Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Estradas de risco: saiba onde está o perigo e como evitar acidentes na viagem de ano novo

Interdições em 35 trechos de rodovias estaduais de Minas, obras e possíveis chuvas podem virar armadilhas para quem vai viajar no réveillon. Ordem é revisar carro e dirigir com cautela


postado em 27/12/2019 06:00 / atualizado em 27/12/2019 10:40

Quem deixou BH ontem pela BR-381, caminho para o Espírito Santo, já enfrentou lentidão na estrada(foto: Edésio Ferreira/EM/D.A.Press)
Quem deixou BH ontem pela BR-381, caminho para o Espírito Santo, já enfrentou lentidão na estrada (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A.Press)
 

 

Previsão de tempo instável, obras nas rodovias e estradas com bloqueios são algumas armadilhas que os motoristas terão pela frente em Minas Gerais na saída para o ano-novo. Dados do Departamento de Edificações e Estradas de Rodagem de Minas Gerais (DEER/MG) – que não incluem as rodovias federais que cortam o estado –mostram que 35 trechos de estradas mineiras estão com algum tipo de interdição. A maioria dos problemas surgiu junto com as chuvas, como é o caso de erosões. E basta olhar pelo retrovisor do período de Natal para perceber que a situação é de alerta. Levantamento do Estado de Minas mostra que ao menos 16 pessoas perderam a vida entre os dias 20 e 25, média de 2,5 mortes por dia.


É bom lembrar também que a fiscalização está reforçada, tanto nas vias estaduais e federais, inclusive com o retorno dos radares móveis. Ontem, quem saiu da capital mineira já enfrentou lentidão. Longas filas se formaram, principalmente, na BR-381, no caminho para o Espírito Santo. A rodovia está sendo duplicada, por isso há vários trechos com estreitamento de pista.

Os problemas nas estradas se espalham por diferentes regiões de Minas Gerais. Na lista, ponte com falhas estruturais, interdições parciais e restrição à circulação de veículos de carga e as erosões, principais avarias registradas nas rodovias. Situação que piora no período chuvoso. Dados do DEER mostram que somente em dezembro, oito trechos registraram ocorrências em diferentes cidades mineiras. Mas há também vias onde avarias que surgiram há três anos ainda não foram resolvidas.

Uma das estradas com problemas é a MGC-120, entre Coimbra e Ervália, na Zona da Mata. O tráfego está em meia pista desde 16 de dezembro. Assim como na LMG-744, entre São José da Safira e Nacip Raydan; AMG-2330, entre LMG-788, em Tarumirim, e Alvarenga; e MG-311, trecho entre Campanário e Pescador. Já na MG-235, entre Serra da Saudade e São Gotardo, e na MG-060, no entrocamento da BR-352 e Pompéu, o tráfego está precário. Por fim, a erosão na pista atrapalha a viagem dos motoristas que passam pela LMG-828, entre o entrocamento com a MG-265 e Piscamba, distrito de Jequeri, e também na MG-329, entre Rio Vermelho e Córrego da Fumaça.

 

Logo na saída de Belo Horizonte os motoristas já podem enfrentar problemas. Principalmente quem segue para o Espírito Santo pela BR-381. A rodovia passa por obras de duplicação, o que deixa vários trechos com afunilamento de pista. “É uma rodovia com muitas curvas, passando por obras, com grande tráfego de veículos e de pista simples. Então, vai exigir dos motoristas um cuidado muito maior e, principalmente, paciência”, alertou o inspetor Aristides Júnior, chefe do Núcleo de Comunicação Social da Polícia Rodoviária Federal (PRF) em Minas.

Controle

A fiscalização nas estradas foi reforçada em todas as regiões de Minas. As ações, que começaram antes do Natal, vão continuar até março de 2020. O objetivo é garantir a segurança no trânsito no ano-novo, férias escolares e carnaval. “As diversas ações serão realizadas com o objetivo de combater práticas como embriaguez ao volante, não uso do cinto de segurança e demais dispositivos de retenção obrigatórios, além de ultrapassagens proibidas e excesso de velocidade”, informou a PRF. Estão previstas atividades educativas, “desenvolvidas com foco nos comportamentos de risco para que a sensibilização produza mudança de comportamento e, consequentemente, um trânsito mais seguro”.

Os motoristas infratores já estão sendo flagrados por radares móveis em Minas Gerais. Na sexta-feira, a PRF voltou a usar os equipamentos nas estradas mineiras na operação Rodovida, que vai seguir até março de 2020. Ao todo, 25 aparelhos voltaram a operar depois de decisão Judicial. Esse tipo de fiscalização estava suspensa desde agosto, por despacho do presidente Jair Bolsonaro. No dia 11, a Justiça Federal atendeu a um pedido de liminar feito pelo Ministério Público Federal e entendeu que a falta dos radares móveis pode causar danos à sociedade. A decisão foi confirmada pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região em 18 de dezembro. O TRF-1 negou recurso da União e entendeu que não há motivos para anular a decisão da 1ª instância da Justiça Federal em Brasília, que determinou a retomada do uso de medidores de velocidade móveis e portáteis.

Os motoristas de veículos de carga devem ficar atentos. Devido ao aumento no fluxo nas estradas, a PRF restringirá o tráfego de bitrens, rodotrens, treminhões, cegonheiras carregadas e veículos com cargas excedentes, que necessitem de Autorização Especial de Trânsito (AET), somente em rodovias federais de pista simples em 1º de janeiro, entre as 14h e as 22h. O motorista que descumprir a determinação será multado em R$ 130,16 (infração média), receberá 4 pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e terá o veículo retido.

 

Hora da visita ao mecânico

Mecânico experiente, Alessandro Gomide alerta: reparar carro estragado na rodovia é mais caro do que fazer a revisão preventiva(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
Mecânico experiente, Alessandro Gomide alerta: reparar carro estragado na rodovia é mais caro do que fazer a revisão preventiva (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)

Não basta só atenção nas estradas. Para garantir a segurança na viagem, a manutenção do veículo é fundamental. Além de ajudar a evitar transtornos e até acidentes no percurso, uma visita antecipada ao mecânico pode significar economia. Correção de defeitos mecânicos nas rodovias tende a sair bem mais caro, constata o experiente mecânico Alessandro Gomide, de 56 anos, proprietário da Alemão Alinhamentos, situada no início da Rua do Ouro, na Serra, Região Centro-Sul de Belo Horizonte.


A recomendação do profissional é que se observe o básico: água, óleo, balanceamento, alinhamento, bateria e luzes, itens imprescindíveis para uma viagem tranquila com a família. “Quanto antes o motorista se dirigir à oficina, maiores são as chances de enfrentar a estrada com seu carro em boas condições”, adverte. O recomendável é que, além da revisão antes de viajar, o motorista faça a manutenção a cada 10 mil quilômetros rodados, explica o mecânico.

O assistente administrativo Marcelo Rosa do Nascimento, de 38, não deixou para a última hora e já garantiu a revisão do carro. Ele vai passar o réveillon no Rio de Janeiro e levou seu Ford Ka à ofi- cina. “É melhor adiantar. Se for preciso trocar alguma peça ou equipamento, tenho mais tempo e não fico na correria de última hora”, disse.

Além de uma boa revisão no veículo, com bastante atenção no estado de conservação dos pneus “por causa da incidência de chuva”, o inspetor Aristides Júnior, chefe do Núcleo de Comunicação Social da Polícia Rodoviária Federal (PRF) em Minas, aconselha atenção a uma lista de itens e atitudes antes e durante o percurso: verificar a documentação do veículo do condutor para ver se está tudo em dia; lembrar que o cinto de segurança é obrigatório para todos os ocupantes dos veículos; crianças devem estar em acentos especiais, jamais serem transportadas no colo; usar faróis baixos ligados durante toda a viagem – não os de neblina ou as lanternas; respeitar o limite de velocidade; programar bem as ultrapassagens e realizá-las com segurança; e aguardar o momento certo para evitar o risco de colisões frontais. 

 

Pista molhada

 

Pancadas de chuva previstas pelo menos até domingo podem complicar ainda mais a vida de quem vai pegar a estrada neste fim de ano, deixando as pistas escorregadias. “Na próxima semana, há uma perspectiva de chuva, mas ainda é cedo para darmos certeza”, diz o meteorologista Claudemir de Azevedo, do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

Os próximos dias serão de calor de 30°C e pancadas de chuva em Belo Horizonte. “A frente fria que passou pelo estado já se dissipou. Agora, estamos com muita umidade na atmosfera e com a elevação da temperatura podemos ter chuva nos fins de tarde”, explicou o especialista. No Norte e Nordeste de Minas, há previsão de precipitações intensas, com acumulado que pode chegar a 50 milímetros de água. Nas outras áreas, o clima fica semelhante ao de BH, com possibilidade de temporais durante a tarde.


Publicidade