Publicidade

Estado de Minas

Celebrações reúnem dois mil devotos em meio à neblina na Serra da Piedade, em Caeté

Dia da padroeira de Minas Gerais, Nossa Senhora da Piedade, e cerimônia de abertura do processo de beatificação de Monsenhor Domingos atrai fiéis de todo o estado


postado em 16/09/2018 06:00 / atualizado em 16/09/2018 09:29

(foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press)
(foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press)

As comemorações pelo dia da padroeira de Minas Gerais, Nossa Senhora da Piedade, começaram bem cedo, quando mais de 2 mil pessoas, a maioria do Apostolado da Oração, chegaram ao topo da Serra da Piedade, em Caeté, Região Metropolitana de Belo Horizonte. Durante todo o dia era praticamente impossível enxergar um palmo adiante do nariz, devido à nebulosidade, principalmente na frente da antiga ermida do século 18, hoje basílica, que guarda a imagem da padroeira esculpida por Antonio Francisco Lisboa, o Aleijdinho (1738-1814).


Já para a cerimônia de abertura do processo de beatificação do mineiro natural de Caeté, vieram ônibus de Belo Horizonte, Lavras e Santos Dumont, Congonhas e Divinópolis, dos estados do Tocantins e Rio de Janeiro e de Brasília (DF). Moradora de Divinópolis, na Região Centro-Oeste de Minas, e usando camisa com o rosto estampado de Monsenhor Domingos, Lourdes Eduviges Guimarães disse que põe muita devoção na candidatura a beato, e depois a santo, do Evangelista da Piedade. “Tenho fé nele desde pequena, aprendi com minha mãe”, contou. Na caravana de Brasília, a professora Gláucia Andréa Penha Carvalho, do Instituto São José, se mostrou satisfeita ao participar da festa na Serra da Piedade. “Estou encantada com este lugar. É importante destacar que a congregação faz um belo trabalho e mantém vivos os sonhos do monsenhor”, disse.


(foto: Beto Novaes/EM/D.A Press - 23/3/18)
(foto: Beto Novaes/EM/D.A Press - 23/3/18)

Santidade e simplicidade


Natural de Caeté, na Grande BH, monsenhor Domingos Evangelista Pinheiro passou a vida servindo a Deus e ajudando as pessoas. De acordo com a Congregação das Irmãs Auxiliares de Nossa Senhora da Piedade, por ele fundada, “sua existência foi admirável e sua pureza de costumes, os benefícios de suas obras apostólicas e a confiança na providência divina diante dos sofrimentos, características predominantes”. “Como reconhecimento a tanta benemerência, a Santa Sé lhe concedeu o título de monsenhor.” Em 1905, o papa Pio X destacou a integridade, a tenacidade e o zelo religioso para com o ministério, a atividade missionária, o labor e o cuidado em favor dos pobres, órfãos e enfermos. “É lembrado também por saber juntar a santidade das obras à simplicidade da vida. Era um protótipo de pureza e caridade pela luz e calor de sua alma. Trabalhou sem trégua e sem férias durante mais de meio século de sacerdócio.” O religioso cresceu frequentando o Santuário de Nossa Senhora da Piedade, entrou para o seminário de Mariana e foi ordenado padre em 1869.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade