Publicidade

Estado de Minas

Três detentos fazem corda com lençóis e fogem da Nelson Hungria

Fuga foi descoberta por volta de 5h desta terça-feira, quando agentes penitenciários encontraram o material pendurado em um muro da unidade


postado em 19/12/2017 09:41 / atualizado em 19/12/2017 10:16

Agentes das forças de segurança pública de Minas Gerais buscam três detentos que fugiram do Complexo Penitenciário Nelson Hungria em Contagem, na Grande BH, na madrugada desta terça-feira.

A Secretaria de Estado e Administração Prisional (SEAP) explicou que, por volta de 5h, agentes penitenciários estavam realizando uma ronda e encontraram uma corda feita com lençóis pendurada em um muro do presídio. 

As celas e os pavilhões foram vistoriados e foi notada a falta de três detentos. Fernando Raimundo de Souza, de 31, Felipe Moreira Quirino, de 26 e Thales Viana Rodrigues, de 32 anos. 

Um Registro de Evento de Defesa Social (REDS) foi registrado pela Polícia Militar e, de acordo com a Seap, a direção da Nelson Hungria instaurou uma investigação na unidade para apurar a fuga dos detentos. 

Histórico 

 

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais informou que Fernando Raimundo de Souza, fugitivo desta manhã, está citado em 16 processos como réu. O homem começou a cumprir penas socioeducativas ainda em 2003, quando era menor de idade. Em 2008 ele foi preso em flagrante por furtos e roubos, conseguiu fugir, mas foi localizado e preso novamente, em São Joaquim de Bicas, ainda em 2008.

 

No ano seguinte, Fernando começou a cumprir pena na Nelson Hungria, onde permaneceu até esta madrugada. Na ficha criminal do detento também está citado o envolvimento com o tráfico de drogas. 

 

Já Felipe Moreira Quirino é natural de Ipatinga e trabalhava como eletricista. Conforme o TJMG, o homem tem 10 processos como réu e os julgamentos foram realizados por carta precatória. Os crimes da condenação do detento, no entanto, não foram informados, assim como os dados referentes à condenação de Thales Viana. 

* Sob supervisão da subeditora Jociane Morais

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade