Publicidade

Estado de Minas

Suspeita de sarampo fecha Ipsemg, mas caso é descartado

Paciente deu entrada durante a madrugada e hospital adotou protocolo interno, mas tratava-se de um alarme falso. Esta foi a 28ª unidade de saúde a realizar o procedimento em menos de 15 dias na capital


postado em 03/09/2019 11:38

Hospital do Ipsemg fica na Alameda Ezequiel Dias(foto: Reprodução da internet/Google Maps)
Hospital do Ipsemg fica na Alameda Ezequiel Dias (foto: Reprodução da internet/Google Maps)


Mais uma unidade de saúde de Belo Horizonte ficou em alerta por conta de uma suspeita de sarampo. Desta vez, o atendimento foi realizado no Hospital Governador Israel Pinheiro (HGIP), do Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais (Ipsemg), no Centro. A unidade chegou a ser fechada, mas a suspeita da doença foi descartada. Os atendimentos já foram retomados. 

Por meio de nota enviada na manhã desta terça-feira, o Ipsemg informou que o paciente deu entrada no Serviço Médico de Urgência (SMU) durante a madrugada com suspeita de sarampo. 

“De acordo com protocolo interno, e dentro das diretrizes da Secretaria de Estado de Saúde e da Secretaria Municipal de Saúde, realizado pela clínica médica do HGIP, a suspeita foi descartada”, diz a nota. “(...) os profissionais de saúde estão devidamente orientados caso novos pacientes com suspeita da doença deem entrada no hospital”, pontua o instituto. 

A presidente do Sindicato dos Servidores do Ipsemg, Maria Abadia de Souza, informou que soube do fechamento e que nesta manhã alguns funcionários da unidade procuraram o setor de vacinação para se imunizar contra o sarampo. “Nossa preocupação é com os servidores. Mas, independentemente de ter confirmado ou não, quem trabalha no atendimento ao público precisa estar com as vacinas em dia. O Ipsemg tem esse setor e os que não se vacinaram ou não têm certeza precisam procurar”, aconselha. 

Em 14 dias, o protocolo para evitar a contaminação pelo vírus, foi colocado em operação por 28 vezes. Além dos quatro diagnósticos já comprovados no estado – a metade em Belo Horizonte –, outros cinco pacientes tiveram o exame preliminar positivo para a virose. Estão sendo investigadas ainda outras 73 notificações. Desse total de casos suspeitos, 56,4% são moradores de BH que apresentaram sintomas compatíveis. (Com informações de João Henrique do Vale)

(foto: Arte EM)
(foto: Arte EM)


Publicidade