Publicidade

Estado de Minas

Dengue: casos prováveis saltam para 460 mil em Minas Gerais

Sem chuvas, a tendência é que haja pouca alteração nos números até o fim do ano. Saúde contabiliza 117 mortos em 38 cidades


postado em 29/07/2019 22:39 / atualizado em 29/07/2019 22:43

Em maio, fotógrafo do Estado de Minas flagrou caçamba com lona cheia de água no Bairro Mangabeiras: um convite à proliferação do mosquito transmissor(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
Em maio, fotógrafo do Estado de Minas flagrou caçamba com lona cheia de água no Bairro Mangabeiras: um convite à proliferação do mosquito transmissor (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)

 

A epidemia de dengue que atingiu Minas Gerais neste ano continua perdendo força. Em novo boletim divulgado nesta segunda-feira (29), a Secretaria de Saúde informou que o estado contabiliza 460.721 casos prováveis (soma dos suspeitos aos confirmados) em 2019.


Na comparação ao último levantamento, divulgado na segunda-feira passada (22), houve aumento de 6.971. Uma variação de apenas 1,5%, o que sinaliza tendência de estagnação.


Os dados acompanham a série histórica dos diagnósticos de dengue, que tendem a diminuir a frequência a partir dos meses de estiagem.


Mortes

 

Assim como no balanço anterior, o número de mortes continua em 117. Os óbitos estão espalhados por 38 cidades. São 18 em Betim (Grande BH), 17 em Belo Horizonte e 16 em Uberlândia (Triângulo Mineiro).


Quanto às mortes investigadas, no entanto, houve aumento: de 126 na semana anterior para 130 nesta. O sorotipo dengue tipo 2 (Denv-2) predominou no estado durante toda a epidemia.


Em 2019, 2.323 amostras foram processadas para monitoramento viral da dengue, com identificação desse sorotipo em 627 amostras de 120 municípios. O subtipo 1 foi detectado em 25 amostras de

nove municípios e 3 em apenas duas amostras de dois municípios.


Segunda pior epidemia


Mesmo com a doença apresentando desaceleração nos últimos meses, os números de 2019 colocam o ano como um dos piores da década. Os 460.721 casos prováveis creditam o período como o segundo pior dos últimos 10 anos. Atrás apenas de 2016, quando se registrou 517.830 diagnósticos.


Outras doenças


O boletim da SES/MG também traz dados da ocorrência de outras enfermidades no estado. Quanto à febre chikungunya, a Saúde registrou 2.665 casos prováveis e uma morte – um paciente de Patos de Minas, no Alto Paranaíba.


Minas também registrou 958 casos suspeitos e confirmados de zika, dos quais 292 em gestantes.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade