Publicidade

Estado de Minas PADROEIRA DO BRASIL

Conheça a Apa­re­ci­da de Cór­re­gos, ho­mô­ni­ma da pro­te­to­ra do Bra­sil

Pa­dro­ei­ra do pe­que­no dis­tri­to de Con­cei­ção do Ma­to Den­tro tem pe­le branca. Ima­gem foi en­con­tra­da no ce­mi­té­rio da lo­ca­li­da­de, em 1722


postado em 12/10/2017 06:00 / atualizado em 12/10/2017 07:35

Devotos mostram a imagem de Nossa Senhora Aparecida ao lado da bandeira da padroeira do distrito em Minas Gerais (foto: Jair Amaral EM DA Press)
Devotos mostram a imagem de Nossa Senhora Aparecida ao lado da bandeira da padroeira do distrito em Minas Gerais (foto: Jair Amaral EM DA Press)

Con­cei­ção do Ma­to Den­tro – Im­pos­sí­vel não sen­tir uma paz qua­se ab­so­lu­ta no dis­tri­to de Cór­re­gos, lo­ca­li­za­do a 24 qui­lô­me­tros da se­de mu­ni­ci­pal, sen­do uma par­te per­cor­ri­da em es­tra­da de ter­ra. Po­de ser pe­lo ca­mi­nho que pa­re­ce atra­ves­sar o tem­po, pe­la pai­sa­gem bu­có­li­ca e si­len­cio­sa, com uma rua an­ti­ga e prin­ci­pal, e pe­la at­mos­fe­ra co­lo­nial, cu­jas raí­zes fin­ca­das no iní­cio do sé­cu­lo 18 es­tão pre­sen­tes nas igre­jas, ca­sas e to­po­gra­fia. No en­tan­to, quem che­ga à co­mu­ni­da­de de cer­ca de 300 pes­soas se sur­preen­de com uma his­tó­ria de sé­cu­los e úni­ca nas Ge­rais: o no­me da pa­droei­ra lo­cal é o mes­mo da pro­te­to­ra dos bra­si­lei­ros, Nos­sa Se­nho­ra Apa­re­ci­da, mas há uma di­fe­ren­ça que os mo­ra­do­res se apres­sam em fri­sar bem. “A da­qui é Nos­sa Se­nho­ra Apa­re­ci­da de Cór­re­gos”, es­cla­re­ce a ofi­cial in­te­ri­na do car­tó­rio de re­gis­tro de imó­veis, Ma­ria Ode­te de Al­mei­da, pro­fes­so­ra apo­sen­ta­da e ze­la­do­ra da igre­ja ma­triz.

A ca­be­ça do vi­si­tan­te po­de dar um nó, mas o me­lhor é se­guir em fren­te a fim de en­ten­der bem es­sa par­ti­cu­la­ri­da­de do dis­tri­to, que, no pró­xi­mo do­min­go, faz a fes­ta pa­ra sua pa­droei­ra. As no­ve­nas co­me­ça­ram na sex­ta-fei­ra pas­sa­da e o en­tu­sias­mo es­tá nas al­tu­ras, pois ha­ve­rá mis­sa, pro­cis­são, des­cen­di­men­to da ban­dei­ra e os ri­tos tí­pi­cos das ce­le­bra­ções re­li­gio­sas. “Es­te ano, re­zar o ter­ço à noi­te e sol­tar fo­gue­te ao meio-dia pa­ra ce­le­brar a pa­droei­ra do Bra­sil, já que são 300 anos de en­con­tro da ima­gem nas águas do Pa­raí­ba do Sul (SP)”, con­ta Ma­ria Ode­te.

Con­for­me a tra­di­ção oral, em 1722, “apa­re­ceu” no ce­mi­té­rio, on­de de­pois foi er­gui­da a ma­triz, uma ima­gem de Nos­sa Se­nho­ra que ho­je “mo­ra” no al­tar-mor, con­for­me diz Ma­ria Ode­te bem à mi­nei­ra e, a exem­plo de ou­tros de­vo­tos, mos­tran­do com­ple­ta in­ti­mi­da­de com a san­ta. A pe­ça te­ria si­do dei­xa­da por um ban­dei­ran­te em bus­ca de ou­ro, que ba­teu em re­ti­ra­da, se­guin­do o Rio San­to An­tô­nio, sem con­se­guir gran­des ri­que­zas. “São ne­ces­sá­rias pes­qui­sas pa­ra co­nhe­cer­mos me­lhor es­sa his­tó­ria”, diz o vi­gá­rio pa­ro­quial, pa­dre Wal­ter Gue­des, da Pa­ró­quia de Nos­sa Se­nho­ra da Con­cei­ção, de Con­cei­ção do Ma­to Den­tro, cer­to de que há pou­cos es­tu­dos so­bre o as­sun­to. Ele rei­te­ra que a de­vo­ção a Nos­sa Se­nho­ra Apa­re­ci­da de Cór­re­gos não tem na­da a ver com a pa­droei­ra do Bra­sil.

FER­VO­RO­SOS

A Igre­ja de Nos­sa Se­nho­ra Apa­re­ci­da de Cór­re­gos da­ta de 1722 e os nú­me­ros es­tão pin­ta­dos na fa­cha­da da cons­tru­ção, ao la­do de ou­tros re­fe­ren­tes a obras. Ca­mi­nhan­do den­tro da ma­triz, Ma­ria Ode­te mos­tra a es­cul­tu­ra da pa­droei­ra no al­tar, na ver­da­de uma se­me­lhan­te à de Nos­sa Se­nho­ra do Ro­sá­rio, sem o ro­sá­rio na mão. “Es­ta­mos es­pe­ran­do a obra de res­tau­ra­ção do tem­plo. Já fo­ram fei­tas as pros­pec­ções e acre­di­ta­mos que ago­ra vai sair”, diz com es­pe­ran­ça e apon­tan­do pa­ra o sa­crá­rio com ele­men­tos ar­tís­ti­cos dou­ra­dos e pra­tea­dos. Cria­da com frei­ras fran­cis­ca­nas e pro­fes­so­ra apo­sen­ta­da de ciên­cias bio­ló­gi­cas e ma­te­má­ti­ca, Ma­ria Ode­te des­ta­ca que a Nos­sa Se­nho­ra Apa­re­ci­da de Cór­re­gos é bran­ca, ou­tra sur­pre­sa, já que a pa­droei­ra dos bra­si­lei­ros tem a pe­le ne­gra.

Cu­rio­sa­men­te, vê-se que os pa­ro­quia­nos não se preo­cu­pam es­pe­ci­fi­ca­men­te com a ico­no­gra­fia da pa­droei­ra. Pa­ra eles, é Nos­sa Se­nho­ra Apa­re­ci­da e pron­to. “Quan­do re­zo, pe­ço a Nos­sa Se­nho­ra Apa­re­ci­da de Cór­re­gos. Na fes­ta, por exem­plo, le­va­mos a ban­dei­ra e er­gue­mos o mas­tro em lou­vor a ela. Mas na­da im­pe­de de a gen­te re­zar pa­ra Nos­sa Se­nho­ra Apa­re­ci­da do Bra­sil. O que va­le mes­mo é a fé.” A fra­se de Ma­ria Ode­te, tam­bém mi­nis­tra da eu­ca­ris­tia – “ve­nho aqui na igre­ja des­de que me en­ten­do por gen­te” – é di­ta pou­co an­tes de ela su­bir ao al­tar e pôr, la­do a la­do, as duas ima­gens de Ma­ria, mãe de Je­sus, que é ape­nas uma e re­ce­be cen­te­nas de tí­tu­los mun­do afo­ra, de­pen­den­do da apa­ri­ção e de­vo­ção. “Te­mos na ma­triz duas ima­gens da pa­droei­ra dos bra­si­lei­ros. A maior no al­tar la­te­ral es­quer­do e ou­tra, pe­que­na, ao la­do di­rei­to de quem en­tra na igre­ja.”

Nas­ci­da e cria­da em Cór­re­gos, on­de ba­ti­zou a fi­lha e ne­tos na Ma­triz de Nos­sa Se­nho­ra Apa­re­ci­da, a do­na de ca­sa Ma­ria do Am­pa­ro Tei­xei­ra Du­que tam­bém tem mui­ta fé na pa­droei­ra. “É is­so que va­le. Ai de nós se não fos­sem elas. A gen­te pe­de e to­das aten­dem na ho­ra”, con­fes­sa Ma­ria do Am­pa­ro, ca­sa­da com An­tô­nio Fer­rei­ra Du­que. Con­fian­te, ela pre­fe­re man­ter a de­vo­ção nas duas. “São mui­tas gra­ças al­can­ça­das ao lon­go da vi­da”, re­su­me.

Na tar­de en­so­la­ra­da dian­te da ma­triz, um gru­po se reú­ne pa­ra for­ta­le­cer a ami­za­de e mos­trar o fer­vor pe­las pa­droei­ras. La­do a la­do, a pe­di­do do Es­ta­do de Mi­nas, eles co­lo­cam so­bre o mu­ro de pe­dras do adro a ban­dei­ra de Nos­sa Se­nho­ra Apa­re­ci­da de Cór­re­gos e a ima­gem de Nos­sa Se­nho­ra pa­droei­ra do Bra­sil. Ao se apro­xi­mar, An­tô­nio Ge­ral­do Pe­rei­ra e Os­val­di­no Bar­ro­so ti­ram o cha­péu em si­nal de res­pei­to. “Gos­to das duas”, diz Noe­me Al­veis Reis, en­quan­to An­to­nio as­se­gu­ra sua fé em am­bas.

De­pois da fo­to, a des­pe­di­da, e aque­la cli­ma bem mi­nei­ro de con­vi­dar pa­ra to­mar um ca­fé em ca­sa. O sol ain­da es­tá al­to e ba­nha de luz a Rua Cô­ne­go Ma­du­rei­ra, a mais an­ti­ga do dis­tri­to e ba­ti­za­da em ho­me­na­gem ao pri­mei­ro vi­gá­rio de Cór­re­gos. Um ho­mem, sen­ta­do no pas­seio, mos­tra a ca­mi­sa com o de­se­nho de Nos­sa Apa­re­ci­da – mas avi­sa que é Nos­sa Se­nho­ra pro­te­to­ra de to­dos os bra­si­lei­ros.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade