Publicidade

Estado de Minas

Polícia monta esquema especial contra o assédio no carnaval

Vigilância aérea reforça segurança da folia, com atenção especial para a importunação sexual. Polícia vai usar ainda canhões de iluminação, câmeras e agentes com binóculo


postado em 28/02/2019 06:00 / atualizado em 28/02/2019 09:14

Segurança ganha reforço de sete drones e veículos de postos avançados durante a festa na capital(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
Segurança ganha reforço de sete drones e veículos de postos avançados durante a festa na capital (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)


O assédio terá a atenção especial das polícias Militar e Civil neste carnaval, em Belo Horizonte, contando com grande estrutura preparada para o recesso. Desde setembro do ano passado, o crime de importunação sexual passou a ser de médio potencial ofensivo, com pena de 1 a 5 anos de prisão. “Estamos muito preocupados com a importunação sexual, que é um novo tipo penal a vigorar neste carnaval. E isso pode vir a desencadear um grande número de ocorrências. Por isso, fortalecemos ainda mais o plantão da Delegacia de Mulheres”, disse o Coordenador de Operações da Polícia Civil, Felipe Vales. De acordo com o porta-voz da PM, capitão Flávio Santiago, foram preparadas campanhas para que o combate ao assédio não seja apenas de forma ostensiva e repressiva, mas também preventiva. “Seremos ferrenhos contra a questão do assédio. Tivemos o apoio dos blocos, que desde janeiro são acompanhados. Vamos distribuir material de informação contra esse crime, como 100 mil ventarolas (um tipo de leque de papelão) e material instrutivo para estabelecimentos comerciais e hotéis”, disse o policial. A vigilância eletrônica e aérea, com o lançamento de sete drones e veículos que funcionarão como postos avançados reforçarão a segurança.

A Delegacia de Mulheres é uma das oito especializadas que funcionarão 24 horas durante o carnaval, ajudando a desafogar os trabalhos nas unidades ordinárias. “Assim, elas poderão atender satisfatoriamente a demandas específicas, como a da Delegacia de Mulheres, que foi reforçada para atender a casos de violência contra o sexo feminino”, disse o delegado Felipe Vales. Vão atuar nessa forma de plantão também o Centro de Operações Policiais (COP) do Detran, uma unidade de drones, o Centro Integrado de Comando e Controle de Minas Gerais (CICCR/MG), quatro delegacias plantonistas para trabalhos de flagrantes, uma delegacia móvel, o Instituto Médico-Legal (IML) e o Centro Integrado de Atendimento ao Adolescente Autor de Ato Infracional (Cia). Com a atuação do Juizado Especial Criminal, além de o funcionamento das delegacias ser poupado do tratamento de crimes de menor ofensividade, com penas de até 3 anos, libera rapidamente também as equipes da Polícia Militar que participaram das ocorrências, para que retornem mais rapidamente aos trabalhos de policiamento ostensivo.

O capitão Heitor Mendonça, representante do Corpo de Bombeiros, informou que, com a ampliação dos blocos e eventos em BH, o efetivo teve que ser aumentado, de 349 para 988 agentes (+183%). Neste ano, serão 639 blocos e eventos contra os 383 de 2018, uma alta de 66%. A previsão de foliões passou de 3,3 milhões para 6,5 milhões ( 97%). Outras medidas também foram necessárias, como a ampliação dos postos móveis, de 26 para 72 ( 176%) e a utilização de drones para auxiliar na prevenção. “Nossa maior preocupação é a grande aglomeração de pessoas em espaços onde o pânico pode gerar graves acidentes. Por isso, os responsáveis pelos blocos estão orientados a parar com as baterias e som em caso de pânico, enquanto os bombeiros atuarão no auxílio à evacuação das pessoas”, disse. As estruturas que foram vetadas pela corporação por serem mais perigosas para a aglomeração de foliões são as pontes, túneis e viadutos. “As fortes chuvas desta época também representam perigos que nós levamos em consideração. Um bloco, por exemplo, queria percorrer a Avenida Vilarinho e o orientamos a mudar seu trajeto para um local onde uma tempestade não provoque alagamentos.”

TECNOLOGIA Uma das novidades é o videomonitoramento por meio de drones que vão sobrevoar as áreas no entorno dos blocos de carnaval. A medida, realizada em parceria com a Polícia Civil, vai ampliar a capacidade de monitoramento visual das unidades móveis. “Drones atuarão em eventos mais complicados, com o maior número de pessoas”, explicou coronel Anderson de Oliveira, comandante do Comando de Policiamento da Capital (CPC). No total, sete aparelhos estarão em ação.

“Esse patrulhamento tem a abrangência de 20 viaturas. Os drones terão giroflex (luzes como a das viaturas policiais) para que ajam de forma preventiva para desestimular criminosos ou mal-intencionadas. O cidadão, nos grandes blocos, poderá perceber a PM também nas plataformas de observação elevada. Dois caminhões com plataformas e câmeras também auxiliarão”, disse o major Flávio Santiago. Os aparelhos voadores contarão com câmeras de alta potência que observam o evento do alto e permitem a aproximação de até 20 vezes. “Para se ter ideia, se o indivíduo estiver contando dinheiro, conseguimos identificar até quais são as notas”, acrescentou o comandante do CPC. Assim, será possível reconhecer na multidão qualquer ação diferente, como um tumulto. A informação é repassada para a equipe de solo, que prenderá ou interceptará a pessoa suspeita. Cinco drones também serão usados pelo Corpo de Bombeiros de forma inovadora. Se no ano passado o equipamento foi utilizado apenas para calcular o número de participantes de cada bloco, este ano, a câmera vai auxiliar no atendimento de emergência ao folião.

Além dos drones, a PM contará com caminhões que permitem a instalação de câmeras móveis. São os Centros Integrados do Comando e Controle Móvel. As câmeras contam com reconhecimento facial com capacidade de monitoramento no entorno de um raio de até cinco quilômetros, além de visão noturna e leitura de calor que possibilita a identificação de armas. As câmeras fazem giro de até 360 graus. Para alguns palcos, como na Praça da Estação, no Centro da capital, ainda serão instalados canhões de luz, que devem facilitar a identificação de ações suspeitas. “Se o militar que estiver no topo vir alguma movimentação estranha, poderá iluminar esse ponto. Isso, além de inibir o infrator, que se assustará com a iluminação, também ajudará os militares no bloco, que poderão seguir o feixe de luz e encontrar as pessoas envolvidas em confusões ou algum delito”, explicou comandante do CPC.

Outra estratégia inovadora é que militares estarão em varandas de prédios públicos e residências fazendo o acompanhamento do bloco. “Isso é principalmente para os blocos maiores, como Baianas Ozadas, Monobloco, Baianeiros. Vamos ficar na varanda de casas com binóculos de grande aproximação, para ver movimentações suspeitas, confusões e outras coisas, e comunicar com as equipes que estarão no meio da multidão. Este uso de algumas casas, inclusive, já foi combinado com os moradores anteriormente.

Mais efetivo no interior de Minas


Nas cidades do interior onde o carnaval atrai turistas e os festejos prometem reunir muitas pessoas, as polícias Civil e Militar também prometeram incremento de efetivo. Segundo a PM, serão também instaladas câmeras com visualizadores de OCR, que são os sistemas de leitura de placas roubadas, veículos procurados e outros tipos, em locais estratégicos e que não serão revelados para que os infratores não tomem outros caminhos. “Isso trará também tranquilidade às pessoas do interior, em municípios onde o carnaval também ocorrerá”, disse o major Flávio Santiago.

Seundo ele, as localidades afetadas pelas barragens e evacuadas em Brumadinho e Nova Lima aumentam o efetivo. “Será feito um reforço em Macacos, onde está prevista a realização de eventos de carnaval. Em Brumadinho, ocorrerá também a manutenção do policiamento para evitar saques nos locais evacuados”. Na Rodovia BR-356 haverá também um reforço de policiamento da PM para atender sobretudo à cidade de Ouro Preto, um dos grandes destinos de foliões no carnaval. “O Batalhão Rodoviário fará com que haja uma maior fluidez de trânsito”, disse. 

 

 

Crime desde setembro

 

Um beijo forçado ou uma puxada pelo braço. A importunação sexual é comum o ano inteiro, mas se intensifica durante o carnaval, principalmente pela falsa sensação de que “tudo é permitido” durante os batuques da festividade. Mas a importunação sexual passou a ser crime com base na Lei Federal 13.718, sancionada em 24 de setembro de 2018. “Praticar contra alguém e sem a sua anuência ato libidinoso com o objetivo de satisfazer a própria lascívia ou a de terceiro”, diz o texto. A pena pode ser de reclusão de 1 a 5 anos – se o ato não constitui crime mais grave. A lei aumenta a pena em até dois terços se o crime for praticado por pessoa que mantém ou tenha mantido relação íntima de afeto ou com fim de vingança. Também aumenta em até dois terços a punição para estupro coletivo (quando envolve dois ou mais agentes) e estupro corretivo, quando o ato é praticado com objetivo de “controlar o comportamento sexual ou social da vítima”.

 

Comércio espera R$ 1 bilhão

 

O tema segurança também foi discutido durante café da manhã na Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH). O assunto é uma grande preocupação para os comerciantes, já que pesquisa aponta que 70% dos vendedores têm interesse em trabalhar no período carnavalesco. “Muito movimento o dia inteiro, mas queremos trabalhar com tranquilidade e organização”, explicou empresário Marcelo de Souza e Silva. A expectativa é que o período da festa Momo renda R$ 1 bilhão.

Nova frota da Guarda Municipal

(foto: Reprodução da internet/Youtube/Prefeitura de Belo Horizonte)
(foto: Reprodução da internet/Youtube/Prefeitura de Belo Horizonte)

Também nessa quarta-feira a Prefeitura de Belo Horizonte entregou 144 novos veículos à Guarda Municipal, sendo 60 motocicletas e 84 viaturas. A frota antiga já contava com 112 veículos. Na cerimônia de entrega, o prefeito Alexandre Kalil lembrou que o edital do concurso para contratar mais guardas será publicado em março, com 20% das vagas para mulheres. 

 

A novidade da frota é a inclusão de 10 veículos cela para transportar pessoas detidas, além de dois quadriciclos, cedidos pela Fundação Municipal de Parques e Zoobotânica ao Grupamento de Patrulha Ambiental da Guarda Municipal. 

 

O comandante da Guarda, Rodrigo Sérgio Prates, avaliou que o novo aporta aumenta a capacidade da corporaçã ode garantir um carnaval seguro em BH. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade