Publicidade

Estado de Minas

Fundação Renova lança fundo de R$ 55 milhões para atrair empresas para área de desastre em Mariana

Após rompimento da barragem do Fundão, o desemprego atingiu cerca de 23,5% da população. 89% dependiam da mineração da Samarco


postado em 27/04/2018 21:50 / atualizado em 27/04/2018 23:01

(foto: Jair Amaral/EM/DA Press - 5/11/2017)
(foto: Jair Amaral/EM/DA Press - 5/11/2017)
Desde o rompimento da barragem, o município de Mariana, a Região Central de Minas Gerais, viu o desemprego atingir cerca de 23,5% da população. Para tentar amenizar o problema, a Fundação Renova (criada para lidar com os danos provocados pelo desastre da Samarco) lançou um fundo de R$ 55 milhões para atrair empresas para a cidade e empregar moradores. 

Segundo Paulo Rocha, líder do programa de Economia e Inovação da fundação, trata-se de mais um capítulo no esforço para restaurar a economia local, abalada após o rompimento da barragem de Fundão. “Como a Samarco era responsável por 89% da arrecadação da renda do município, essas pessoas seguem desempregadas enquanto a operação da empresa estiver parada. O número de desempregados corresponde ao dobro da média nacional. Dos 66 mil habitantes da cidade, cerca de 15 mil dependiam da mineração”, pontuou.

O repasse financeiro da Fundação Renova terá como gestor do processo o Banco de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (BDMG). Já a Agência de Promoção de Investimento e Comércio Exterior (Indi) será responsável pela captação das empresas e articulação junto ao poder público para realização de investimentos complementares necessários à implantação do projeto.

O subsídio se dará por meio do pagamento de parte das taxas de juros cobradas pelos agentes financeiros ao longo da operação de crédito tais como geração de emprego, renda e arrecadação de impostos, investimentos em inovação e/ou sustentabilidade, dentre outros.

“São recursos destinados à equalização, ou seja, à redução da taxa de juros paga pelas empresas na tomada de crédito. Estima-se uma considerável alavancagem de recursos em créditos com os valores aportados ao fundo”, esclareceu Rocha.

O banco BDMG realizou um estudo que identifica as vocações existentes em Mariana para as áreas da universidade, além de atividades que priorizem a mão de obra local, relacionadas com tecnologia.

Segundo a empresa, o potencial de atração de investimentos pode alcançar R$ 400 milhões. “O Governo de Minas disponibilizará outros instrumentos complementares de apoio e incentivo às empresas e aos investidores que desejem ter suas atividades em Mariana”, completou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade