Publicidade

Estado de Minas

Polícia vai investigar estudantes que se fantasiaram de Bruno e Macarrão em festa

Delegado pediu ao Instituto Federal Sul de Minas, onde os dois estudam, informações para identificá-los e permitir a abertura de inquérito sobre o caso


postado em 04/09/2018 13:46 / atualizado em 04/09/2018 14:15

Polícia quer saber quem são os dois estudantes para abrir investigação por apologia ao crime(foto: Reprodução da Internet/Instagram)
Polícia quer saber quem são os dois estudantes para abrir investigação por apologia ao crime (foto: Reprodução da Internet/Instagram)
A Polícia Civil vai instaurar inquérito para apurar a conduta de dois estudantes do Instituto Federal Sul de Minas – Campus Inconfidentes, cidade do Sul do estado, que participaram de uma festa fantasiados de goleiro Bruno Fernandes das Dores de Souza e de Luiz Henrique Romão, o Macarrão, condenados pela morte da modelo Eliza Samudio. Na fantasia, que teve uma foto postada na internet, os dois ainda colocaram o nome de Eliza em um saco preto.

O delegado Waldir Pelarico, da delegacia de Ouro Fino, que também é responsável por Inconfidentes, informou que já requisitou ao IF Sul de Minas a identificação dos dois estudantes para qualificá-los e abrir um procedimento de investigação com base no artigo 287 do Código Penal. Esse artigo trata como crime o ato de fazer publicamente apologia de fato criminoso ou de autor de crime, punido com detenção de três a seis meses ou multa.
Imagem foi postada no Instagram e gerou bastante revolta nas redes sociais(foto: Reprodução da Internet/Instagram)
Imagem foi postada no Instagram e gerou bastante revolta nas redes sociais (foto: Reprodução da Internet/Instagram)


Segundo o policial, apesar de o fato não ter sido registrado na polícia, a Lei 12.830/2013 permite ao delegado solicitar informações que possam ser necessárias para abertura de investigação, por isso os dados dos dois foram requisitados.

Entenda o caso


Os estudantes participaram de uma festa em Inconfidentes, que aconteceu fora do instituto federal, e se fantasiaram de Bruno e Macarrão, reproduzindo imagens de presos condenados, e ainda portavam um saco preto, onde escreveram o nome de Eliza Samudio. O estudante que carregava o nome de Bruno ainda vestia uma luva, com a qual segurava o saco preto.

A postagem aconteceu no Stories da rede social Instagram, funcionalidade que recebe vídeos curtos e fotos que ficam disponíveis em um período de 24 horas. Além da composição que faz alusão ao crime praticado contra a modelo Eliza Samudio, a foto ainda trazia a legenda "Fantasia Raiz", o que serviu imediatamente para gerar uma enorme repercussão nas redes sociais. A foto foi printada e espalhada em perfis no Facebook condenando a atitude dos dois, considerada uma apologia ao feminicídio pela maioria das pessoas que comentaram o caso. Apesar de a maioria esmagadora dos comentários condenar o ato, há exemplos de comentários que tripudiaram da situação.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade