Publicidade

Estado de Minas

Ação de flanelinhas deve continuar em BH mesmo com rotativo digital

Sistema via celular estreia, multas voltam a ser aplicadas, mas tíquetes de papel não têm data para acabar. Com isso, fica adiada a promessa de pôr fim à ação de 'guardadores'


postado em 27/06/2018 06:00 / atualizado em 27/06/2018 07:18

Novos aplicativos vão permitir a compra e ativação de créditos via smartphones, com regras e preços idênticos aos dos antigos talões (foto: Gladyston Rodrigues/EM/DA Press)
Novos aplicativos vão permitir a compra e ativação de créditos via smartphones, com regras e preços idênticos aos dos antigos talões (foto: Gladyston Rodrigues/EM/DA Press)


O sistema de Estacionamento Rotativo Digital, que aos poucos vai substituir os antigos talões  usados nas vagas de rua de Belo Horizonte há 50 anos, já está em funcionamento. A prefeitura, por meio da BHTrans e da  Prodabel, lançou ontem a inovação, que funciona via aplicativos de celular, anunciando que quem infringir as regras do serviço está novamente sujeito a multas – que estavam suspensas. Por um lado, o sistema digital promete mais segurança e comodidade aos usuários, com cerca de 30 empresas oferecendo a venda de créditos via smartphone, o que fomenta a concorrência, com expectativa de garantir promoções aos usuários. Por outro lado, o Rotativo de papel continua valendo por tempo indeterminado, o que no mínimo adia a perspectiva de coibir a ação de flanelinhas e a prática de reúso das vagas.

“O Rotativo Digital facilita a vida do cidadão de BH. A partir dele, o usuário pode fazer as compras dos créditos em casa e, quando precisar estacionar, basta acioná-los na hora, sem necessitar buscar um ponto de venda,  que pode estar afastado do ponto de estacionamento”, disse o presidente da BHTrans, Célio Bouzada. Os aplicativos credenciados já estão disponíveis nas lojas virtuais para Android e iOS. Já são mais de 20 empresas credenciadas para fornecer o serviço. Ao baixar o aplicativo, o usuário precisará cadastrar a placa do carro – até duas diferentes –, escolher quantos créditos quer comprar e a forma de pagamento (cartão ou boleto). Depois, basta ativar o crédito ao parar e ficar atento ao tempo de permanência indicado em cada placa de regulamentação.

Para aqueles que estão sem celular ou não podem usá-lo, será mantida a opção de comprar o tíquete de papel, que desde o mês passado não era encontrado em postos físicos de venda. Isso porque o contrato com a empresa responsável pela distribuição não foi renovado. Porém, a BHTrans garante que 100% dos pontos de venda já estão reabastecidos. Também será possível a compra, nos postos de venda, do crédito virtual para estacionamento, em sistema similar à aquisição de crédito para o celular.

O preço do Rotativo Digital será o mesmo: R$ 4,40. Cada crédito adquirido gera um bônus eletrônico de gratuidade para estacionar por até 30 minutos. Segundo a regulamentação, o uso do crédito eletrônico e do bônus poderá ocorrer na mesma data ou em datas distintas. Porém, está proibida “a utilização da vaga pelo mesmo veículo de forma consecutiva, pelo uso sequencial do crédito eletrônico e do bônus, ou vice-versa, sem retirar o veículo da vaga”. 

FISCALIZAÇÃO
Para fiscalizar os veículos estacionados, 90 agentes de trânsito usarão aplicativo próprio. “O problema em relação aos papéis foi resolvido e a Guarda Municipal continua fiscalizando normalmente. Agora, com o aplicativo, vai melhorar nossa gestão sobre o não uso dos rotativos. Conseguiremos fiscalizar 867 quarteirões de forma dinâmica e com mais intensidade”, disse o secretário municipal de Segurança e Prevenção, Genilson Ribeiro Zeferino.

Enquanto o tíquete de papel continuar circulando, a situação em relação aos flanelinhas que comercializam as folhas e agem preenchendo-as apenas quando chegam os fiscais não mudará. Mas a prefeitura garante que quando o sistema operar apenas por meio do aplicativo eles perderão espaço. “A cidade de BH tem reclamado muito dos flanelinhas, porque achacam e constrangem as pessoas. A partir desse momento queremos também dar essa segurança aos usuários do Rotativo. É um pedido da Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL). É uma colaboração adicional que o sistema de mobilidade trará para a cidade”, disse Célio Bouzada.

O novo serviço ainda divide opiniões, justamente por ainda não ter sido plenamente divulgado. A advogada Fátima Leite, de 64 anos, foi pega de surpresa com a novidade. Ela disse que costuma estacionar o carro com frequência em vagas públicas, e acaba sendo dependente do Rotativo. “Para mim, qualquer ideia que seja para beneficiar o usuário é boa. Mas temos que esperar e ver como isso vai funcionar na prática”, contou. Ela disse não ter muita familiaridade com smartphones e, por isso, ainda não baixou nenhum dos aplicativos para testar. Já o lavador de carros Gracindo dos Santos, de 50, não aprovou. Para ele, o Rotativo Digital só trará prejuízos, tanto para flanelinhas quanto para motoristas. “Às vezes as pessoas precisa parar por pouco tempo, coisa de cinco, 10 minutos no máximo. Agora vai ter que comprar um crédito de R$ 4,40”, comentou.

 

O APLICATIVO PASSO A PASSO

 1) Baixe um dos apps nas lojas virtuais e faça o seu cadastro. Opções de aplicativo: Meu Rotativo, Faz Digital BH e Rotativo Digital BH. Em seguida, compre créditos e pague com cartão de crédito, débito ou boleto
2) Ao estacionar em uma vaga do sistema, faça o login no aplicativo e ative o crédito
3) É possível comprar o crédito ou o tíquete de papel em um dos postos de venda
4) Com o crédito ativado, os fiscais conferem se o veículo está registrado no sistema, de acordo com o horário permitido em cada local

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade