Publicidade

Estado de Minas

Quadrilhas usam Confins como rota do tráfico e PF fecha o cerco e prende envolvidos

Traficantes tentam driblar policiais com transporte de skunk em voos com escalas em Confins. Vigilância no terminal consegue apreender droga e inviabiliza operações criminosas


postado em 16/05/2018 20:03 / atualizado em 16/05/2018 20:15

Passageiros foram flagrados com porções de 10 quilos de skunk durante as escalas (foto: Polícia Federal/Divulgação)
Passageiros foram flagrados com porções de 10 quilos de skunk durante as escalas (foto: Polícia Federal/Divulgação)
Policiais federais desarticularam uma quadrilha de tráfico interestadual de drogas, cuja rota passava pelo Aeroporto de Confins, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. O grupo recrutava jovens para transportar porções de 10 quilos de skunk, que é uma maconha com alto teor de THC. O entorpecente saiu de Manaus (AM) e seguia para João Pessoa (PB). Em fevereiro deste ano, um rapaz de 23 anos foi preso em flagrante no terminal aéreo com a mesma quantidade da droga, sendo levada para o mesmo destino. 

A  PF já identificou cinco brasileiros envolvidos com a organização criminosa, que estaria escolhendo voos com escala em Confins para despistar a polícia. Em 16 de março deste ano, a prisão em flagrante de um casal, quando tentava embarcar para o Rio de Janeiro com 20 quilos de skunk em sua bagagem, chamou a atenção dos agentes para a ação da quadrilha.

Durante o interrogatório dos presos, os dois confessaram ser integrante da organização criminosa especializada no tráfico de skunk por via aérea para diversos estados brasileiros. O casal informou ainda que no mesmo dia em que foi preso, uma outra mulher havia embarcado em outro voo para João Pessoa.

Os agentes da PF conseguiram localizar a suspeita em um hotel na região de Confins, já que ela havia perdido a conexão de seu voo. A mulher não estava com sua bagagem, que foi extraviada na troca de voos. Porém, contou aos policiais que havia sido paga para transportar a mala, negando saber qual o conteúdo transportado.

Ela acabou sendo liberada. Porém, no dia seguinte a bagagem foi localizada e entregue à Polícia Federal em Belo Horizonte pela empresa aérea. No interior da mala, foram encontrados 10 quilos de skunk. A suspeita não foi mais encontrada em Minas.

Durante as investigações, foi constatado que o casal preso em flagrante, além de transportar os 20 quilos da droga apreendida com a dupla, aliciou a mulher abordada em Confins, que não foi presa em flagrante por não ter sido encontrada com a mala contendo o entorpecente, para transportar o material e manter contato com os chefes da organização criminosa.

Outras duas pessoas foram identificadas, suspeitas de chefiar a quadrilha, que seriam os fornecedores das drogas apreendidas e também quem custeava as despesas com a viagens aéreas. A base da organização criminosa é em Manaus e, por meio de mandado de prisão preventiva, da Justiça de Rondônia, seus líderes estão atrás das grades. Eles foram indiciados por tráfico interestadual de drogas e a formação de quadrilha, cujas penas variam de 3 a 20 anos de reclusão.

Em fevereiro, em ação no Aeroporto de Confins, foi flagrado o jovem de 23 anos com 10 quilos de skunk. Natural de Manaus, ele embarcou em Porto Velho (RO) com a droga, e seguiria para João Pessoa, com escala em Confins, onde foi descoberto.

No mês passado, policiais federais divulgaram informações sobre a operação de quadrilha especializada em tráfico internacional de drogas, que tinha o Aeroporto de Confins como ponto para o desembarque de drogas sintéticas vindas da Europa. Dois integrantes do grupo foram presos: uma mulher, detida em 29 de março do ano passado, quando desembarcou com 17 quilos de comprimidos de ecstasy no terminal, após sair de Amsterdã, na Holanda. O outro, um brasileiro localizado com ajuda da Interpol em Portugal, que já se encontra preso na Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na Grande BH.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade