Publicidade

Estado de Minas

Fé em Nos­sa Se­nho­ra Apa­re­ci­da é celebrada por famílias que mu­da­ram su­as vi­das

A ima­gem da pa­dro­ei­ra do Bra­sil é preservada nas casas de fiéis que já al­can­ça­ram gra­ças e são devotos. Conheça histórias


postado em 12/10/2017 06:00 / atualizado em 12/10/2017 07:26

Rodrigo se espelhou na avó Maria Efigênia e desde criança participa de missas e procissões(foto: Marco Aurélio Fonseca )
Rodrigo se espelhou na avó Maria Efigênia e desde criança participa de missas e procissões (foto: Marco Aurélio Fonseca )

A fé reú­ne as fa­mí­lias, pro­mo­ve o en­con­tro de ge­ra­ções e faz a fes­ta nos la­res ca­tó­li­cos bra­si­lei­ros. Na ca­sa da apo­sen­ta­da Ma­ria Efi­gê­nia Mar­tins dos San­tos, mo­ra­do­ra do Bair­ro São Ge­ral­do, em San­ta Lu­zia, na Re­gião Me­tro­po­li­ta­na de Be­lo Ho­ri­zon­te, ho­je é dia de mui­tas co­me­mo­ra­ções, com al­vo­ra­da, pro­cis­são e pre­sen­ça dos qua­tro fi­lhos, 10 ne­tos, pa­ren­tes, ami­gos e vi­zi­nhos. “Gos­to de re­zar por to­dos. E já re­ce­bi mui­tas gra­ças de Nos­sa Se­nho­ra Apa­re­ci­da, ver­da­dei­ros mi­la­gres”, con­ta Ma­ria Efi­gê­nia com a ca­mi­sa da pa­droei­ra do Bra­sil e um sor­ri­so de quem co­nhe­ce o po­der das pa­la­vras. Nas pa­ró­quias (ve­ja pro­gra­ma­ção), as ati­vi­da­des se­rão du­ran­te to­do o dia, com to­que de si­nos, car­rea­tas e co­roa­ção de Nos­sa Se­nho­ra.

Lo­go per­to do por­tão, es­tá um das re­fe­rên­cias da de­vo­ção ca­tó­li­ca de Ma­ria Efi­gê­nia. Pin­ta­da de azul, há uma ca­pe­li­nha em for­ma de ora­tó­rio, cons­truí­da pa­ra duas fi­na­li­da­des mui­to es­pe­ciais: em ou­tu­bro, abri­gar a ima­gem de Nos­sa Se­nho­ra Apa­re­ci­da, e, no mês se­guin­te, o pre­sé­pio, com as ima­gens do nas­ci­men­to de Je­sus. “Já tes­te­mu­nhei dois mi­la­gres en­vol­ven­do meus fi­lhos. Vi­das sal­vas do de­sa­ba­men­to de um bar­ran­co e de um in­cên­dio. En­tre­go tu­do nas mãos de­la e de Deus”, re­ve­la a apo­sen­ta­da.

Nes­sa his­tó­ria tem lu­gar es­pe­cial o ne­to Ro­dri­go Mar­tins, de 17, que, des­de a in­fân­cia, acom­pa­nha os pas­sos da avó e a aju­da a pre­pa­rar a ca­pe­li­nha pa­ra os fes­te­jos re­li­gio­sos. Des­sa vez, o es­tu­dan­te mon­tou o al­tar com uma es­tru­tu­ra dou­ra­da, in­cluin­do flo­res, an­jos, o Di­vi­no Es­pí­ri­to San­to, e, pa­ra dar as boas-vin­das aos vi­si­tan­tes, pen­du­rou no mu­ro da fren­te ban­dei­ras re­cor­ta­das de uma toa­lha de me­sa tra­zi­da de Apa­re­ci­da (SP). “Ele era bem pe­que­no, ti­nha seis me­ses, e já ia co­mi­go às pro­cis­sões”, re­cor­da-se Ma­ria Efi­gê­nia.

“Se me per­gun­tas­sem, quan­do me­ni­no, se eu pre­fe­ria uma fes­ta do dia das crian­ças ou de Nos­sa Se­nho­ra Apa­re­ci­da, res­pon­de­ria com cer­te­za que fi­ca­ria com a se­gun­da”, diz Ro­dri­go, com o ter­ço na mão e os olhos vol­ta­dos pa­ra o al­tar ilu­mi­na­do por ve­las. Mi­nei­ra­men­te, mui­tos de­vo­tos se re­fe­rem à pa­droei­ra co­mo Nos­sa Se­nho­ra “da” Apa­re­ci­da” e cha­mam a ci­da­de pau­lis­ta de Apa­re­ci­da “do Nor­te”, o que, sem dú­vi­da, soa mais for­te, já que o pon­to car­deal sig­ni­fi­ca di­re­ção, ca­mi­nho e ru­mo na vi­da. Em to­do can­to, não é ra­ro ou­vir ho­mens e mu­lhe­res cha­man­do a pa­droei­ra de Mãe Apa­re­ci­da.

Es­tá qua­se na ho­ra da no­ve­na das 19h e Ro­dri­go con­fe­re os úl­ti­mos de­ta­lhes na ca­pe­li­nha. Per­to do te­lha­do, ele mos­tra um ti­jo­li­nho que veio de Apa­re­ci­da e uma re­lí­quia, com um pe­da­ço do man­to da pa­droei­ra, que é tro­ca­do anual­men­te. “Acho que o mais im­por­tan­te é ter fé. Du­ran­te a re­za, es­ta­mos uni­dos”, re­ve­la o jo­vem.

AMOR MAIOR

Brin­cos, pin­gen­te, cha­vei­ro e mui­tas ima­gens no al­tar do­més­ti­co. A pro­fes­so­ra de ma­te­má­ti­ca Ana Ma­ria Adal­ber­to Car­va­lho, ca­sa­da com o geó­gra­fo Ri­car­do Car­va­lho e mãe de Ma­ria­na Apa­re­ci­da, de 32, e Ri­car­do, de 29, guar­da com mui­to ca­ri­nho as lem­bran­ças de via­gem a Apa­re­ci­da e tam­bém ob­je­tos re­ce­bi­dos de pes­soas que­ri­das, co­mo uma pe­ça lu­mi­no­sa que ga­nhou da so­gra. “Nos­sa Se­nho­ra Apa­re­ci­da é a gran­de in­ter­ces­so­ra do po­vo jun­to a Deus”, acre­di­ta Ana Ma­ria.

Na sa­la da ca­sa no Bair­ro Idu­li­pê, em San­ta Lu­zia, a pro­fes­so­ra ex­pli­ca que a de­vo­ção à pa­droei­ra do Bra­sil en­trou em sua vi­da de for­ma es­pon­tâ­nea. “Não há exa­ta­men­te uma da­ta, mas sou des­sas fer­vo­ro­sas, de ir à igre­ja, de re­zar em ca­sa, en­fim, o tem­po to­do em ora­ção”, con­ta Ana Ma­ria, re­ve­lan­do uma pas­sa­gem de sua vi­da que, fe­liz­men­te, não dei­xou se­que­las. Em 1984, nu­ma es­co­la da Re­gião Nor­te de BH, foi pro­fes­so­ra de uma me­ni­na que es­ta­va com ru­béo­la e sen­ta­va na pri­mei­ra car­tei­ra da sa­la de au­la. “O pro­ble­ma é que eu es­ta­va grá­vi­da e ain­da não sa­bia.”

As con­sul­tas com a gi­ne­co­lo­gis­ta re­co­men­da­ram cau­te­la, já que se a mãe es­ti­ves­se com ru­béo­la a crian­ça po­de­ria nas­cer ce­ga, sur­da ou com ou­tros pro­ble­mas. “Mas, co­mo a mé­di­ca era mui­to cons­cien­cio­sa e ex­pe­rien­te, fo­ram fei­tos mui­tos exa­mes e hou­ve mo­ni­to­ra­men­to cons­tan­te. “Con­ver­sa­mos mui­to e re­sol­ve­mos le­var a pri­mei­ra gra­vi­dez adian­te. Foi um pe­río­do di­fí­cil, re­zei mui­to pa­ra Nos­sa Se­nho­ra Apa­re­ci­da. E Ma­ria­na nas­ceu mui­to sau­dá­vel, tan­to que se cha­ma Ma­ria­na Apa­re­ci­da em ho­me­na­gem à san­ta”, afir­ma Ana Ma­ria, que não te­ve a doen­ça con­ta­gio­sa.

Já no Bair­ro Ser­ra, na Re­gião Cen­tro-Sul de BH, os ir­mãos Jo­sé Car­los Car­do­so, de 53, do­no do bar Zé Pre­ti­nho, e Adil­son Car­do­so, de 43, man­têm ace­sa, noi­te e dia, a cha­ma da de­vo­ção. Na ver­da­de, é tan­ta que as le­tras NSA es­tão na ca­mi­sa de tra­ba­lho dos dois. Com um jei­to ca­ri­nho­so, Jo­sé Car­los tam­bém mos­tra to­tal in­ti­mi­da­de com a san­ta pro­te­to­ra. “Con­ver­so, com ela, cha­mo de ‘Pre­ti­nha’. Re­zo to­dos os dias pe­din­do aju­da”, con­ta o do­no do bar, que tem um ora­tó­rio no can­to, e, nos mo­men­tos de maior di­fi­cul­da­de, pe­de “uma for­ça”.

Qua­se anoi­te­cen­do, o mo­vi­men­to do bar no co­me­ço e o po­pu­lar Zé Pre­ti­nho con­ta que, quan­do se se­pa­rou da mu­lher, le­vou con­si­go ape­nas as duas ima­gem de Nos­sa Se­nho­ra Apa­re­ci­da. O ir­mão Adil­son for­ta­le­ce a de­vo­ção e, de re­pen­te, mos­tra o bra­ço es­quer­do com a ta­tua­gem da san­ta en­con­tra­da há 300 anos nas águas do Rio Pa­raí­ba do Sul (SP) e que se tor­nou Nos­sa Se­nho­ra Apa­re­ci­da.

Sem­pre sor­ri­den­te, Zé Pre­ti­nho ele­va uma ima­gem co­lo­ri­da, pre­sen­te de uma ami­ga que che­gou de For­ta­le­za (CE) e ou­tra pe­que­na, em 3D. “Em ca­sa, te­nho mais 10”, con­ta o ho­mem que, pe­la sua fé, con­fes­sa que nun­ca fi­ca doen­te e vi­ve em paz. Uni­dos, os ir­mãos fa­zem a fes­ta pa­ra a crian­ça­da em 27 de se­tem­bro, quan­do ves­tem de Cos­me e Da­mião e dis­tri­buem ba­las e con­fei­tos pa­ra a ga­ro­ta­da do bair­ro.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade