Publicidade

Estado de Minas

Polícia Federal faz operação contra facção criminosa em Uberaba

Com o apoio da PM e da Polícia Civil, corporação cumpre 17 mandados judiciais. Entre os alvos estão pessoas que participaram dos ataques que começaram no domingo em Minas


postado em 08/06/2018 09:30 / atualizado em 08/06/2018 09:35

Investigações começaram por conta dos ataques a ônibus e bancos em Uberaba(foto: Jairo Chagas/Jornal da Manhã)
Investigações começaram por conta dos ataques a ônibus e bancos em Uberaba (foto: Jairo Chagas/Jornal da Manhã)

A Polícia Federal (PF), com o apoio das polícias Civil e Militar de Minas, desencadeou uma operação com o objetivo de prender membros da facção criminosa, com atuação em todo o país, apontada como responsável pelos ataques a veículos e imóveis no estado. A corporação vai dar mais detalhes das ações em entrevista coletiva no fim da manhã em Uberaba, no Triângulo Mineiro.

Ao todo, os policiais cumprem 17 mandados judiciais, sendo oito de prisão preventiva e nove de busca e apreensão durante a chamada Operação Weber. Segundo a PF, as investigações dos ataques contra ônibus e instituições bancárias em Uberaba apontam que a ordem partiu da organização criminosa e que as pessoas presas hoje são integrantes da facção que participaram ativamente dos taques na cidade. 

Os presos serão indiciados pelos crimes de integrar organização criminosa, dano qualificado e incêndio. As penas somadas podem chegar a 13 anos de prisão. 

“O nome da operação é uma alusão ao sociólogo Max Weber, que em um ensaio sobre a definição de Estado atribuiu-lhe o monopólio do exercício da força, ou seja, o Estado tem o direito de recorrer à força sempre que isso for necessário”, explicou a Polícia Federal. 

Desde o último domingo, 37 cidades registraram ataques violentos em Minas Gerais. Ônibus, carros, bancos, imóveis particulares foram incendiados ou foram alvos de tentativas nos últimos seis dias. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade