Publicidade

Estado de Minas

Ex-secretário de Barão de Cocais é preso por participação em esquema ilegal de mineração

Operação apurou que mineradora fraudava documentos para conseguir licenciamento ambiental em Mariana


postado em 23/05/2019 18:18 / atualizado em 23/05/2019 19:23

De acordo com delegado, empresa falsificou documentos para conseguir licenciamento ambiental(foto: Divulgação/PCMG)
De acordo com delegado, empresa falsificou documentos para conseguir licenciamento ambiental (foto: Divulgação/PCMG)
Uma operação da Polícia Civil de Minas Gerais prendeu dois proprietários de uma mineradora que estaria extraindo minério de ferro ilegalmente em Mariana. Apelidada de “Curupira”, a operação ainda teve como resultado a prisão do gestor ambiental da empresa. O nome dos três executivos não foram divulgados pelos investigadores.

No entanto, conforme a reportagem apurou, um dos presos é o ex-secretário municipal de Meio Ambiente de Barão de Cocais, Nivaldo Nunes de Souza. Entre 2005 e 2012, ele ocupou diversos cargos na prefeitura municipal. A suspeita é de que ele fazia parte do esquema ilícito da mineradora. Ainda não se sabe se ele era um dos sócios da empresa ou o gestor ambiental.

De acordo com o delegado Luiz Otávio, da 2ª Delegacia de Crimes Ambientais, os sócios da empresa são um casal. As investigações concluíram que eles tinham ciência da extração ilegal, já que o homem ia ao local com uma certa frequência, assim como a mulher, que morava em Mariana.

Ex-secretário atuou na administração municipal de 2005 a 2012(foto: Reprodução/Google Maps)
Ex-secretário atuou na administração municipal de 2005 a 2012 (foto: Reprodução/Google Maps)


A prisão dos três envolvidos foram classificadas como temporárias. Ou seja, eles ficarão presos por cinco dias, com possibilidade de prorrogação de mais cinco.

Ainda segundo o delegado, a empresa fraudava os documentos de licenciamento ambiental. “Está sendo apurada a inserção de informações falsos no licenciamento ambiental, além da própria extração de forma ilegal e interferência em área de preservação permanente e em recurso hídrico”, explicou o delegado. Todos os bens foram da empresa foram bloqueados. 

Os investigadores ainda apuraram que, mesmo com a falsificação de informações, a Superintendência Regional de Meio Ambiente (Supram) - órgão ligado à Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável - negou a licença à mineradora. Mesmo assim, a empresa continuou extraindo minério na região.  O Corpo de Bombeiros também já teria negado alvará para as operações no local.

Por telefone, o advogado do ex-secretário, Antônio Eustáquio de Almeida, informou que seu cliente permanece sozinho em uma sala da delegacia de Mariana. A defesa ainda está se inteirando do teor das acusações e aguardando para conversar com o delegado e com Souza e só depois disso se manifestará sobre o assunto.

Caso os presos sejam condenados, eles podem pegar até 11 anos de prisão. "(A operação) salta os olhos, ainda mais se tratando do município de Mariana, onde há 3 anos e meio ocorreu uma tragédia e, mesmo assim, as pessoas estão operando à margem da lei, afirmou o investigador.

Buscas e apreensões

Além das prisões, os investigadores cumpriram cinco mandados de busca e apreensão nas cidades de Barão de Cocais, Santa Bárbara, Mariana, além da capital mineira. As cidades abrigam sedes e escritórios da empresa e guardavam mídias e documentos.

De acordo com o delegado, um dos alvos da busca e apreensão foi o contador da mineradora. A Polícia Civil investiga se a empresa também participava de esquema de lavagem de dinheiro. Ao todo, 60 policiais participaram  da operação, que segue em busca de elucidações.

* Estagiário sob supervisão da subeditora Ellen Cristie

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade