Publicidade

Estado de Minas

Morte de quatro bebês prematuros é investigada em Uberaba

Recém-nascidos morreram na UTI Neonatal na madrugada de terça-feira. Resultado de exames devem sair no prazo de 72 horas


postado em 21/03/2018 11:57 / atualizado em 21/03/2018 12:00

(foto: Edmundo Gomide/UFTM)
(foto: Edmundo Gomide/UFTM)

O Hospital das Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), em Uberaba, investiga o que causou a morte de quatro bebês prematuros internados na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal. Os óbitos foram registrados na madrugada de terça-feira, 20 de março. A Secretaria Municipal de Saúde acompanha o caso. 

No ano passado, a unidade registrou um surto da superbactéria Klebsiella Pneumoniae Carbapenemase (KPC), resistente a múltiplos antibióticos. Por meio de nota, o hospital informou que enquanto a suspeita da presença de qualquer bactéria estiver sob investigação, a UTI Neonatal não receberá novos pacientes. “Não há, até o momento, elementos que confirmem infecção por KPC. O episódio de colonizações por essa bactéria ocorrido no ano passado não atingiu a UTI Neonatal e não há, neste momento, registro de pacientes com infecção por KPC no complexo hospitalar”, explica a instituição. 

O Hospital das Clínicas da UFTM também diz que nenhum paciente será transferido e que todas as medidas ligadas à higiene, desinfecção e prevenção de contato estão sendo tomadas. 

Em nota divulgada no site da Prefeitura de Uberaba, a Secretaria de Saúde informou que a Vigilância Sanitária e a Vigilância Epidemiológica e Regulação acompanham e atuam junto ao hospital no caso. Ontem, uma equipe esteve no hospital e confirmou que o trabalho de desinfecção estava em andamento. Insumos, pessoal e escala foram avaliados. O hospital deve encaminhar um relatório do ocorrido nesta semana. 

Conforme a nota, o chefe do Departamento de Vigilância Sanitária, Marcos de Almeida Ribeiro, disse que foram recolhidos materiais dos pacientes para o exame que vai indicar a causa da morte. Os resultados devem sair em 72 horas. Ele ressaltou que ainda não é possível confirmar o motivo das mortes dos recém-nascidos e que, até o momento, não há correlação entre os óbitos. 

“O secretário de Saúde Iraci Neto, destaca que a Junta Reguladora, formada após um surto da bactéria no Hospital de Clínicas em setembro de 2017, continua ativa e foi acionada para uma reunião emergencial, onde serão discutidos as ações e procedimentos, bem como analisado os relatórios emitidos pela unidade hospitalar, em relação ao ocorrido atual”, diz a nota da pasta municipal. “Luiz Gustavo, chefe do setor de Regulação da SMS, explica que a Central de Regulação do Estado, já deixou os prestadores de serviço de outras regiões, alertados sobre a possibilidade de receberem recém-nascidos, caso não seja encontrados leitos vagos de UTI Neonatal na cidade”, finaliza. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade