Publicidade

Estado de Minas

Bloqueio na BR-356 por risco em barragem impõe restrição a 25 mil veículos por dia

Não há prazo determinado para que rodovia que liga Belo Horizonte a cidades como Itabirito, Ouro Preto e Mariana seja reaberta. Fechamento foi determinado por possibilidade de rompimento de barragem da Vale


postado em 21/02/2019 14:39 / atualizado em 21/02/2019 14:49

Não há um prazo para que a rodovia seja reaberta e a prioridade é preservar vidas(foto: Paulo Filgueiras/EM/DA Press)
Não há um prazo para que a rodovia seja reaberta e a prioridade é preservar vidas (foto: Paulo Filgueiras/EM/DA Press)
O impacto gerado pelo fechamento da BR-356 entre os quilômetros 35 e 41, na divisa dos municípios de Nova Lima (Grande BH) e Itabirito (Região Central de Minas) se estende a cerca de 25 mil motoristas por dia, de acordo com a Polícia Militar Rodoviária (PMRV). A estimativa foi repassada à corporação pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), segundo o tenente-coronel Paulo Antônio de Moraes, que é comandante do Batalhão de Polícia Militar Rodoviária (BPMRv). De acordo com o oficial, não há um prazo para que a rodovia seja reaberta e a prioridade é preservar vidas. Por isso, nesse momento motoristas que tenham como destinos localidades às margens da BR-356 terão que usar os desvios descritos na imagem abaixo.

O tenente-coronel conversou com a imprensa no início da tarde desta quinta-feira, acompanhado do secretário de Estado de Turismo e Cultura, Marcelo Matte, e do coordenador adjunto da Defesa Civil de Minas Gerais, tenente-coronel Flávio Godinho. Segundo as três autoridades, intervenções estão sendo estudadas para minimizar os impactos do fechamento da 356, mas ainda não há nenhuma nova ação anunciada. A mais recente foi a diminuição do tamanho do trecho fechado na BR-356, que ontem ia do Km 35 (Lagoa das Codornas) até o Km 50 (perto do portal de acesso a Itabirito).

Agora, a parte bloqueada tem apenas seis quilômetros, indo do Km 35 ao 41. Os militares e o secretário de Cultura disseram que essa medida possibilitou garantir a mobilidade de pessoas que moram e trabalham nas imediações. "A gente solicita aos usuários que tenham um pouco mais de paciência, que tenham cautela ao trafegar nas vias secundárias para que preservemos a vida das pessoas envolvidas", diz o militar.

Marcelo Matte reconheceu o impacto econômico que o fechamento da rodovia federal gera para as cidades principalmente na véspera do carnaval, que é uma data muito importante para Ouro Preto e Mariana, especialmente, mas disse que a maior prioridade é preservar vidas. Por isso, pelo menos por enquanto quem quiser pular o carnaval nessas duas cidades terá que usar a MG-030 (veículos leves), passando por Nova Lima, Rio Acima e um trecho de terra até chegar em Itabirito para depois retomar a 356 ou então dar uma volta usando a BR-040 para ir até Congonhas, depois Ouro Branco e, enfim, Ouro Preto. Esse desvio é o recomendado para caminhões pesados (veja imagem abaixo).

"Nós sabemos que Mariana já investiu R$ 300 mil na decoração da cidade e que existem 120 bonecos sendo confeccionados para o carnaval de Ouro Preto, que tem o maior baile de máscaras do Brasil. Nós sabemos que essas cidades dependem visceralmente de suas atividades culturais e de turismo e que elas vão sofrer um dano enorme com essa interdição. Nós estamos muito preocupados com esse impacto econômico. Estão se construindo com avaliação técnica uma série de alternativas para essa interdição", diz o secretário.

Confira a alteração no trânsito:
(foto: Defesa Civil/ divulgação)
(foto: Defesa Civil/ divulgação)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade