Publicidade

Estado de Minas

Trânsito na Avenida Vilarinho segue intenso, após vazamento de gás

BHTrans bloqueou trecho de 100 metros da via e alterou itinerários de linhas de ônibus que passam no local


postado em 31/05/2019 17:39 / atualizado em 31/05/2019 17:56

BHTrans não tem previsão de liberação da via(foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros)
BHTrans não tem previsão de liberação da via (foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros)

A Avenida Vilarinho, em Venda Nova, segue interditada no sentido Centro, na altura das ruas Doutor Álvaro Camargos e Padre Pedro Pinto. Apesar de o trecho bloqueado ser pequeno, o trânsito na região é intenso e deve ficar ainda maior no horário da volta para casa. 

Na manhã desta sexta-feira, um vazamento de gás obrigou a evacuação de vários estabelecimentos da região; uma concessionária de veículos, uma loja de motos, uma loja de alimentos, além de outros locais. 

Por causa do vazamento, a BHTrans interditou 100 metros da avenida. As linhas de ônibus que passam pela via tiveram seus itinerários modificados (61, 62, 63, 64, 633, 635, 636, 637, 638, 641 e 642). As alterações foram anunciadas no Twitter da empresa de trânsito. 



A energia elétrica do local foi desligada, o que afetou os semáforos da região. Por volta das 16h30, o Corpo de Bombeiros informou que não há previsão de liberação das vias.

O que gerou o vazamento?

Por volta das 11h, uma empresa privada contratada pela prefeitura de Belo Horizonte perfurou o solo durante sondagem do terreno. O procedimento foi o responsável pelo vazamento de gás.

De acordo com a Companhia de Gás de Minas Gerais (Gasmig), responsável por conter o vazamento, a situação está controlada e a válvula que permite o escapamento já foi desligada.

Ainda conforme a Gasmig, muito provavelmente a companhia privada não prestou atenção nos avisos que estão ao redor da tubulação. Isto é, os folhetos que alertam para o risco em caso de perfuração.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, o risco de explosão é baixo. A guarnição faz a segurança do local e aguarda o esgotamento de gás na tubulação.

* Estagiário sob supervisão da subeditora Ellen Cristie

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade