Publicidade

Estado de Minas

Polícia prende golpistas que compravam produtos na internet com falso depósito

Falsários agiam comprando mercadorias no site OLX, mas faziam depósito com envelope vazio. O comprovante era enviado para o vendedor, que mandava o produto, mas não recebia dinheiro. Polícia identificou revenda de materiais em loja no Bairro Buritis


postado em 29/05/2019 12:42 / atualizado em 29/05/2019 13:56

Entre os produtos adquiridos por meio de fraude pelos golpistas estão celulares, computadores e drone de até R$ 26 mil(foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A PRESS)
Entre os produtos adquiridos por meio de fraude pelos golpistas estão celulares, computadores e drone de até R$ 26 mil (foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A PRESS)

Estão à disposição da Justiça os quatro homens apontados pela Polícia Civil como membros de uma organização criminosa que aplicava golpes em pessoas físicas que vendiam produtos na internet por meio do site OLX. O grupo agia comprando esses produtos, mas sem efetivamente pagar pelo bem. Para ludibriar os vendedores, a quadrilha enviava comprovantes de depósitos bancários feitos com envelopes vazios.

Esse documento era suficiente, segundo o delegado Vicente Ferreira, do Departamento de Investigação de Crimes Contra o Patrimônio (Depatri), para que os vendedores mandassem os produtos, mas, quando percebiam, o dinheiro não havia caído nas contas indicadas. Gustavo de Souza Veloso, de 31 anos, tinha a função de fazer as compras. De acordo com o delegado, ele usava o nome de uma pessoa no Rio Grande do Sul, que quando percebeu a fraude registrou ocorrência para informar que seu nome estava sendo usado indevidamente.

Depois que Gustavo comprava os produtos, eles eram enviados para o endereço de Jacques Judice Ross Lamego, de 30 anos, no Bairro Serra, Centro-Sul da capital. Jaques recebia R$ 50 por cada encomenda que chegava em sua casa, segundo a polícia. Depois era a vez de Diego Allen Delucca Rocha, 29, que de acordo com a Polícia Civil atua como motorista de aplicativo. Ele levava os produtos até uma loja de drones no Bairro Buritis, Oeste de BH, onde eram revendidos.

Na loja, foi preso por receptação Paolo Henrique Cassano, de 28 anos, que seria o dono do estabelecimento, segundo as investigações. O prejuízo estimado em mercadorias apreendidas pela polícia gira em torno de R$ 150 mil. Entre os objetos apreendidos que estavam sem comprovação da origem estão celulares, computadores e drones de até R$ 26 mil.

A Polícia Civil ainda apura quantas vítimas teriam sido lesadas, mas o delegado disse que os quatro foram presos em flagrante e admitiram participação no esquema. Outro objetivo da investigação é saber como era a divisão financeira praticada entre os presos.

O que já se sabe, segundo Vicente Ferreira, é que Gustavo, que já tem passagens por estelionato, praticava esses golpes há pelo menos um ano e intensificou suas ações nos últimos seis meses. Ele morava em uma casa de alto padrão no Bairro Bandeirantes, na Região da Pampulha. "Segundo ele próprio, nesse período ele adquiriu mais de R$ 200 mil nesses crimes que ele praticou", diz o delegado.

Segundo a Polícia Civil, vítimas que desconfiarem que possam ter sido lesadas por essa quadrilha devem procurar o Depatri, na Avenida Amazonas, 7.025, no Bairro Gameleira, levando documentos que comprovem serem os donos dos bens em questão para buscarem a restituição.

O que diz a OLX


Em nota, a OLX informou que não teve acesso a detalhes deste caso e, por isso, não foi possível investigar ou tomar as devidas providências.

A empresa ressalta que sua atuação consiste na "disponibilização de espaço para que usuários possam anunciar e encontrar produtos e serviços de forma rápida e simples. Diariamente, quase 500 mil anúncios são inseridos na plataforma. Toda negociação é realizada fora do ambiente do site, portanto, a empresa não faz a intermediação ou participa de qualquer forma das transações, que são feitas diretamente entre os usuários", diz a companhia.

A empresa destaca que algumas dicas podem ajudar a garantir uma transação sem problemas, veja a lista:

1) Prefira fechar negócio em um lugar público e movimentado. Sempre que possível, vá acompanhado
   
2) Antes de se encontrar com o comprador, busque informações sobre ele. Pergunte o nome com sobrenome, lugar onde mora ou trabalha, telefone para contato ou e-mail, entre outras informações que possam ajudar a identificá-lo

3) Com os dados sobre o comprador, faça uma pesquisa nas mídias sociais

4) Desconfie se o comprador está muito apressado, nervoso ou impaciente

5) Fique atento às dificuldades que a pessoa interessada possui em ir até a seu estabelecimento ou de finalizar a negociação em local público

6) Nunca efetue entrega de produtos ou realize pagamentos a uma pessoa que se diz "representante da OLX". Não participamos, em hipótese alguma, das trocas e entregas de produtos ou serviços que ocorrem entre comprador e vendedor

7) Atenção às formas de pagamento do comprador:

8) Em casos de cheque, espere compensar antes da entrega/envio do produto;

9) Em casos de transferência bancária, espere o valor ser verificado em sua conta;

10) Em casos de depósito em caixa eletrônico, aguarde o tempo necessário para a “abertura dos envelopes”

11) Em caso de pagamento em dinheiro, verifique o valor entregue juntamente com a veracidade das notas.


Publicidade