Publicidade

Estado de Minas

Prefeitura de Uberlândia detecta caso de síndrome nefroneural

Segundo o Executivo municipal, o paciente disse que bebeu cerveja recentemente, mas não especificou qual rótulo consumiu


postado em 16/01/2020 12:28 / atualizado em 16/01/2020 12:36

(foto: Reprodução/Lkcalabria/Wikimedia Commons)
(foto: Reprodução/Lkcalabria/Wikimedia Commons)

 

A Secretaria Municipal de Saúde de Uberlândia, no Triângulo Mineiro, informou, nesta quinta-feira (16), por meio de nota, que detectou um quadro de “alteração das funções renais” de um paciente na cidade.


Conforme a nota da Saúde local, o caso chegou ao conhecimento do poder público na noite dessa quarta (15). O paciente, segundo a secretaria, disse que bebeu cerveja recentemente, mas não soube dizer de qual marca exatamente.


Ainda de acordo com a prefeitura de Uberlândia, o paciente recebeu os primeiros atendimentos e, por segurança, a equipe médica o transferiu para o Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia (HC-UFU).


“Todo o acompanhamento deste caso está sendo feito pela Vigilância Epidemiológica do município e do estado”, diz o texto do Executivo municipal.


Apesar da notificação, o caso ainda não consta na lista de casos suspeitos da Secretaria de Estado de Saúde. O governo do estado computa, até a publicação desta matéria, 17 diagnósticos em investigação: 16 homens e uma mulher.


Isso porque as prefeituras precisam enviar informações sobre os quadros clínicos dos pacientes ao Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde do Estado de Minas Gerais (Cievs-Minas). Entre esses dados estão laudos médicos e exames.


Depois de receber os documentos, a Saúde estadual os analisa e decide se o quadro se encaixa ou não para intoxicação exógena por dietilenoglicol – composto orgânico que, quando ingerido, causa exatamente os sintomas sentidos pelos doentes.


A principal suspeita que gira em torno dos casos, que posteriormente resultam na síndrome nefroneural, é o consumo da cerveja Belorizontina, da Backer, intoxicada. A Polícia Civil encontrou sete lotes da bebida com o dietilenoglicol.


Outros quatro lotes foram identificados com monoetilenoglicol. Trata-se de outro álcool com menos toxicidade, mas que também causa prejuízos à saúde.


Nessa quinta-feira, a perícia informou que encontrou as duas substâncias químicas na água usada na produção da cervejaria Backer.


O resultado aumenta a suspeita de que outros rótulos da empresa possam estar contaminados, não somente a cerveja Belorizontina, associada à intoxicação de 17 pessoas.


Publicidade