Publicidade

Estado de Minas

Dez detentos fogem do presídio de segurança máxima Nelson Hungria em Contagem

Dois dos fugitivos foram recapturados. Esta já é a terceira fuga do complexo prisional de segurança máxima em menos de três meses


postado em 17/03/2018 08:59 / atualizado em 17/03/2018 14:23

Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na Grande Belo Horizonte(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na Grande Belo Horizonte (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)

A Secretaria de Estado de Administração Prisional (Seap) confirmou a fuga de 10 presos da Penitenciária Nelson Hungria, um complexo de segurança máxima, localizada em Contagem, na Grande BH. A fuga ocorreu por volta das 5h da manhã deste sábado. Dois foragidos foram recapturados de imediato. Esta já é a terceira fuga registrada no presídio em menos de três meses.

Por meio de nota, a Seap divulgou os nomes dos fugitivos que permanecem foragidos. São eles: Michael Cleber Pereira Dias, de 26 anos, Fábio Barroso da Silva, de 40, Emerson Cassimiro Gomes, de 29,  Elionae José dos Santos, de 30, Jhon Marcos Pereira; de 28, Maxsuel de Moura Avelino, de 26, Bruno Jefferson Vasconcelos, de 27, e Francielle Pereira dos Santos, de 34.

Uma troca de mensagem entre agentes penitenciários mostra que a fuga impressionou os funcionários no presídio. "Os cara andou (sic) a cadeia toda, se quisesse virar a cadeia tinha virado", disse.



A secretaria não esclareceu como os detentos conseguiram driblar o esquema de segurança e empreender a fuga. Informou apenas que a direção do presídio instaurou um procedimento interno para investigar as circunstâncias do ocorrido.  

Fugas recentes

No dia 27 de janeiro, oito presos fugiram do complexo prisional.A fuga ocorreu por volta de 10h da manhã. A forma como os detentos conseguiram escapar não foi divulgada.

No dia 19 de dezembro passado, três detentos também fugiram da Nelson Hungria. A fuga aconteceu por volta das 5h, quando agentes penitenciários faziam ronda na unidade e encontraram uma corda feita com lençóis, pendurada em um dos muros do presídio. Só então, as celas e os pavilhões foram vistoriados e foi notada a falta de três detentos.

Onze dias depois, no dia 30, nova fuga foi tentada. Dessa vez, no entanto, agentes penitenciários conseguiram impedir que três detentos, de acordo com a Seap/MG, deixassem a prisão.

Com informações de João Henrique do Vale 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade