade e cuidado. Estamos trabalhando de acordo com as orientações da Defesa Civil Municipal e já providenciamos o remanejamento dos estudantes e profissionais para unidades próximas das escolas interditadas ou dentro do mesmo território”, explicou a secretária Ângela Dalben.

De acordo com a subsecretária de Planejamento, Gestão e Finanças da Smed, Natália Araújo, a medida atinge aproximadamente 2,9 mil estudantes de seis escolas de ensino fundamental e quatro da educação infantil. Os alunos realocados para unidades mais distantes da unidade onde foram matriculados terão o transporte escolar garantido pela Prefeitura. São elas: Escola Municipal São Rafael; Escola Municipal Carlos Góis; Escola Municipal Elói Heraldo Lima; Escola Municipal Inácio Andrade de Melo; Escola Municipal Eleonora Piero Setti; e Escola Municipal Tenente Manoel Magalhães Penido

Algumas unidades, segundo a Gerência de Manutenção da Rede Física da Smed, terão o início das aulas atrasado por três dias para a realização das obras, e os alunos das escolas com intervenções mais complexas, ou que dependem da estiagem para o início da obra, serão realocados para garantir o início das aulas na próxima semana, entre os dias 10 e 13.
 



Publicidade