Publicidade

Estado de Minas

Mais de 10 pessoas são detidas por ataque a trabalhadores sem-terra em MG

Armas longas, revólveres e diferentes tipos de munição foram apreendidas. A ação dos criminosos deixou seis pessoas feridas


postado em 10/03/2018 11:32 / atualizado em 10/03/2018 11:51

Ao menos três dos presos já confessaram a participação no ataque(foto: Polícia Militar/Divulgação)
Ao menos três dos presos já confessaram a participação no ataque (foto: Polícia Militar/Divulgação)

As buscas por pessoas ligadas ao ataque a trabalhadores sem-terra na Fazenda Norte América, em Capitão Enéas, na Região Norte de Minas Gerais, continuam. A Polícia Militar (PM) já prendeu 10 pessoas e encaminhou outras duas para prestar esclarecimentos na delegacia. Entre elas, um advogado e a gerente de propriedade. Armas longas, revólveres e diferentes tipos de munição foram apreendidas. A ação dos criminosos deixou seis pessoas feridas.

De acordo com a PM, na quinta-feira, dia do crime, os militares já inciaram as diligências para tentar encontrar com os autores do ataque. Uma das vítimas apontou um homem como um dos responsáveis. Diante disso, os policiais se deslocaram para a fazenda e no trajeto encontraram com o autor. Ao ver a viatura, ele fugiu e entrou em um matagal. Porém, minutos depois voltou com as mãos para o alto e se entregou.

No mesmo dia, a gerente da propriedade, Andreia Beatriz, foi encaminhada para a delegacia para prestar esclarecimentos. No início, ela negou participação no episódio, no entanto, teria entrado em contradição durante o depoimento. Na noite dessa sexta-feira, a Polícia Civil confirmou que a mulher, que é gerente da propriedade, tinha sido presa. O advogado do dono da Fazenda Norte América, Robson Lima, também foi detido e encaminhado à delegacia para prestar esclarecimentos, também pela suspeita de participação no crime. Representantes da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) deram assistência a ele. Os policias encontraram como defensor um distintivo da polícia.

Nas buscas pela fazenda, os policiais encontraram a sede revirada e alguns pertences das vítimas espalhados. Uma fogueira foi feita pelos suspeitos do ataque para queimar documentos e outros objetos dos assentados. Seis funcionários da propriedade, que foram apontados pelos trabalhadores como sendo integrantes do grupo agressor, foram detidos. Eles têm idade entre 18 e 53 anos. Dois deles já tinham passagens anteriores.

Na LMG-657, os militares conseguiram chegar até um homem, de 33 anos, que dirigia um caminhão. Ele confessou que foi o responsável por transportar os integrantes do grupo que atacou as vítimas na fazenda. Dentro do veículo foi encontrada uma touca ninja, um rádio comunicador, dois telefones e R$ 270. O motorista relatou, ainda, que recebeu R$ 400 para o serviço.

Cerco

A operação continuou nessa sexta-feira. A PM conseguiu chegar a três homens e apreendeu diversas armas com o grupo.     “Os três foram encontrados na zona rural de Capitão Enéas. Eles estavam com armas e confirmaram a participação no crime”, afirmou o capitão Wellington Eduardo Mourão Ferreira, assessor de comunicação organizacional da 11º RPM. O trio não quis apontar quem foi o mandante do crime. Com os criminosos foram encontrados cinco revólveres calibre 38, duas pistolas calibre 380, quatro espingardas, vasta munição, dois tabletes de maconha, toucas ninjas, rádios comunicadores.  

De acordo com o capitão Ferreira, a operação vai continuar na tentativa de encontrar mais pessoas ligadas ao crime. “Vamos continuar o monitoramento na região. Equipes vão continuar as ações mais incisivas de acordo com as denúncias que chegarem”, pontuou o assessor de comunicação da PM.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade