Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas

O plano de BH para evitar tragédias em chuvas: mapa mostra áreas de risco

Planos de contingenciamento contra enchentes incluem bloqueio de ruas, retirada de pessoas e postos de socorro


postado em 06/10/2019 04:00 / atualizado em 06/10/2019 10:40

Temporal em novembro de 2018 provocou mortes na Avenida Vilarinho, em Venda Nova(foto: Marcos Vieira/EM/D.A PRESS - 15/11/19)
Temporal em novembro de 2018 provocou mortes na Avenida Vilarinho, em Venda Nova (foto: Marcos Vieira/EM/D.A PRESS - 15/11/19)
Com Belo Horizonte ainda sujeita ao regime de cheias causadas por tempestades, devido à falta de grandes obras estruturais de drenagem, a aposta em 27 planos de contingência mobiliza os órgãos de Defesa Civil para evitar mais mortes, como as quatro ocorridas na temporada chuvosa de 2018. Quando acionados os gatilhos que põem esse planejamento em prática em áreas como as avenidas Vilarinho, Prudente de Morais, Francisco Sá e Tereza Cristina, a estratégia será retirar todas as pessoas que estão dentro das áreas de risco e não deixar ninguém entrar.

O Estado de Minas teve acesso exclusivo a três desses planos em algumas das principais vias sujeitas a alagamento e mostra como ruas seriam bloqueadas, desvios abertos e equipes de socorro posicionadas. Contudo, a comunidade teme que o início da temporada de chuvas, que tradicionalmente começa neste mês, e a implantação dos protocolos criem zonas de exclusão onde ninguém entra, mas nas quais quem está dentro não saiba quando nem por onde sair.

(foto: Soraia Piva)
(foto: Soraia Piva)
O mais complexo dos planos a que o EM teve acesso é o da região da Avenida Vilarinho, em Venda Nova, onde o mais recente protocolo de contingência prevê oito bloqueios e a abertura de quatro áreas de referência para o posicionamento de equipes de atendimento e socorro, abertas pela Polícia Militar, e que servirão também aos bombeiros, Defesa Civil e demais equipes do sistema.

Área bloqueada é do tamanho de um estádio

Os bloqueios feitos pela BHTrans seriam posicionados nas avenidas Cristiano Machado e Dom Pedro I. Caberia à Guarda Municipal fechar as ruas Padre Pedro Pinto, Doutor Álvaro Camargos, Antônio Ferreira da Cruz e Bernardo Ferreira da Cruz. A área bloqueada teria cerca de 190 mil metros quadrados (19 hectares), do tamanho estimado para o novo estádio para 47 mil torcedores do Atlético, no Bairro Califórnia.

(foto: Soraia Piva)
(foto: Soraia Piva)
A oficina de direção hidráulica e alinhamento onde trabalha Amanda Caroline Zimmerer, de 27 anos, já sofreu com as inundações da Vilarinho. Elevadores que servem para erguer veículos e estruturas hidráulicas montadas foram perdidos por ficar submersos durante a tempestade de 15 novembro de 2018.

(foto: Soraia Piva)
(foto: Soraia Piva)
Naquela oportunidade, além dos prejuízos, a 100 metros do estabelecimento morreram Cristina Pereira Matos, de 40, e sua filha, Sofia Pereira, de 6. Elas foram encontradas abraçadas dentro de um Palio. A mãe tinha um terço nas mãos. Quando a água baixou, o carro estava capotado entre outros veículos que foram arrastados.

“Vimos a BHTrans fazendo alguns bloqueios perto das ruas que descem da Avenida Dom Pedro I, mas foi só isso. Ninguém nos falou nada ou explicou nada. Acho que uma das primeiras coisas que deviam fazer seria avisar para quem vai ficar numa área fechada que isso vai acontecer”, comentou Amanda.

Entenda por que há tantas enchentes na Vilarinho

A convivência com as chuvas já mudou a rotina dos trabalhadores da oficina, que ao menor sinal de chuvas ficam a postos para se proteger, resguardar os equipamentos e bens do estabelecimento, além de evadir do local caso seja necessário. “Quando chove muito, os clientes entram em contato conosco perguntando se é seguro retirar seus carros. Fazemos contatos quando o nível das águas baixa para que tenham segurança”, explicou.

Tensão constante no Prado

Na Avenida Francisco Sá, Bairro Prado, Região Oeste de BH, não saíram as soluções de engenharia que já previram bacias de detenção, alargamento e até construção de drenagem paralela à do Córrego dos Pintos, responsável pelos alagamentos que trazem prejuízos.

No local, o plano de contingência que a reportagem teve acesso prevê sete pontos de controle de acesso, na Avenida Francisco Sá, e ruas Erê, dos Pampas e Ituiutaba. “Não teremos obras, então será mais transtorno. Mais prejuízos e vamos ter de passar a época das chuvas sob tensão, sem poder bobear com as chuvas”, lamentou o aposentado Carlos Roberto Papa, de 66.

"A gente até ajuda as pessoas, indo para a rua e indicando que desviem da área alagada, colocando os cones no meio da rua. Mas, ainda assim, tem gente que insiste em tentar atravessar"

Joaquim Dimas Gonçalves, comerciante na Prudente de Morais

A casa onde nasceu fica na Rua Jaceguara, uma das mais atingidas pelas enchentes da última década. “Para a gente que mora aqui, ficar preso já é uma constante, mesmo sem fechar as ruas, o que pode ainda mais confundir, já que não explicaram nada, ainda. Pode ver que todos os comércios têm comportas de aço para a água não entrar. Ninguém mais horroriza de ver carros sendo arrastados, mesas passando boiando e caçambas descendo como se estivessem navegando. Quem fica de fora, também está preso, pois não pode voltar para casa pelo risco das enxurradas”, afirmou.

Simulados com moradores

As implementações dos bloqueios e mobilizações dos 27 planos de contingência para áreas de risco no período chuvoso contam com uma série de mecanismos para prever a chegada de tempestades e permitir ações imediatas. Nesse universo, Belo Horizonte recebe informações de satélites climáticos, radares meteorológicos e 52 estações hidrometeorológicas para acompanhar o nível dos córregos que podem inundar.

Mas, sem um treinamento afinado das equipes que compõem o sistema de Defesa Civil (BHTrans, Bombeiros, Defesa Civil municipal e estadual, Guarda Municipal, polícias Militar e Civil, entre outros) e o envolvimento da comunidade, por mais que se antecipe um problema o seu combate poderia não ser efetivo.

Amanda Zimmerer trabalha em oficina na Vilarinho que já teve perdas com enchentes(foto: PAULO FILGUEIRAS/EM/D.A PRESS)
Amanda Zimmerer trabalha em oficina na Vilarinho que já teve perdas com enchentes (foto: PAULO FILGUEIRAS/EM/D.A PRESS)
"Por isso realizamos simulados e treinamentos nas áreas de maior risco. É a repetição dos procedimentos, a sua prática e consciência que permitem uma melhor efetividade para evitar que tenhamos vítimas, prejuízos e transtornos como os que BH já enfrentou", afirmou o subsecretário municipal de Proteção e Defesa Civil, coronel Waldir Figueiredo Vieira.

Dois locais onde os simulados já ocorrem, segundo o subsecretário, são as áreas das avenidas Vilarinho e Tereza Cristina, que já apresentaram resposta satisfatória das equipes de bloqueio, desvio e atendimento.

Treinamentos recorrentes na Tereza Cristina

A que mais se destaca, por enquanto, é a região da Avenida Tereza Cristina, na Região Oeste de BH. Essa importante ligação entre o Anel Rodoviário e a Via Expressa segue ao longo do leito do Ribeirão Arrudas e apresenta diversos pontos de alagamento, como na sua confluência com o Córrego Ferrugem (Contagem) e o Córrego Bonsucesso (Oeste de BH).

"Para a gente que mora aqui, ficar preso já é uma constante, mesmo sem fechar as ruas"

Carlos Roberto Papa, morador de rua atingida por enchentes no Prado

"A Tereza Cristina passa por treinamento pelo quarto ano consecutivo. É um processo gradativo e de evolução constante. Temos uma participação muito ativa da comunidade. Uma percepção de todos os órgãos envolvidos, de BH e de Contagem, que possibilitou uma automatização dos processos. A cada ano se faz e se repete esse treinamento. Com isso as pessoas vão amadurecendo sobre os bloqueios que devem ser feitos, os procedimentos e os recursos empregados", afirmou o coronel Vieira.

Com a morte de um casal de idosos de 86 anos, há 10 anos, a região da Avenida Prudente de Morais, sobretudo o acesso pela Rua Joaquim Murtinho, no Santo Antônio, Região Centro-Sul, entrou para o mapa das armadilhas fatais em dias de tempestade. No local, estão planejados bloqueios na Avenida do Contorno e Rua Paulo Afonso, segundo o planejamento a que a reportagem teve acesso. São locais onde, segundo comerciantes e moradores, a BHTrans já posiciona cones de interdição.

Comerciante na Prudente de Morais, Joaquim Dimas diz que motoristas se arriscam em dias de chuva(foto: PAULO FILGUEIRAS/EM/D.A PRESS)
Comerciante na Prudente de Morais, Joaquim Dimas diz que motoristas se arriscam em dias de chuva (foto: PAULO FILGUEIRAS/EM/D.A PRESS)
"A gente até ajuda as pessoas, indo para a rua e indicando que desviem da área alagada, colocando os cones no meio da rua. Mas, ainda assim, tem gente que insiste em tentar atravessar e acaba tendo de abandonar o carro boiando”, comentou o comerciante Joaquim Dimas Gonçalves, de 40, dono de uma lanchonete na Rua Joaquim Murtinho com Rua Paulo Afonso.


Já a região do entorno da Avenida Vilarinho contou apenas com um simulado, em 21 de setembro. “Na Vilarinho, foram cerca de 100 pessoas dos órgãos participantes. Preferimos não envolver ainda a comunidade em razão de as vias serem de trânsito rápido, o que exige um conhecimento e uma autoridade para essas intervenções serem efetivas e seguras. Mas, isso pode ocorrer no futuro, a cada ano aprendemos mais e buscamos aperfeiçoar o trabalho com os parceiros”, disse o subsecretário.

Carlos Roberto Papa, morador do Prado, critica falta de obras contra as inundações constantes(foto: PAULO FILGUEIRAS/EM/D.A PRESS)
Carlos Roberto Papa, morador do Prado, critica falta de obras contra as inundações constantes (foto: PAULO FILGUEIRAS/EM/D.A PRESS)
Sobre as obras de drenagem que não estão prontas e obrigaram as equipes de defesa civil a traçar planos de contingência, o secretário municipal de Obras e Infraestrutura, Josué Valadão, afirma que a previsão é de que a maioria seja de médio prazo. “A obra na Vilarinho prevê duas bacias de contenção no Córrego Lareira. Essa água toda se juntaria com a Vilarinho e têm conclusão prevista para um ano. Alguns pontos precisam de desapropriações. Em vez de escoar mais rapidamente a água, nossa opção, agora, é conter essa água em bacias na Vilarinho”, disse o secretário.

Valadão indica que os projetos de obras de drenagem para as avenidas Prudente de Morais e Francisco Sá já estão em elaboração na Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap).
O Estado de Minas teve acesso aos 27 planos de ação da capital para temporada de chuva(foto: Soraia Piva)
O Estado de Minas teve acesso aos 27 planos de ação da capital para temporada de chuva (foto: Soraia Piva)


Publicidade