Publicidade

Estado de Minas

Moradores de Itatiaiuçu são retirados de casa por risco em barragem

Segundo tenente-coronel da Defesa Civil, barragem da ArcelorMittal foi elevada ao nível 2 de risco e 50 pessoas foram levadas para hotéis. Estrutura será analisada. Famílias também tiveram que sair de casa hoje em Barão de Cocais


postado em 08/02/2019 08:11 / atualizado em 08/02/2019 20:54

(foto: Edésio Ferreira/EM/DA Press)
(foto: Edésio Ferreira/EM/DA Press)


A sexta-feira também começou com alerta de risco por conta de uma barragem da ArcelorMittal em Itatiaiuçu, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Moradores da comunidade de Pinheiros precisaram deixar suas casas ainda na madrugada.

O tenente-coronel Flávio Godinho, da Defesa Civil de Minas Gerais, informou que eles foram chamados para a cidade, onde fica a mina de Serra Azul, ainda no início da madrugada. “Estou aqui desde 3h da manhã, mina de Serra Azul, onde por precaução, vale ressaltar, a barragem não rompeu, fizemos a evacuação das pessoas, em torno de 50 ou 60, que já foram retiradas e estão acomodadas em hotéis. Essa prevenção que a Defesa Civil fez aqui foi para o intuito de preservar vidas”, disse em entrevista à rádio Itatiaia. 

A Defesa Civil foi acionada pela própria mineradora. Policiais militares e bombeiros ajudaram em uma busca ativa nas residências para localizar mais pessoas. Moradores da região informaram, por meio das redes sociais, que as sirenes de Itatiaiuçu teriam tocado por volta das 4h. 

“Em Itatiaiuçu a barragem foi elevada ao nível 2 de risco, e nesse nível há necessidade de evacuação. Técnicos vão fazer todas as medidas, todos os laudos, e se voltar para nível 1, elas voltam para as residências. Se continuar no nível 2, elas permanecem nos hotéis”, disse o coronel Godinho. 

(foto: Reprodução/Google Earth)
(foto: Reprodução/Google Earth)


Siderúrgica justifica evacuação


A empresa tem 55 famílias cadastradas, cerca de 200 pessoas. Segundo o último balanço da Defesa Civil, 72 já haviam sido levadas para um hotel e outras preferiram ficar nas casa de parentes. 

A ArcelorMittal diz que foram realizadas uma inspeção e uma auditoria das barragens em decorrência dos últimos casos envolvendo o setor de mineração do país. “Empregando uma metodologia mais conservadora, a auditoria independente responsável pela declaração de estabilidade revisou o último relatório e adotou para a barragem um Fator de Segurança (Factor of Safety ou FoS) mais restritivo”, diz a empresa.

“A ação segue a atualização de uma avaliação feita no local,  contratada pela ArcelorMittal Mineração e realizada por auditoria independente. A avaliação incluiu testes de stress feitos na barragem de Serra Azul, a partir de dados e aprendizado decorrentes dos eventos da barragem do Feijão, em Brumadinho. Baseado na variação do fator de segurança, a decisão tomada foi de evacuar todos os residentes enquanto testes adicionais estarão sendo tomados e qualquer medida de mitigação possa ser implementada. O trajeto histórico a ser seguido pelo fluxo, em caso de colapso, avaliado quando a barragem estava ativa, era de aproximadamente de quatro a cinco quilômetros”.

A produtora de aço ressalta que a medida é “puramente de precaução”, pois a comunidade fica a 5 quilômetros de distância da comunidade e ressalta que os moradores permanecerão acomodados em novos locais enquanto os testes adicionais estão em andamento e  “até que a segurança da barragem de rejeitos possa ser 100% garantida”. Clique aqui para ler o posicionamento na íntegra
 

Barão de Cocais 


Na cidade da Região Central de Minas, 500 famílias tiveram que deixar as comunidades de Socorro, Tabuleiro e Piteira e seguir para um ginásio após as sirenes de emergência de uma barragem da Vale dispararem por volta da 1h. 

Segundo a mineradora, responsável pela barragem que se rompeu em Brumadinho, na Grande BH, a decisão é preventivas e ocorreu após a consultoria Walm negar a Declaração de Condição de Estabilidade à estrutura.

“Como medida de segurança, a Vale está intensificando as inspeções da barragem Sul Superior. Também será implantado equipamento com capacidade de detectar movimentações milimétricas na estrutura. A Vale está trazendo consultores internacionais para fazer nova avaliação da situação no próximo domingo”, informou a empresa por meio de nota enviada nesta madrugada. 
(foto: Reprodução/Google Earth)
(foto: Reprodução/Google Earth)
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade