Publicidade

Estado de Minas

Estudantes denunciam crimes no campus Pampulha da UFMG e convocam reuniões

Alunos do campus Pampulha divulgam informações sobre assaltos nas redes sociais. DCE quer se reunir com o reitor. Estudantes também vão promover assembleias. PM confirma que um carro foi roubado ontem


postado em 24/08/2017 11:54 / atualizado em 24/08/2017 13:27

Estudantes divulgaram imagens de conversas falando sobre os crimes. PM pede que vítimas registrem boletins de ocorrência(foto: Reprodução internet/Facebook)
Estudantes divulgaram imagens de conversas falando sobre os crimes. PM pede que vítimas registrem boletins de ocorrência (foto: Reprodução internet/Facebook)
Nos últimos dias, estudantes da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) vêm relatando uma série de furtos e assaltos no câmpus Pampulha. O caso de maior repercussão foi registrado em 8 de agosto, quando passageiros do ônibus interno que circula na unidade foram assaltados por três adolescentes, apreendidos pela Polícia Militar (PM) no Bairro São Luiz. Diante da situação, representantes do Diretório Central dos Estudantes (DCE) informaram que pretendem se reunir com a reitoria da universidade nesta quinta-feira para discutir medidas para conter a situação. No entanto, a instituição ainda não confirmou o encontro. 

Na madrugada de quarta-feira, estudantes usaram grupos nas redes sociais para falar de um assalto a pedestres que estavam em um ponto de ônibus em frente ao Instituto de Ciências Biológicas (ICB). A postagem mostrava uma mensagem no WhatsApp falando sobre cinco homens armados envolvidos em um arrastão. Ontem, a Polícia Militar (PM) informou que não havia registro desta ocorrência no campus.

Os relatos continuaram. Desta vez, conforme os alunos, pelo menos dois carros e uma motocicleta teriam sido levados. Na noite passada, o DCE divulgou um comunicado alertando sobre o “surto de violência, assaltos e roubos” na universidade. “Hoje recebemos mais três relatos de casos gravíssimos: dois roubos de carros e um de roubo de moto dentro no campus. Esses três casos se somam a outras situações de roubo e violência que aconteceram nos últimos dias”, diz o texto.

O Diretório informa que tem cobrado da reitoria medidas em relação aos crimes e informa que há uma reunião marcada para falar da situação no câmpus. “Assim que tivermos algum encaminhamento da administração da UFMG teremos maior lucidez para proceder quanto a questão de segurança na universidade. É urgente que nós comecemos a tomar medidas para trazer segurança ao campus Pampulha e toda sua comunidade que aqui transita”, informa o grupo.



O DCE também pede que quem frequent o campus Pampulha seja cauteloso e indica que haverá uma reunião aberta para discutir o assunto com os estudantes.

“Reiteramos nosso pedido que todos os usuários da UFMG tomem cuidado dentro do campus Pampulha e nos seus arredores. Evitem andar sozinhos, em especial em horários de menor movimento. Guardem seus objetos de valor de forma a dificultar seu acesso e visualização. Evitem andar com celular na mão ou com fones de ouvidos conectados. Notifiquem os seguranças e nos avisem nos grupos de redes sociais sobre qualquer ocorrência anormal que presenciarem. Estamos organizando junto ao movimento estudantil (Grêmios, Centros Acadêmicos e Diretórios Acadêmicos) uma reunião aberta e divulgaremos sua data e horário assim que possível”.

O Diretório Acadêmico da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas (Fafich) também marcou uma reunião na tarde do dia 28 para debater os casos.

Diretório Acadêmico da Fafich vai discutir o tema na próxima segunda-feira(foto: Reprodução internet/Facebook)
Diretório Acadêmico da Fafich vai discutir o tema na próxima segunda-feira (foto: Reprodução internet/Facebook)


Na manhã desta quinta-feira, o coordenador-geral do DCE, Hygor Hernane Telles, disse à reportagem do em.com.br que a reunião com a reitoria está marcada para hoje. O horário ainda não foi informado. A assembleia com os demais estudantes deve ser realizada na sexta-feira, a partir das 11h. “Estão ocorrendo muitos assaltos, recebemos muitos relatos”, diz Telles, que também recomenda que os casos sejam registrados. “O pessoal não tem costume de fazer boletim de ocorrência. Tem que entender que é importante fazer o boletim e procurar a gente”, afirma.

A orientação é reforçada pelo major Fábio Almeida, comandante da 17ª Companhia da Polícia Militar, responsável pela área. “Tem que ser registrado. Para se ter uma ideia, de todos os comparativos que temos, estamos com redução criminal no entorno. Os registros que chegam pra gente no interior da UFMG são poucos”, explica o militar. Segundo ele, a corporação tem priorizado o entorno com uma viatura que faz rondas pelas avenidas Antônio Abrahão Caram, Antônio Carlos e Carluz Luz. “Já fizemos duas reuniões com a reitoria e estamos tentando implantar uma bike patrulha no interior da UFMG”, diz o militar.

O major também confirma que houve um registro de um carro roubado no campus Pampulha na noite de quarta-feira. O crime foi cometido por dois homens. “Eles entraram naquela estrutura enorme, já que ela é aberta, se esconderam em um matagal e, na primeira oportunidade, tomaram esse carro de assalto”, explica. A polícia fez uma ação de cerco e bloqueio, mas o veículo não foi localizado. “Esse fato de ontem está muito ligado a essa carga de um jogo grande (a partida de Cruzeiro e Grêmio, no Estádio Mineirão), e muitas pessoas entram na UFMG, saem de lá, e nem são estudantes. E é um lugar aberto ao público”, analisa. 

A assessoria de imprensa da UFMG informou ao em.com.br, no início desta tarde, que está apurando o caso. A reunião entre o DCE e a reitoria da universidade não foi confirmada.

Estudantes falam da sensação de insegurança


Os crimes no campus Pampulha viraram tema recorrente das conversas entre os universitários, principalmente entre os que estudam no período noturno. “De dia, o que tava tendo, era um cara que estava entrando no ICB e roubando computador e eletrônicos dentro dos laboratórios de pesquisa. E agora, na parte da noite, um grupo de moleques assaltando o ônibus interno. Já foram três assaltos esses últimos dias. O ônibus é de graça né? Aí eles pegam, entram e roubam todo mundo”, relata uma aluna da UFMG, que pediu para não ser identificada.

“A UFMG está num processo de sucateamento. Isso é inegável. A gente vê alguns guardas circulando pela universidade, mas eles estão mais próximos da entrada, nesses lugares mais longes, tipo ICB, Farmácia e Odontologia, realmente é bem escuro e muito vazio. À noite a sensação de insegurança é muito grande principalmente pra quem tem que atravessar o campus”, afirma outra estudante que também pediu anonimato. “Depois das 19h os ônibus internos são raros.  A entrada da Carlos Luz é deserta, poucos carros passam por lá e não é seguro fazer o que se faz de manhã, que é pedir carona”, diz. “Me assusta esse tanto de caso, parece que decidiram atacar a UFMG, parece que é algo organizado, sabe? Três roubos em uma mesma noite”, completa. 

O modo com os crimes no campus devem ser combatidos também divide opiniões entre os alunos da instituição. Enquanto uma ala defenda um patrulhamento maior da Polícia Militar no local, um outro grupo, contrário à presença dos militares, entende que outras medidas, como a melhoria da iluminação, podem contribuir para que haja uma diminuição nos crimes dentro do campus. 

Para o estudante de jornalismo Lucas Negrisoli, não há resposta fácil para a questão da segurança no campus Pampulha. “Ao mesmo tempo que há um medo latente de crimes - principalmente para os alunos do noturno, como eu - há uma memória muito viva de um militarismo dentro da universidade que foi muito prejudicial”, analisa. “É preciso discutir ações sobre a segurança na UFMG, é preciso discutir a presença - ou não - da PM no campus, é preciso discutir os cortes de verba que acabam ajudando bastante no aumento da insegurança. O debate é delicado e tem que ser feito de forma a contemplar toda essa complexidade. Não é uma questão fácil, mas algo precisa ser feito”, enfatiza.
Estudantes comentam os crimes nas redes sociais(foto: Reprodução internet/Twitter)
Estudantes comentam os crimes nas redes sociais (foto: Reprodução internet/Twitter)


Favorável à presença de policiais militares no campus, uma estudante de biomedicina da instituição relatou que sente medo de andar pela universidade. “Eu nunca passei por nenhuma ocorrência assim lá, mas medo eu tenho sim. Acho muito perigoso, a iluminação é precária, as ruas são desertas e mulher acaba sempre virando um alvo mais fácil.” 

Segundo a estudante que frequenta as aulas no turno da noite, apenas a segurança universitária não é capaz de “tomar conta de um espaço tão grande”. Além disto, ela ressaltou que a presença da PM na instituição daria maior sensação de segurança para os alunos. “Nós vamos sentir mais segurança vendo o policiamento pelo campus, acho que a presença da PM seria ótimo.” * Sob supervisão da subeditora Jociane Morais
(foto: Reprodução internet/Facebook)
(foto: Reprodução internet/Facebook)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade