Publicidade

Estado de Minas

Moradores falam do desespero em deixar casas em zona evacuada em Nova Lima

População de vilarejo viveu dia de aflição. 'A gente nunca imagina que vai ter que escolher o que deixar para trás', conta um deles


postado em 21/02/2019 06:00 / atualizado em 21/02/2019 07:59

Quarenta pessoas tiveram que deixar a Vila do Peixe, formada por casas do século 19 usadas por funcionários de mineradora(foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A Press)
Quarenta pessoas tiveram que deixar a Vila do Peixe, formada por casas do século 19 usadas por funcionários de mineradora (foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A Press)

 

“A vida aqui era um paradeiro. Galinha, cachorro e horta. Hoje (ontem), estourou uma bomba. De repente, apareceu o pessoal da Vale e estou no mesmo desespero das pessoas debaixo das barragens que podem se romper que vi nesses meses todos. Temos até as 16h para deixar nossas casas com o que pudermos carregar”. O desabafo, nervoso, de quem esfrega os dedos enquanto reúne o que pode de roupas e utensílios para evacuar sua casa antes de uma avalanche de rejeitos de minério de ferro, é da dona de casa Josiane Cristina da Silva, de 38 anos. Ela, o marido e o filho adolescente, de 17, estão entre as 40 pessoas da Vila do Peixe, em Nova Lima, um pequeno aldeamento de casas do século 19 que abriga funcionários da mineradora AngloGold Ashanti, que precisou ser evacuado ontem devido ao risco de rompimento da Barragem de Vargem Grande, da Vale. Outras 60 pessoas também tiveram que deixar suas casas no mesmo município, segundo a Defesa Civil.

De acordo com o Plano de Ação de Emergência de Barragem de Mineração (Paebm) de Vargem Grande, caso a estrutura, que não teve sua estabilidade garantida, acabe se rompendo, a avalanche de rejeitos descerá pelo próprio território da mineradora devastando tudo, ingressando no vale que corre ao longo da BR-356, no sentido Belo Horizonte, até engolir a Lagoa das Codornas, as residências, sítios e condomínios que a margeiam. Ao final do reservatório, segundo os profissionais da Vale, a lama mais líquida e veloz se encaixaria no Vale do Rio do Peixe, um dos principais afluentes do Rio das Velhas, responsável por mais de 20% do volume de água do manancial antes da captação da Copasa, em Bela Fama, estação que abastece 60% da Grande BH. Nesse trajeto, a MG-030 também poderia ser destruída, entre Rio Acima e Itabirito.

O alerta, antes de a barragem ter sido classificada como de risco de rompimento (nível 2), veio logo cedo, às 8h30 de ontem, para comunidades de Ouro Preto, Itabirito e Nova Lima terem tempo de evacuar suas residências antes das sirenes. Enquanto isso, de acordo com a assessoria, a estrutura foi mantida em nível operacional (nível 1). Em Ouro Preto, 25 pessoas foram evacuadas, enquanto em Itabirito o desalojamento ainda não foi necessário.

(foto: Arte EM)
(foto: Arte EM)


Além das pessoas desalojadas para casas de parentes e hotéis em Belo Horizonte, Ouro Preto e Congonhas, segundo a Vale, muitos que estavam no caminho da devastação em condomínios de luxo e comunidades rurais procuraram guarida em outras áreas.

As equipes da mineradora Vale, contando com ambulâncias, resgate animal, engenheiros para explicar sobre o plano de evacuação, vans e ônibus para transporte de desalojados, se espalharam para as áreas ameaçadas nos três municípios. Desde portarias de condomínios elegantes a vielas de vilarejos, esses comboios de vans, ônibus e caminhonetes ofereciam hotéis e pousadas custeadas pela gigante da mineração. Animais que habitam as residências na zona vulnerável também seriam recolhidos e tratados, de acordo com a assessoria da empresa.

Na comunidade de Vila do Peixe, onde 40 pessoas foram evacuadas, o desespero ao longo do dia foi grande. Pais e filhos removiam o que podiam de seus armários, cômodas e arcas tentando equacionar o que fosse possível de ser transportado em seus carros pessoais, apenas para se verem depois tentando compactar tudo em porta-malas e no interior dos veículos, até terem de se resignar e aceitar que muito seria deixado para trás.”Moro aqui há 20 anos e as coisas a gente traz aos poucos, nunca imagina que vai ter de correr com o que precisa, escolhendo o que deixar para trás. O mais importante para mim são as minhas panelas e roupas de cama, que juntei porque não temos data para voltar”, disse o operador de usina hidrelétrica Giorlei dos Reis, de 54. De acordo com ele, a moradia na vila é só durante a semana, já que vive com sua família no Centro de Nova Lima. “Mesmo assim, o susto foi grande. Melhor prevenir e sair hoje, de dia, com toda a assistência, do que no meio da noite”, disse.

Josiane escolhe o que levar: 'Muito o que é nosso vai ficar aqui'(foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A Press)
Josiane escolhe o que levar: 'Muito o que é nosso vai ficar aqui' (foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A Press)


Já a dona de casa Josiane Cristina da Silva, de 38, moradora da mesma comunidade, não conseguia disfarçar a aflição. “Meu filho de 17 anos e eu viemos correndo para ajudar meu marido a juntar as coisas, mas a gente vê que muito do que é nosso vai ficar para trás”, lamenta, enquanto empacota o que pode para transportar nos ônibus fretados da Vale. “Vão ficar muitos móveis, utensílios, lembranças. Não tem como levar tudo e não sei nem se vai dar para vir tirar depois não. Meu marido e eu vamos embora juntos. A Vale disse que vai buscar meu filho num outro carro. Isso está me deixando muito tensa e desconfiada.

Enquanto o vilarejo de casas de madeira e coloniais onde operam as plantas das minas da mineradora AngloGold eram evacuadas, com pessoas tensas, carregando seus carros e ônibus mirando um local seguro em caso de rompimento, o destino de vários animais, como galinhas e gansos não estava ainda muito claro. Dois cãezinhos da raça pinscher, por exemplo, ficaram trancados numa das casas. Segundo a vizinhança, os donos estavam viajando, de férias, e os animais eram alimentados por vizinhos, que deveriam recolhê-los.

Segundo a mineradora AngloGold Ashanti, nenhuma área operacional da empresa foi afetada e não haverá impacto na produção. “Os empregados do Sistema Hidrelétrico Rio de Peixe ficarão em casa, com seus salários sendo pagos”, informou empresa, explicando ainda que o fornecimento adicional de energia será feito Cemig. *Estagiária sob supervisão da subeditora Rachel Botelho

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade