Publicidade

Estado de Minas

Justiça decreta prisão de irmãos por ataque a trabalhadores sem-terra

Os irmãos Leonardo Andrade e Bernardo Alexandre Andrade, e do amigo deles, Júlio César Cardozo Torquato, estão sendo procurados pela Polícia Civil. Eles são suspeitos de serem mandantes das agressões


postado em 12/03/2018 20:18 / atualizado em 12/03/2018 20:26

Conflito deixou seis pessoas feridas na última quinta-feira(foto: Reprodução/WhatsApp)
Conflito deixou seis pessoas feridas na última quinta-feira (foto: Reprodução/WhatsApp)

Foram decretadas as prisões temporárias dos irmãos Leonardo Andrade e Bernardo Alexandre Andrade, e do amigo deles, Júlio César Cardozo Torquato, suspeitos de serem mandantes da agressão aos trabalhadores sem-terra na Fazenda Norte América, no município de Capitão Enéas, no Norte de Minas. A ação, que aconteceu na quinta-feira passada, deixou seis pessoas feridas. Até a publicação desta reportagem, os três ainda não tinham sido localizados, sendo considerados foragidos pela Polícia Civil de Montes Claros. As prisões temporárias foram decretadas , no último fim de semana,  pela juíza plantonista Luciana Oliveira Torres, da Comarca de Coração de Jesus.

Já foram presas 13 pessoas por envolvimento no confronto, entre elas o advogado Robson Lima e a gerente da fazenda, Andreia Beatriz Silva.  Na propriedade,  um dos invasores foi detido com uma espingarda. Ele foi autuado por porte ilegal de arma. A prisão dele ocorreu na manhã de domingo, quando as Policias Civil e Militar desencadearam a “Operação Paz no Campo”, cumprindo 10 mandados de busca em Montes Claros, Capitão Enéas e Belo Horizonte.

Dos seis feridos no confronto na Fazenda Norte América, cinco já receberam alta. Na Santa Casa de Montes Claros segue internado Tiago Coimbra, líder do Movimento Frente Nacional de Luta Campo e Cidade (FNL) que comandou a ocupação da propriedade por cerca de 120 pessoas, em 18 de fevereiro. Tiago foi atingido por dois tiros. Ele passou por cirurgia e seu quadro é estável.

Em entrevista coletiva, nesta segunda-feira, o delegado Renato Nunes Henriques, chefe 11º departamento de Polícia Civil de Montes Claros, afirmou que a Frente Nacional de Luta Campo e Cidade faz parte de um grupo liderado por José Rainha, ex-líder do Movimento Nacional dos Trabalhadores Sem-Terra (MST). Conforme a Polícia Civil, em 18 de fevereiro,  a FNL invadiu a  Fazenda Norte América e agrediu a gerente Andréia Beatriz. Ela foi atingida por um tiro de raspão. Animais foram subtraídos da propriedade.

O delegado informou, ainda, que os proprietários da fazenda retiraram dali os animais, que foram levados para o Parque de Exposições de Montes Claros. Lá  passaram a ser alimentados em cocheiras. Foi instaurado inquérito para apurar a invasão, considerada ilegal. A investigação também apura o autor do disparo contra a gerente que teria sido o próprio líder da ocupação, Tiago Coimbra.

Os proprietários entraram com uma ação judicial visando a reintegração de posse. A audiência na Justiça está marcada para esta terça-feira. No entanto, conforme Renato Henriques, os proprietários não esperaram a decisão judicial e resolveram fazer a “reintegração de posse por conta própria”. No final da tarde de quinta-feira, um caminhão- baú entrou na propriedade e os ocupantes afirmaram que iriam buscar ração. Depois, homens saíram de dentro do veículo e passaram a agredir os sem-terra.

Segundo as investigações, os produtores (e irmãos) Leonardo e Bernardo Andrade contrataram “jagunços” para “aterrorizar” os sem-terra, pagando R$ 400 a cada um deles. Júlio Cezar Cardoso também teria contribuído na “negociação”. Leonardo Andrade, que é ex-secretário de Desenvolvimento Sustentável, Agricultura e Meio Ambiente de Montes Claros (gestão anterior),  é apontado pela Polícia Civil como o dono da Fazenda Norte América, embora o nome dele não aparecem documentos da propriedade, que está em nome da mãe dele.

 A polícia informou que também foi cumprido mandado de busca do apartamento da mãe de Leonardo, no Bairro Funcionários em Belo Horizonte, onde houve apreensão de um computador, telefone celular e munição. Na tarde desta segunda-feira, a reportagem do Estado de Minas entrou em contato com o advogado Edson Cosme que defende Leonardo e Bernardo Andrade e a mãe deles. O advogado negou que seus clientes tivessem articulado o ataque aos sem-terra. Ele não respondeu se eles se apresentariam à Justiça, não respondendo também sobre o paradeiro dos dois irmãos – sendo que Leonardo Andrade está em tratamento contra um câncer. Cosme disse que encaminharia a reportagem uma nota a respeito do assunto, o que não aconteceu até a noite desta segunda-feira.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade