Publicidade

Estado de Minas

Seis das 10 BRs que mais mataram em 10 anos no Brasil passam por Minas

Alto fluxo nas rodovias durante as férias escolares impõe atenção redobrada a quem viaja pelo estado que possui a maior malha rodoviária do país


postado em 14/07/2018 06:00 / atualizado em 14/07/2018 08:34

Trecho da rodovia BR-381, entre os Kms 524 e 534, o quarto mais perigoso entre as estradas federais, segundo pesquisa da CNT(foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A PRESS)
Trecho da rodovia BR-381, entre os Kms 524 e 534, o quarto mais perigoso entre as estradas federais, segundo pesquisa da CNT (foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A PRESS)

O primeiro fim de semana de férias escolares do meio do ano vai levar às estradas mineiras milhares de motoristas, de acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF). Mas na mesma proporção em que cresce a circulação no período reservado por boa parte da população para as folgas em família, deve aumentar também a atenção dos condutores, especialmente em Minas Gerais. A maioria das 10 rodovias que mais registraram mortes no Brasil entre 2007 e 2017 corta o estado, situação que se repete entre as 10 BRs em que mais ocorreram acidentes com vítimas em uma década no Brasil (veja quadro). Os números de rodovias como a 116, segunda no ranking nacional e campeã de mortes entre as estradas que cortam Minas, 381, 040 e 262 levam em consideração centenas de quilômetros em território mineiro, o que contribui para colocar o estado como líder em números absolutos de mortes e acidentes no país em 10 anos. Foram 12.367 óbitos, média de três vidas perdidas todos os dias de 1º de janeiro de 2007 a 31 de dezembro do ano passado.


Na lista das rodovias com mais mortes e acidentes dos últimos 10 anos no Brasil, com base na pesquisa “Acidentes rodoviários e a infraestrutura”, da Confederação Nacional dos Transportes (CNT), o primeiro posto é ocupado pela BR-101, estrada que corta o país pelo litoral e não tem nem um quilômetro em Minas Gerais. A primeira que passa em território mineiro ocupa o segundo posto no ranking nacional de mortes e acidentes. É a BR-116, que tem 817 quilômetros em Minas e liga os estados do Rio de Janeiro e Bahia.


Em terceiro lugar está a BR-153, temida rodovia que corta o Triângulo Mineiro e se divide em duas realidades. De um lado, um trecho de pista simples ligando o trevo com a BR-365 à divisa com São Paulo. O segundo, do mesmo trevo até a divisa com Goiás, em pista dupla. Logo abaixo estão as BRs 381 (4º lugar) e 040 (5ª posição), que somam mais de 3 mil mortes cada em 10 anos em todo o Brasil e também cortam grandes distâncias dentro de Minas. Só na 381 são 787 quilômetros dentro do estado. Na 040, esse número chega a 811 quilômetros. Entre as 10 mais em termos de mortes e acidentes ainda aparecem a 262, importante via de ligação com o Triângulo Mineiro e com o Espírito Santo, e a BR-364, com percurso menor no Triângulo Mineiro.



A atenção dos motoristas nas férias de julho tem que ser redobrada naquelas viagens que tiverem como percurso pelo menos 30 quilômetros enquadrados pela CNT como trechos extremamente perigosos no estado, distribuídos nas BRs 381 e 040. São três segmentos de 10 quilômetros que aparecem na lista dos 10 trechos mais perigosos de todo o Brasil. Um desses pontos, de pista dupla, que ocupa o quarto lugar na lista do perigo nacional, está na BR-381, em Itatiaiuçu, na região sinuosa da Serra de Igarapé, Região Metropolitana de Belo Horizonte. Outro ponto que também é de pista dupla e está na Grande BH ocupa o nono posto no ranking nacional. Ele fica numa região extremamente adensada da BR-040, em Contagem. Por fim, o terceiro trecho, esse de pista simples, está na mesma BR-040, porém em Alfredo Vasconcelos, na Região Central do estado.


O funcionário público aposentado Jorge Neves, de 63 anos, passou na quinta-feira pelo trecho de Itatiaiuçu da BR-381. Ele e a mulher, a artesã Telma Maria Campos, de 56, resolveram antecipar a viagem para levar a pequena Isabela Campos, neta do casal, de BH, para passar as férias de julho em Bom Sucesso, no Sul de Minas. “Resolvemos fugir do maior fluxo de trânsito do início das férias e saímos antes, mas, mesmo assim, a Fernão Dias é complicada. Apesar de ser uma estrada duplicada, tem muitas curvas e exige muita atenção. Principalmente nesse trecho de serra, tem que reduzir a velocidade”, diz Jorge. “Fico sempre atenta nesta estrada. Desta forma, posso ajudar caso veja alguma coisa que ele não tenha visto”, acrescenta Telma.

Jorge Neves, Telma e a neta Isabela Campos em parada depois de pista perigosa em Itatiaiuçu: tensão a caminho das férias (foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A PRESS)
Jorge Neves, Telma e a neta Isabela Campos em parada depois de pista perigosa em Itatiaiuçu: tensão a caminho das férias (foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A PRESS)

No percurso de 10 quilômetros, considerado o quarto mais perigoso do Brasil na BR-381, foram 14 mortes apenas no ano passado. A sinalização da Autopista Fernão Dias, concessionária responsável pela rodovia, alerta a todo momento para a necessidade de reduzir a velocidade e também para as curvas fechadas. Mas mesmo assim os avisos não são suficientes para evitar que carros pequenos e caminhões passem em alta velocidade.


Outro ponto que também traz risco para os condutores é o trecho entre os Kms 516 e 526 da BR-040 em Contagem, na Grande BH. O fluxo intenso de carros, motos, ônibus e caminhões e a quantidade de residências e estabelecimentos comerciais próximos à estrada revelam um perigo bastante frequente. Pedestres atravessam em meio ao trânsito carregado e ficam muito expostos ao risco de atropelamentos. Nesse ponto, foram 10 mortes em 2017, o que enquadra o trecho em nono lugar entre os 10 mais perigosos do Brasil no ano passado.

Um dos fatores que aumenta perigo no trecho de 10 quilômetros entre o Km 516 e o Km 526 da BR-040, em Contagem, é a presença de pedestres que atravessam a rodovia entre veículos em alta velocidade (foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A PRESS)
Um dos fatores que aumenta perigo no trecho de 10 quilômetros entre o Km 516 e o Km 526 da BR-040, em Contagem, é a presença de pedestres que atravessam a rodovia entre veículos em alta velocidade (foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A PRESS)

O inspetor Aristides Júnior, chefe do Núcleo de Comunicação da Polícia Rodoviária Federal (PRF) em Minas, diz que o fato de o estado ser líder de mortes nas rodovias federais nos últimos 10 anos é explicado por Minas concentrar a maior malha rodoviária federal do país, ser um território de transição (passagem para motoristas de outros estados) e também por ter um relevo extremamente acidentado. “Se o motorista der sua parcela de contribuição adotando uma direção mais preventiva e mais defensiva, com certeza a tendência é que o número de acidentes diminua”, afirma o inspetor.


Júnior destaca ainda que o reforço no policiamento na segunda quinzena de julho será pontual em algumas delegacias do estado que concentram a maior parte do movimento. Segundo ele, nos períodos de férias e feriados prolongados, há um aumento de veículos transitando pelas rodovias que acaba aumentando também a possibilidade de ocorrerem acidentes. “Nesses momentos de pico, a atenção, a prudência e o trabalho de prevenção por parte dos motoristas é fundamental. Os condutores devem planejar bem a viagem, planejar bem as ultrapassagens, só realizá-las em locais permitidos e com segurança, respeitar os limites de velocidade e viajar preferencialmente durante o dia”, afirma o inspetor.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade