Publicidade

Estado de Minas

Polícia incrementa recursos contra a explosão de caixas e tráfico nas divisas de Minas

A partir de agora, as polícias militares do Meio Ambiente e Rodoviária do estado vão atuar também na repressão às quadrilhas de ataques a bancos e aos traficantes de armas e drogas. Cidades recebem 102 viaturas e outros equipamentos


postado em 28/05/2019 06:00 / atualizado em 28/05/2019 08:12

O governo entregou ontem 102 viaturas para diversos municípios para dar suporte às novas atribuições dos grupamentos da Polícia Militar (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
O governo entregou ontem 102 viaturas para diversos municípios para dar suporte às novas atribuições dos grupamentos da Polícia Militar (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)



Cidades mineiras limítrofes com outros estados ganharam reforço na segurança para combate aos crimes de explosão de caixas eletrônicos e tráfico de armas e drogas por meio de rodovias estaduais e nas federais delegadas ao estado. A partir de agora, as polícias militares de Meio Ambiente e Rodoviária (PMRv) passam também a fazer o patrulhamento não só de prevenção, mas também de repressão nos locais por onde as quadrilhas entram em Minas Gerais: nas áreas de divisas e nas estradas vicinais.

Ontem, o governo estadual entregou equipamentos e 102 viaturas para diversos municípios para dar suporte às novas atribuições. As aquisições foram feitas por meio de convênios estadual e federal e de emendas parlamentares. A PM de Meio Ambiente deixará de atender apenas denúncias, fazer atividades de proteção ao meio ambiente e fiscalizações para patrulhar a zona rural com operações e blitz, em 36 cidades do interior de Minas. O grupamento tático rodoviário também teve suas atividades ampliadas.

Ficará em pontos estratégicos durante as madrugadas, saindo das rodovias e indo para dentro de 29 cidades do interior. Apenas uma viatura ficará em Belo Horizonte. “É uma mudança de conceito nessas duas unidades. Cada viatura terá três policiais e armamento mais pesado em apoio a guarnições dessas cidades que contam, muitas vezes, com apenas dois militares. Estradas vicinais e limítrofes serão prioridade, porque é por onde os bandidos vêm”, explicou o comandante-geral da PM, coronel Giovanne Gomes da Silva.

A PMRv dá início à sua nova atribuição por meio da Operação Jericó, em referência à passagem bíblica na qual a cidade que nomeia a ação foi cercada e conquistada pelos judeus. Os militares farão cerco a vias, entradas e saídas de BH e vão estendê-lo para o interior. De acordo com a capitã Débora Santos, da comunicação da Polícia Militar Rodoviária, será feita manobra preventiva e de repressão qualificada nas ações. “Os táticos serão deslocados para dentro das cidades para patrulhamento, dar apoio em alguma ação do serviço de inteligência e impedir que criminosos entrem nos municípios”, disse.

Embora as 19 regiões (de acordo com a divisão da PM) sejam cobertas, há preocupação especial com o Triângulo Mineiro, onde grandes carregamentos de armas e drogas são interceptados, e o Sul de Minas, cujas cidades são alvo de ataques a caixas eletrônicos. Está em fase final ainda a aquisição de 300 fuzis, que vão fazer parte do equipamento do grupo tático. Todos os 1,3 mil policiais rodoviários passaram por credenciamento de fuzis, incluindo o pessoal administrativo. Além das viaturas, foram entregues ontem 150 etilômetros para dar suporte às blitzes da Lei Seca e 50 lombadas móveis e cones, que serão usadas nas batidas policiais e também no cerco a fugitivos nas rodovias.

O Corpo de Bombeiros também recebeu nove caminhões de combate a incêndio. Três vão para Ubá e Juiz de Fora, na Zona da Mata, e Ipatinga (Vale do Aço). Elas vão integrar a frota de 950 veículos da corporação, dos quais 200 de combate a incêndio.


Publicidade