Publicidade

Estado de Minas

Em quatro dias de operação, BH tem 1,6 mil celulares apreendidos

Operação conjunta entre Polícia Militar, Ministério Público, prefeitura e Receita Federal cumpre mandados de busca e apreensão em lojas da capital


postado em 30/04/2019 15:02 / atualizado em 30/04/2019 16:04

(foto: Polícia Militar/Divulgação)
(foto: Polícia Militar/Divulgação)

Comércios das regiões Nordeste e Centro-Sul que vendem aparelhos celulares e eletrônicos em geral foram alvo, na manhã desta terça-feira, da quarta etapa da operação conjunta entre policiais militares e agentes do Ministério Público, prefeitura e Receita Federal, que busca atacar a receptação de telefones celulares furtados e roubados em Belo Horizonte. Desde a primeira etapa, a operação já apreendeu 1.665 celulares na capital.

Nesta fase da operação, dez mandados de busca e apreensão foram cumpridos, resultando em oito prisões em flagrante, recuperação de 331 aparelhos celulares com queixa de furto ou roubo e/ou sem procedência de origem, e 2.614 eletrônicos e acessórios irregulares apreendidos pela Receita Federal. 

Segundo o major Leonardo Lima, comandante da 8ª Companhia do 34º Batalhão da PM, quanto menos houver a receptação, menos aparelhos serão roubados e furtados. "Esse trabalho já vem de algum tempo sendo feito levantamento dos pontos possíveis de receptação na cidade de Belo Horizonte. O que é importante frisar é que com essa operação nós queremos quebrar o ciclo do crime. Só existe o roubo e o furto quando existe um mercado propenso a pegar esses materiais ilícitos e repassar para a sociedade", diz o militar.

A procuradora de Justiça Cássia Gontijo, que é coordenadora do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), lembra que o crime de receptação prevê pena de reclusão de 1 a 4 anos, e não é só o vendedor que está sujeito à punição. "Quem recebe este celular está praticando o crime tanto quanto quem compra o celular", afirma. 

Operação contínua

A operação começou na última quinta-feira, na Região Noroeste de BH. Na primeira etapa, 39 celulares e 1521 acessórios de origem duvidosa foram apreendidos. Três homens também foram presos.

No segundo dia, realizado na última sexta-feira, nas Regiões Oeste e Barreiro, sete pessoas foram presas. Além disso, 712 aparelhos de telefone celular, entre produtos de furto e roubo e de procedência duvidosa, aproximadamente cinco mil acessórios e produtos eletrônicos diversos e dois drones foram apreendidos.

Na terceira etapa da operação, realizada na última segunda-feira, foram cumpridos oito mandados de busca e apreensão. Nove pessoas foram presas, 583 celulares apreendidos, entre aparelhos produtos de furto ou roubo e de procedência duvidosa e 1.032 eletrônicos e acessórios irregulares apreendidos pela Receita Federal.
 
*Estagiária sob supervisão da subeditora Ellen Cristie 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade