Publicidade

Estado de Minas

Motoristas de aplicativo fazem carreata por Belo Horizonte em protesto

O grupo faz manifestação contra as mudanças que podem ocorrer no Projeto de Lei 490/18, que pretende regulamentar a modalidade em Belo Horizonte


postado em 02/07/2019 13:56 / atualizado em 02/07/2019 14:05

Motoristas de aplicativo fizeram um protesto nessa segunda-feira em frente a sede da prefeitura(foto: Edesio Ferreira/EM/D.A Press. )
Motoristas de aplicativo fizeram um protesto nessa segunda-feira em frente a sede da prefeitura (foto: Edesio Ferreira/EM/D.A Press. )

Motoristas de aplicativos
fazem uma carreata na tarde desta terça-feira para protestar contra as mudanças que podem ocorrer no Projeto de Lei 490/18, que pretende regulamentar a modalidade em Belo Horizonte. Os veículos passaram por ruas e avenidas do Centro da capital mineira, o que deixou o trânsito lento. Eles devem seguir para a Câmara Municipal.

Uber x táxis: conheça as novas regras que devem ser votadas

Nessa segunda-feira, a categoria também se manifestou. Motoristas fecharam parte da Avenida Afonso Pena no sentido Centro / Bairro Mangabeiras. O ato aconteceu na frente da sede da Prefeitura de Belo Horizonte (PBH).

A revolta dos motoristas de aplicativos é devido as alterações que foram incluídas no projeto original enviado pela administração municipal aos vereadores. Se aprovadas, elas podem mudar completamente a realidade desse tipo de transporte na cidade. A votação decisiva deve ocorrer ainda nesta quinzena.

Três alterações relacionadas à idade da frota, ao tipo de porta-malas e à potência dos motores estão incluídas no substitutivo apresentado pelo vereador Carlos Henrique (PMN), que deve puxar a fila na hora da votação no Legislativo.

Condutores de táxis acreditam que a aprovação de normas seria uma forma paliativa de tornar menos desleal a concorrência dos aplicativos. Já os motoristas que rodam a serviço de plataformas baseadas em smartphones alegam que, se aprovados os itens previstos no substitutivo, milhares de condutores terão que abandonar o serviço.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade