Publicidade

Estado de Minas

Turistas cariocas desaparecem em serra no Sul de Minas

Eles faziam uma trilha no Pico dos Três Estados, na Serra Fina, em São Lourenço, quando desapareceram no último sábado. Militares retomaram as ações na manhã desta segunda-feira


postado em 17/09/2018 13:55 / atualizado em 17/09/2018 15:59

Buscas se concentram na Serra Fina, no Sul de Minas(foto: Ramon Lisboa/EM/D.A.Press)
Buscas se concentram na Serra Fina, no Sul de Minas (foto: Ramon Lisboa/EM/D.A.Press)

O Corpo de Bombeiros segue as buscas por dois turistas cariocas, ambos de 19 anos, que desapareceram na Serra Fina, em São Lourenço, na Região Sul de Minas Gerais. Eles faziam uma trilha no Pico dos Três Estados quando desapareceram no último sábado. Militares retomaram as ações na manhã desta segunda-feira. Familiares acompanham a equipe.

De acordo com militares do pelotão de São Lourenço, os dois turistas faziam a trilha na Serra Fina e estavam programados para retornar nesse domingo. Porém, segundo informações dos bombeiros, resolveram descer no sábado devido ao tempo fechado. Mas, não apareceram. A denúncia do desaparecimento foi feita por um motorista de transporte, que combinou de transportar os turistas.

Desde o início da manhã desta segunda-feira, quatro militares, inclusive o comandante do pelotão de São Lourenço, estão na Serra Fina fazendo as buscas. Como o local é de difícil comunicação, ainda não há informações atualizadas sobre os trabalhos.

Segundo o Corpo de Bombeiros, os familiares dos turistas estão cientes do desaparecimento.

Armadilhas na Serra


As ocorrências de desaparecimento na Serra Fina não são incomuns. Em julho deste ano,  o Corpo de Bombeiros de Minas Gerais e a Polícia Militar de São Paulo resgataram o paulista de Campinas Luís Cássio Bezerra de Santana, de 27 anos, que ficou perdido por oito dias depois de ter entrado na Serra Fina, com o objetivo de chegar até a Pedra da Mina, quarto mais alto pico do Brasil, com 2.798 metros.

Até o desfecho dos trabalhos foram três dias de buscas, que envolveram meia centena de militares, guias experientes, nove viaturas e duas aeronaves de corporações dos dois estados. Ao escutar a passagem do helicóptero Águia, da PM paulista, o jovem fez acenos e foi localizados. Porém, devido às dificuldades de pouso, uma equipe de solo fez o trabalho de resgate.

No final de julho, o Estado de Minas mostrou, durante a série Montanhas de História, que a travessia é considerada a mais dura do Brasil.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade