Publicidade

Estado de Minas

Vale tem até esta terça para apresentar 'dam break' de barragem em Barão de Cocais

Prazo para apresentar estudo de impacto se encerra às 12h10. Caso contrário, mineradora deverá pagar multa de R$ 300 milhões


postado em 20/05/2019 20:37 / atualizado em 20/05/2019 20:41

Expectativa é de que talude se rompa ainda nesta semana(foto: Divulgação/TJMG)
Expectativa é de que talude se rompa ainda nesta semana (foto: Divulgação/TJMG)

A Vale tem até esta terça-feira para apresentar um estudo que aponte o impacto real em caso de ruptura da barragem Sul Superior da mina Gongo Soco, em Barão de Cocais, Região Central de Minas Gerais. Na última sexta-feira (17), a Justiça  ordenou que a mineradora elaborasse o estudo de dam break em até 72 horas; caso contrário a  multa prevista era deR$ 300 milhões.

De acordo com o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), a Vale foi informada da decisão às 12h10 de sábado. Dessa forma, o prazo estipulado judicialmente se encerra nesta terça-feira.

Na decisão, a juíza da Comarca de Barão de Cocais Fernanda Chaves Carreira Machado lembrou que, em 25 de março, uma decisão judicial também determinou a elaboração desse estudo. No entanto, o Ministério Público pontuou que a elaboração não foi cumprida totalmente.

Na época, foi solicitado que, no estudo, a Vale levasse em consideração o vazamento de 100% dos rejeitos e água dispostos na barragem. Porém, a mineradora apresentou um estudo considerando a mobilização de apenas 35% dos rejeitos. 

Agora, a magistrada considerou que a situação ficou mais alarmante, diante da expectativa do rompimento de um talude dentro da Mina Gongo Soco. De acordo com a Vale, a ruptura do talude deve acontecer ainda nesta semana. Ainda não se sabe se o rompimento da estrutura ocasionará no vazamento de rejeitos da barragem Sul Superior.  

O Estado de Minas entrou em contato com a Vale para saber se a mineradora pretende entregar o relatório completo nesta terça-feira e aguarda resposta. 

*Estagiário sob supervisão da editora Liliane Corrêa

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade