Publicidade

Estado de Minas

Polícia está à caça de pelo menos quatro criminosos que tentaram assaltar banco em Matozinhos

Criminosos fizeram reféns família e empregada de gerente do Banco do Brasil. As vítimas foram liberadas em BH e Ribeirão das Neves.


postado em 19/10/2018 15:37

Ramon Sandoli, da Delegacia Antisequestro da Polícia Civil, e Priscila Pereira Santos, delegada regional de Pedro Leopoldo que está respondendo pela Delegacia de Matozinhos.(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
Ramon Sandoli, da Delegacia Antisequestro da Polícia Civil, e Priscila Pereira Santos, delegada regional de Pedro Leopoldo que está respondendo pela Delegacia de Matozinhos. (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
A Polícia Civil busca pistas de pelo menos quatro criminosos que mantiveram empregada e parentes de funcionário do Banco do Brasil reféns enquanto planejavam pegar dinheiro da agência bancária em Matozinhos, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. A modalidade é conhecida como "crime do sapatinho".

A mulher e dois filhos, de 6 e 12 anos, do gerente do Banco do Brasil, sequestrados junto com o bancário foram libertados na Praça São Vicente, no Bairro Padre Eustáquio, Noroeste de Belo Horizonte, no início da tarde desta sexta-feira. Momentos antes, os bandidos deixaram a empregada doméstica da família em Ribeirão das Neves, também na Grande BH.

Segundo os delegados Ramon Sandoli e Priscila Pereira Santos, o gerente do BB foi abordado na noite de quinta-feira quando se dirigia para seu carro, logo após o serviço. “Ele viu o pneu do carro furado e quando se abaixou foi abordado por dois criminosos”, diz Sandoli. Do local próximo à agência do BB, os bandidos foram com o gerente para a casa dele, onde também foram feitos reféns a mulher e dois filhos. Por volta das 23h, o trio foi colocado no porta-malas de um carro pequeno e levado para um cativeiro, onde passaram a noite com outros dois bandidos.

Na manhã de hoje, uma funcionária da família também foi rendida quando chegava para trabalhar e acabou levada para outro cativeiro. Os criminosos condicionaram a liberação de familiares e funcionária do gerente depois que ele entregasse o dinheiro do cofre da agência, ação marcada para às 11h.

Ramon Sandoli disse que as polícias Civil e Militar foram acionadas com informações de alguma situação estranha e cercaram a agência antes que a retirada do dinheiro se consumasse, frustrando os planos dos ladrões. Com a derrocada do plano, primeiro foi liberada a funcionária da família, em Ribeirão das Neves. Depois, mãe e dois filhos, na Praça São Vicente, em BH.

O próximo passo da investigação é identificar criminosos e cativeiros. A polícia acredita que são bandidos profissionais nesse tipo de crime.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade