Publicidade

Estado de Minas

Advogado que teria cometido assassinato há 20 anos é preso pela Polícia Civil

Desde quando foi julgado, sua defesa entrou com sucessivos recursos judiciais. Ele teve mandado de prisão expedido em fevereiro deste ano


postado em 05/04/2019 19:25 / atualizado em 05/04/2019 19:49

Suspeito foi preso nessa quinta-feira, mais de 20 anos depois do crime(foto: Divulgação/ PCMG)
Suspeito foi preso nessa quinta-feira, mais de 20 anos depois do crime (foto: Divulgação/ PCMG)

A Polícia Civil de Minas Gerais prendeu, nesta quinta-feira (5), um advogado condenado por matar um homem na Pedreira Prado Lopes, em Belo Horizonte, há mais de 20 anos. Por incrível que pareça, o homem não estava foragido. Desde quando foi julgado, sua defesa entrou com sucessivos recursos judiciais, até que o acusado teve mandado de prisão expedido em fevereiro deste ano.

Conhecido como "Objeto", ele foi preso quando chegava em casa, no Bairro Maria Helena, em Venda Nova, na capital mineira. As investigações para que os policiais pudessem efetuar a prisão do homem duraram 30 dias.  

De acordo com a Polícia Civil, além do assassinato, Objeto atuou numa organização criminosa especializada em roubo a bancos do estado entre 1995 e 2005.

“A partir do momento que recebemos as informações que o investigado, alcunha Objeto, estava com mandado de prisão aberto, determinamos a uma equipe que diligenciasse para prendê-lo, conseguindo capturá-lo e cumprir a ordem judicial”, contou o delegado responsável pelo caso, Gustavo Barletta.

Ainda segundo Barletta, não houve resistência à prisão, uma vez que, considerando as características do autor, foi escalada para a missão uma equipe de policiais mais experientes. “Ele foi capturado no momento mais oportuno, exatamente para evitar qualquer tipo de reação. Trata-se de um criminoso de alta periculosidade, conhecedor de armas como ex-policial que é”, explicou

Roubo a banco

Em 1997, no auge das atividades, Objeto teria entrado em confronto com policiais em Belo Horizonte. Os investigadores haviam recebido a informações de que ele iria cometer roubo contra duas instituições bancárias da capital, acompanhado de outros dois criminosos. 

Na ocasião, houve troca de tiros e um dos criminosos morreu no local. Objeto chegou a ser preso e, após sair do sistema prisional, fez faculdade de Direito, sendo aprovado na prova da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em 2017, quando foi habilitado a exercer a advocacia, optando pela área criminal.

*Estagiário sob supervisão da redação do Estado de Minas


Publicidade