Publicidade

Estado de Minas

'Lá não é questão de trafegabilidade. É questão de vida humana', diz Kalil sobre Anel Rodoviário

Prefeito anunciou que ação civil pública pedindo municipalização do Anel já foi distribuída para a Justiça Federal


postado em 11/09/2017 11:14 / atualizado em 11/09/2017 12:04

Kalil apresentou a ação civil pública na Justiça Federal e a notícia de crime no Ministério Público Federal (MPF) acompanhado do Procurador-Geral de BH e de vereadores da capital(foto: Edésio Ferreira/EM/D.A PRESS)
Kalil apresentou a ação civil pública na Justiça Federal e a notícia de crime no Ministério Público Federal (MPF) acompanhado do Procurador-Geral de BH e de vereadores da capital (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A PRESS)
O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PHS), criticou duramente, na manhã desta-segunda-feira, a falta de ações do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) com relação à gestão do Anel Rodoviário da capital mineira. Kalil apresentou, acompanhado do Procurador-Geral de BH, Tomaz de Aquino, a ação civil pública e a notícia de crime que anunciou na semana passada pedindo providências com relação à violência no trecho de 26 quilômetros da rodovia urbana por onde passam 160 mil veículos todos os dias.

O primeiro movimento, que já foi distribuído na 10ª Vara Federal, é uma ação civil pública pedindo a municipalização do Anel, com uma requisição de liminar, o que torna uma decisão possível a qualquer momento, conforme o procurador Tomaz de Aquino. O segundo movimento da PBH é o encaminhamento de uma notícia de crime no Ministério Público Federal (MPF), que será protocolada ainda hoje na instituição, pedindo que o superintendente do Dnit em Minas, Fabiano Martins Cunha, seja responsabilizado criminalmente pela situação de violência no Anel Rodoviário.

Kalil disse que o Dnit já tinha sido procurado pela PBH, mas não deu nenhum retorno à possibilidade de a prefeitura assumir a gestão do trecho tão violento. "Já estive com o Dnit e eles nunca deram resposta. Lá não é questão de trafegabilidade. É questão de vida humana. Então não estamos dando importância de como será o tráfego, se vai andar bem ou mal, nós estamos falando de passar um ano, dois, três, sem acidentes fatais", afirma o prefeito. Kalil foi duro com a falta de manutenção. "O orçamento do Dnit é de R$ 10 bilhões e nem pintura foi colocada no trecho do Dnit do Anel Rodoviário", afirma.

QUESTÃO POLÍTICA O prefeito ainda criticou um possível loteamento de cargos no governo federal e pediu que os deputados federais que indicam os responsáveis pela direção do Dnit sejam cobrados. "Aqui não tem cachorro, gato nem passarinho. Aqui tem mineiro e tem belo-horizontino. Então não nos tratem como cachorro, gato e passarinho porque em 2018 vamos tratá-los como cachorro, gato e passarinho, que não podem ser eleitos no Brasil", completa.

TRAGÉDIA A reação da prefeitura, judicializando a tentativa de interferir na administração do Anel já vem desde agosto. Na última quarta-feira, o prefeito ordenou que o processo fosse acelerado, em virtude da tragédia que matou três pessoas da mesma família após um caminhão de minério descer sem freio o trecho da descida do Bairro Betânia, Oeste de BH, e esmagar um carro onde estavam um policial civil, sua mulher e o filho do casal, estudante de medicina do Centro Universitário UniBH.

A reportagem procurou o Dnit em Minas Gerais e aguarda retorno do órgão sobre o posicionamento da Prefeitura de Belo Horizonte.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade