Publicidade

Estado de Minas

Mais uma cidade da Grande BH nega aumento das passagens de ônibus

Desta vez, a prefeitura de Ribeirão das Neves negou o reajuste. Prefeito informou que não houve melhoras no transporte, por isso, a alta não seria justificada


postado em 10/01/2018 14:42

Mais uma cidade da Região Metropolitana de Belo Horizonte negou o pedido de aumento de passagens de ônibus das empresas concessionárias. Desta vez, a prefeitura de Ribeirão das Neves não acatou o reajuste. Segundo o prefeito Junynho Martins, não houve melhoras no transporte, por isso, a alta não seria justificada. A mesma medida já tinha sido tomada por outros municípios, como BH, Contagem, e Betim.


O anúncio foi feito pelo prefeito por meio de um vídeo publicado na página oficial da prefeitura no Facebook. Martins falou sobre a negativa do reajuste e explicou a situação das tarifas dos ônibus intermunicipais, que entrou em vigor no início deste ano. “Os ônibus intermunicipais, que vão de Neves a BH, são de responsabilidade do Governo do Estado. Então foi alterado em procedência do Governo do Estado”, disse.


O reajuste dos ônibus intermunicipais foi de aproximadamente 3% do valor da passagem e entrou em vigor no dia 1º de janeiro. Usuários do Sistema Move metropolitano passaram a desembolsar R$ 5 nas passagens, R$ 0,15 a mais do que a vigente no ano passado. Segundo a Secretaria de Transporte e Obras Públicas (Setop), cerca de sete milhões de passageiros/mês utilizam o sistema, que atende os terminais de Morro Alto (Vespasiano), São Benedito (Santa Luzia), Justinópolis (Ribeirão das Neves), Vilarinho (Venda Nova), São Gabriel (Nordeste), Bernardo Monteiro (Centro-Sul) e o Terminal Provisório Aarão Reis (Centro). Mensalmente, o número de passagens vendidas no sistema metropolitano é de 17,485 milhões.


Ribeirão das Neves seguiu outras cidades que também não acataram o aumento das passagens de ônibus. A primeira delas foi Belo Horizonte, e o caso foi parar na Justiça. O prefeito Alexandre Kalil (PHS) negou o aumento de 10,5% no preço das passagens. No fim do ano passado, a Justiça negou duas vezes o aumento das passagens na capital mineira. Após um pedido de liminar reivindicando o reajuste de passagem ter sido negado pelo juiz Marco Aurélio Abrantes Rodrigues em 22 de dezembro, no dia 26 foi a vez de o desembargador Wander Marotta, do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) rejeitar um agravo de instrumento sobre o mesmo tema impetrado por consórcios que atuam no transporte coletivo em BH.


No início deste mês, Contagem também negou o reajuste. A administração municipal informou que as concessionárias pediram cerca de 11% de reajuste, pedindo que a tarifa subisse de R$ 4,05 para R$ 4,50. “A Prefeitura de Contagem entende que o reajuste da tarifa só é possível com uma planilha detalhada que comprovem os investimentos feitos no transporte público. Como não há justificativa consistente, o aumento não foi autorizado”, disse, por meio de nota.


Outra cidade que não acatou o aumento foi Betim. O anúncio foi feito, também no início do mês, pela Empresa de Construções, Obras, Serviços, Projetos, Transportes e Trânsito de Betim (Ecos).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade