Publicidade

Estado de Minas

Preços de combustíveis dão sinais de estabilidade e PM aposta em regularização

Com fim da greve dos caminhoneiros, tempo gasto para abastecer na Grande BH diminuiu, mas filas seguiam longas em postos que tinham combustível


postado em 01/06/2018 06:00 / atualizado em 01/06/2018 07:19

Como o taxista Natanael Pereira, muitos condutores tentavam encher o tanque para voltar a faturar e recuperar o tempo perdido (foto: Edésio Ferreira/EM/DA Press)
Como o taxista Natanael Pereira, muitos condutores tentavam encher o tanque para voltar a faturar e recuperar o tempo perdido (foto: Edésio Ferreira/EM/DA Press)

“Fiquei oito dias parado e, desde a terça-feira, quando os combustíveis começaram a reaparecer nos postos, consegui abastecer três vezes para trabalhar. Agora, que as filas estão demorando menos, algo em torno de meia hora, já estou começando a correr atrás do prejuízo, senão o jacaré abraça a gente.” As palavras do taxista Natanael Pereira Santos, de 71 anos, que chegou a esperar quatro horas e meia em uma fila para garantir seu sustento transportando passageiros em Belo Horizonte, ilustram a situação de muitos profissionais e empresários que tiveram suas atividades paralisadas com o movimento dos caminhoneiros. Agora, além de esperar em filas para abastecer, todos aguardam ansiosamente que a situação volte à normalidade.

Foram 10 dias em que artigos como combustível, gás e outros ficaram retidos em bloqueios ou deixaram de ser transportados para abastecer municípios, em nome de melhorias nas condições dos transportadores de carga – sobretudo a redução no preço do óleo diesel. Ontem, profissionais liberais e empresários que amargaram prejuízos tentaram começar a recuperar o tempo perdido. O reflexo mais imediato disso é sentido nos postos de abastecimento, onde as filas se alongaram por muitos quarteirões na maioria dos estabelecimentos que dispunham de etanol, gasolina e diesel na Grande BH. A espera, porém, ontem mesmo já era menor que em dias anteriores.

A equipe do Estado de Minas rodou por 148 quilômetros na Região Metropolitana de BH, entre a capital, Contagem, Betim, Igarapé e Juatuba, passando por 40 postos, dos quais 12 estavam fechados por estarem com as bombas secas. Seis tinham apenas diesel e estavam vazios, enquanto os que dispunham de gasolina e etanol contavam com longas filas em seus acessos e pátios. Entre as pessoas que abasteciam, havia também caminhões de autônomos e de empresas transportadoras, como o veículo de carga guiado por Marcel Vitor Castro, de 27. “Ficamos parados dentro da empresa, sem poder sair, porque poderíamos ser bloqueados e não teríamos onde abastecer. Acho que o movimento valeu, porque o Brasil explora a gente há muito tempo. Alguém tinha de fazer alguma coisa”, disse.

Dentro do mesmo caminhão estava o supervisor de logística Darlan Max Lopes, de 29, que tinha a missão de colocar a frota na estrada novamente, para entregar produtos aos clientes que ficaram sem receber suas mercadorias. “Tem gente do interior inteiro esperando pelas cargas que não pudemos transportar. Nossa saída foi circular e atender apenas na Grande BH, com caminhões pequenos, para não ser barrados pelos manifestantes. Agora temos de correr para abastecer cidades como Montes Claros, Curvelo, Sete Lagoas, Governador Valadares, Ipatinga, Coronel Fabriciano e muitas outras”, disse.



Na Grande BH, ao longo da Via Expressa, onde há uma grande quantidade de postos entre a capital, Contagem e Betim, a situação de estabelecimentos e consumidores era diferente. Os preços parecem estar sendo controlados entre os pontos de venda, com a gasolina girando em torno de R$ 4,79 e R$ 4,89 – ainda assim acima do que era praticado antes da paralisação: entre R$ 4,39 e R$ 4,29 nas mesmas bombas. Em Belo Horizonte, no mesmo corredor de tráfego, mas entre os bairros Carlos Prates e Barro Preto, dois postos tinham filas de veículos esperando para encher os tanques, tão compridas que invadiam ruas das áreas residenciais.

No vizinho Padre Eustáquio, um dos postos que mais tinham aumentado os preços amanheceu sem combustível e sem aglomeração de consumidores. Outros três, à frente, conseguiram os produtos. Dois deles registravam filas na Via Expressa e outro apenas nas ruas do bairro. Na altura de Contagem, as filas se concentraram nos estabelecimentos que ficam nas proximidades dos bairros Água Branca, Parque São João e Eldorado.

Nos pontos de venda em que bombas estavam abastecidas, aglomeração de motoristas continuou, mas relatos davam conta de menos espera para comprar produtos (foto: Edésio Ferreira/EM/DA Press)
Nos pontos de venda em que bombas estavam abastecidas, aglomeração de motoristas continuou, mas relatos davam conta de menos espera para comprar produtos (foto: Edésio Ferreira/EM/DA Press)


Embora a informação oficial seja de que caminhões-tanque já circulam pela Grande BH sem escolta policial, postos nas avenidas Nossa Senhora do Carmo e Afonso Pena, Região Centro-Sul da capital, também amanheceram com filas longas. Ontem, o major Flávio Santiago, chefe da Sala de Imprensa da Polícia Militar de Minas Gerais, disse que o abastecimento está garantido hoje e no fim de semana. “A informação que temos do gabinete de crise (montado pelo governo do estado) é de que o abastecimento continua, mesmo no feriado, e, inclusive, no fim de semana que se segue, em esforço para regularizar a situação”, disse o militar.

“A Polícia Militar continua fazendo algumas escoltas. A tendência agora é de desmobilização desse processo. Continuará também fazendo a segurança nos postos de combustível, exatamente para fazer com que haja a garantia da ordem e da tranquilidade, assim como vem fazendo desde quando tivemos o ápice desse processo”, concluiu. Ontem o Sindicato do Comércio Varejista de Derivados do Petróleo do Estado de Minas Gerais (Minaspetro) desmentiu informações contidas em áudios que circulam em grupos de trocas de mensagem por celular, segundo os quais os estoques nos postos tendem a cair novamente, devido à suposta retenção de caminhões de álcool em rodovias de São Paulo. (Com Gabriel Ronan e Luiz Ribeiro)

Morte, armas e prisões em Minas


De acordo com o gabinete de crise montado pelo governo de Minas, houve uma morte e outras ocorrências de destaque durante o movimento dos caminhoneiros no estado. Na primeira, dia 24, uma pessoa morreu atropelada durante os protestos, em Conceição do Mato Dentro, na Região Central. Dois dias depois, foram apreendidos 700 litros de combustível armazenado e comercializado ilegalmente em Paracatu, no Noroeste do estado, com duas prisões. Segunda-feira foi apreendida uma arma fogo com o condutor de uma caminhonete, que também foi detido. Na mesma data, um caminhoneiro foi preso por disparar contra manifestantes na BR-040, em Esmeraldas, na Grande BH. Na quarta-feira, houve três denúncias de prática de preços abusivos na venda de combustíveis.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade