Publicidade

Estado de Minas

Atlas da Violência 2019: denúncias de homicídios contra LGBT+ triplicam em Minas

Essa foi a primeira vez que o Atlas da Violência incluiu as estatísticas de violência contra a população de lésbicas, gays, bissexuais, transexuais, travestis e intersexuais


postado em 05/06/2019 15:37 / atualizado em 05/06/2019 16:03

(foto: Soraia Piva)
(foto: Soraia Piva)

A violência contra a população de lésbicas, gays, bissexuais, transexuais, travestis e intersexuais, foi  incluído pela primeira vez no Atlas da Violência. A estatística divulgada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) preocupa. O número de homicídios denunciados subiu de 5 em 2011 para 193 em 2017 em todo Brasil. Em Minas Gerais, entre 2016 e 2017, o número triplicou.

O estudo foi feito com dados das denúncias registradas no Disque 100, um canal que recebe, analisa e encaminha denúncias de violações de direitos humanos relacionados a vários grupos, como crianças, idosos, LGBTI+, entre outros.

Os dados mostram um aumento de denúncias por meio do Disque 100 em Minas Gerais entre 2016 e 2017, de 21,8%. De um ano para o outro, houve um salto de 96 para 117 denúncias. Os relatos de lesão corporal tiveram alta, neste período, de 65,3%, saindo de 26 para 43. Já as tentativas de homicídio diminuíram pela metade, de 4 para 2.

O aumento mais significativo aconteceu com as denúncias de homicídios. Em 2016, foram seis denúncias, enquanto que no ano seguinte, subiu para 19. O estudo aponta que em 2017 houve o maior número de denúncias de assassinatos do público LGBT desde 2011.

Em todo Brasil, o número de homicídios denunciados ao Disque 100 subiu de 5 em 2011 para 193 em 2017. Já as lesões corporais aumentaram de 318 em 2016 para 423 em 2017, passando por um pico de 783 casos em 2012.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade