Publicidade

Estado de Minas

Após interdição por risco em barragem, trecho da BR-356 será liberado nesta quarta

Intervalo entre os Kms 37 e 40 estava funcionando em para e siga desde 21 de fevereiro, quando a Barragem Vargem Grande, em Nova Lima, passou para o nível 2 da escala de risco


postado em 16/04/2019 22:43 / atualizado em 16/04/2019 22:54

Motoristas que passam pela rodovia que liga a capital mineira a Ouro Preto e Itabirito enfrentavam limitações desde 21 de fevereiro(foto: Paulo Filgueiras/EM/DA Press)
Motoristas que passam pela rodovia que liga a capital mineira a Ouro Preto e Itabirito enfrentavam limitações desde 21 de fevereiro (foto: Paulo Filgueiras/EM/DA Press)

 

A Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec) vai liberar totalmente o tráfego entre os Kms 37 e 40 da BR-356, em Itabirito (Região Central), a partir das 20h desta quarta-feira (17). Este trecho da rodovia estava funcionando a partir de uma operação para e siga desde 21 fevereiro devido às condições da Barragem Vargem Grande, da Vale, em Nova Lima (Grande BH).


A decisão partiu depois de uma reunião ocorrida em Mariana (Região Central) entre órgãos de segurança, a mineradora, o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e a seção da Ordem dos Advogados do Brasil em Minas Gerais (OAB/MG). O encontro aconteceu na tarde desta terça-feira (16), quando a Vale apresentou um estudo técnico que demonstrou a viabilidade de uma operação assistida na rodovia.


Com isso, o tráfego de veículos será liberado em ambos os sentidos simultaneamente. O local contará com uma estrutura de intervenção que funcionará 24 horas por dia. Em caso de qualquer alteração nas condições da barragem, uma equipe treinada vai adotar as medidas necessárias para garantir a segurança da população.


O Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) que valida a operação assistida foi assinada pelos órgãos envolvidos nesta terça. O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) já homologou o TAC.


A Barragem Vargem Grande está no nível 2 (anomalias não controladas) da escala de risco desde 20 fevereiro, quando a Vale acionou o Plano de Ação de Emergência de Barragens (PAEBM) da represa. Naquela data, a mineradora evacuou 38 famílias da Zona de Autossalvamento (ZAS), que estavam 10 quilômetros a jusante da estrutura.


Em caso de rompimento da barragem, de acordo com os mapas da Vale, a mancha de rejeitos cairia ao lado da BR-356, na Lagoa das Codornas e seguiria encaixada por esse vale na direção dos condomínios de Nova Lima. Depois entraria perto do Capitão do Mato, Condomínio Miguelão e desembocaria no Rio do Peixe. Por último, chegaria ao Rio das Velhas, responsável por boa parte do abastecimento da capital.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade