Publicidade

Estado de Minas

Servidores da saúde de BH passarão por capacitação para melhorar relação com usuários

O programa Bem-Vindo, de capacitação e qualificação permanente de profissionais da saúde começa a ser implantado, em forma de projeto piloto, a partir de 27 de fevereiro, no distrito Norte


postado em 21/02/2018 12:53 / atualizado em 21/02/2018 13:44

Até o final do ano, todos os 15 mil funcionários sejam capacitados(foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A Press.)
Até o final do ano, todos os 15 mil funcionários sejam capacitados (foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A Press.)

A Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) anunciou na manhã desta quarta-feira medidas para melhorar as relações entre servidores e usuários, reduzindo conflitos. O programa Bem-Vindo, de capacitação e qualificação permanente de profissionais da saúde começa a ser implantado, em forma de projeto piloto, a partir de 27 de fevereiro, no distrito Norte. Até o final do ano, se estenderá aos demais para que todos os 15 mil funcionários sejam capacitados.

De acordo com o secretário de saúde do município, Jackson Machado, desde o início da gestão havia uma preocupação em melhorar o atendimento nos centros de saúde e UPAS e com a segurança nesses locais. “Mapeamos três pontos principais de geração de conflitos, a acolhida, a falta de medicamentos e insumos e a demora no atendimento”, disse. No quesito medicamentos e insumos, a secretaria disse que já atingiu a meta de suprimento em 99% nas UPAS e 95% nos Centros de Saúde. “Esse percentual em falta são eventuais e de responsabilidade do Estado, que usa nossa rede para distribuir medicamentos e insumos, como as tiras de glicemia, por exemplo”, completou.

Outro ponto apontado no mapeamento é sobre a espera por atendimento, principalmente aqueles classificados na triagem como não urgentes ou graves (fita verde). “Diminuímos significativamente essa demora. No Hospital Odilon Behrens, por exemplo, o tempo caiu de quatro horas para 30 minutos”, exemplificou o secretário. E esta terceira investida é a capacitação para que o usuário se sinta atendido com presteza e atenção.

A qualificação dos trabalhadores será feita por meio de cursos de Capacitação e Atendimento ao Público com metodologia ativa. O projeto conta com os seguintes módulos: Atendimento à população LGBT, O contexto da Segurança nas Unidades de Saúde (curso que capacitará Guardas Municipais), Capacitação em Atendimento ao Público: Comunicação e Escuta Ativa e Prevenção de Conflitos e Segurança nas Unidades de Saúde. As turmas terão em média 35 participantes e as aulas serão ministradas nas próprias unidades.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade