Publicidade

Estado de Minas

Kalil estende ponto facultativo na Prefeitura de BH até sexta-feira

Escolas municipais ficam fechadas. Na saúde, só urgência e emergência funcionam normalmente.Transporte municipal e coleta de lixo voltam à normalidade nesta terça-feira (29)


postado em 28/05/2018 11:37 / atualizado em 28/05/2018 14:42

Kalil durante coletiva nesta segunda-feira (28)(foto: Juliana Cipriani/EM/D.A Press)
Kalil durante coletiva nesta segunda-feira (28) (foto: Juliana Cipriani/EM/D.A Press)

A Prefeitura de Belo Horizonte decretou ponto facultativo para todos os órgãos públicos municipais até a próxima sexta-feira (2). A medida foi anunciada pelo prefeito Alexandre Kalil (PHS) na manhã desta segunda-feira em decorrência da crise de desabastecimento causada pela greve dos caminhoneiros no país. A PBH chegou a cogitar decretar estado de calamidade mas julgou não ser necessário.

De acordo com Kalil, os ônibus voltam a circular normalmente nesta terça-feira (29). Houve garantia do próprio Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros (Setra-BH). 

 

A coleta de lixo, que sofreu restrições no fim de semana, também será normalizada amanhã.

As escolas municipais continuam sem aulas.

Os centros de saúde funcionam com escalas de 50%, sendo que os atendimentos de urgência e emergência seguem normais. A saúde não será alterada no ponto facultativo. Temos medicamento, temos transporte público e os centros de saúde funcionando", disse o prefeito.

Ponto facultativo preventivo

 

O ponto facultativo já estava previsto para sexta-feira (2) em virtude do feriado de Corpus Christi na quinta-feira. Com isso, os funcionários terão a semana toda de folga.

 

Kalil disse que, como até o meio da manhã não havia sinais de que o protesto dos caminhoneiros terminaria, decidiu adotar um "ponto facultativo preventivo". "Vamos tentar amenizar essa situação. Graças a Deus estamos prevenidos e organizados para enfrentar esse tipo de situação, diferente de muitas cidades do Brasil", afirmou.
 

Segundo o prefeito, não há problema de abastecimento na PBH. Existe combustível para as ambulâncias. "Temos estoque para quase 15 dias."

Sem calamidade, por enquanto


Kalil disse que o ponto facultativo foi estendido para garantir a continuidade dos serviços essenciais. Com isso, continua havendo atendimento normal nos restaurantes populares e asilos.

A PBH chegou a falar em decretar estado de calamidade ou emergência, o que lhe daria aval para contratações emergenciais sem licitações, mas na reunião com o secretariado a medida foi considerada precipitada. A situação será avaliada novamente durante a semana pelo gabinete de crise composto pelo secretarariado. "Não estamos vendo motivo para essa coisa extrema e que, de uma forma ou de outra, atrapalha um pouco a lisura do sistema de compra", explicou Kalil.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade