Publicidade

Estado de Minas

Com aumento de 8,38% na conta de água em Minas, veja dicas para economizar

Reajuste já será sentido em agosto e é quase o dobro do índice médio de 2018. Alta será de 11,6% nas residências na faixa de consumo de 10 mil litros sem tarifa social


postado em 02/07/2019 06:00 / atualizado em 02/07/2019 12:48

Com o reajuste, receita é economizar com medidas simples, que exigem controle do abre e fecha de torneiras(foto: Pixabay)
Com o reajuste, receita é economizar com medidas simples, que exigem controle do abre e fecha de torneiras (foto: Pixabay)

A conta de água virá mais cara a partir do mês que vem em boa parte das cidades mineiras. As contas cobradas pela Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa-MG) vão ser reajustadas em 8,38% em média. A alta, anunciada ontem, foi autorizada pela Agência Reguladora de Serviços de Abastecimento de Água e de Esgotamento Sanitário do Estado de Minas Gerais (Arsae-MG), em decisão publicada no sábado. A cada reajuste tarifário, a agência considera o impacto da inflação nos mais variados custos do prestador de serviços, como energia elétrica, combustíveis e gastos com pessoal. O índice médio é quase o dobro do autorizado no ano passado, de 4,31%. E para consumidores que pagam a tarifa residencial normal a alta é ainda mais forte, chegando a 11,6% em exemplo citado pela Arsae.

De acordo com nota da agência, esse é o caso de usuários residenciais com água, coleta e tratamento de esgoto que consomem 10m³ (10 mil litros) mensais. Eles deixam de pagar contas de R$ 72,93 e passam a arcar com  R$ 81,41, um aumento de R$ 8,48. Já moradores com o mesmo perfil de consumo mas cadastrados na Tarifa Social, que pagavam R$ 34,95, terão fatura mensal de R$ 38,98, o que representa 55% a menos em relação aos usuários que pagam a tarifa residencial normal.

Ainda de acordo com as informações da Arsae, este ano, a receita tarifária base foi reajustada em 4,09% (Índice de Reajuste Tarifário), sendo 3,73% referentes a correções inflacionárias e 0,36% resultante dos incentivos tarifários. Contudo, devido aos componentes financeiros – definidos, principalmente, por regras definidas na revisão tarifária de 2017 – o impacto médio a ser sentido pelos usuários será de 8,38%. Neste reajuste, a conta mantém a progressividade em cada faixa de consumo conforme a água é utilizada em cada categoria (residencial, comercial, industrial ou pública).

ESGOTO AUMENTA Foram promovidas alterações nas tarifas de esgoto, também obedecendo a trajetória estabelecida em 2017. A tarifa de esgoto coletado sem tratamento foi reduzida de 37,50% para 31,25% da tarifa de água, enquanto a de esgoto coletado e tratado aumentou de 95% para 97,5% da tarifa de água.

De acordo com a Arsae-MG, os valores obedecem a critérios de capacidade de pagamento dos usuários da Copasa, mantendo o patamar de comprometimento da renda abaixo de 3% que é o padrão sugerido pela  Organização das Nações Unidas. A Copasa detém concessão de água em 590 municípios mineiros, operando em 581 deles. Há concessão de esgoto em 253, com operação em 222.

ECONOMIZE Com algumas mudanças no seu dia a dia é possível economizar água, o que contribui para reduzir a conta e preservar esse bem. Reduzir o tempo de banho é uma dessas atitudes. De acordo com a Copasa, uma ducha aberta por 15 minutos consome 135 litros de água. Se a torneira for fechada e o tempo reduzido para cinco minutos, o consumo cai para 45 litros. Escovar os dentes também costuma gastar muita água já que cinco minutos com a torneira aberta consome 12 litros. Mas há formas de escapar do gasto excessivo. “Molhe a escova de dentes e feche a torneira; coloque água num copo para bochechar. O consumo cai para menos de um litro. Uma única pessoa pode economizar 1,9 milhão de litros de água ao longo da vida simplesmente escovando os dentes com a torneira fechada”, informa a Copasa em seu site.

Na hora de lavar a louça, 15 minutos com torneira aberta provoca consumo de117 litros. A dica é passar o detergente em toda a louça com a torneira fechada e enxaguar tudo depois. O consumo pode cair para 20 litros. Já para lavar as frutas, a recomendação é não fazê-lo embaixo da torneira. O ideal é optar por uma bacia e usar uma escova vegetal para remover as sujeiras. Já a água do último enxágue da máquina de lavar e da chuva podem ser usadas para lavar o quintal, regar plantas e até para dar descarga nos banheiros. E é mais econômico usar a máquina de lavar sempre com a capacidade total.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade